Em busca do Estádio perdido em Buenos Aires

Bandeiras em punho. Multidão cantando em coro. Emoção e alento nas ruas e em um estádio repleto.

Mas não, não se trata de um jogo de futebol.

Quer dizer, como se pode ver, a cultura do futebol está sempre entrelaçada ao nosso dia a dia, mas hoje vou falar de um role que fizemos no fim de semana de 23 e 24 de março, por Buenos Aires.

O fim de semana tinha 2 grandes acontecimentos: o show da banda espanhola SKA-P, que nunca veio ao Brasil em suas 8 turnês pela América Latina e as marchas de protesto pelos 37 anos do golpe militar na Argentina.

Foi também a oportunidade de rever pessoalmente amigos muito importantes, como o Adrian, da banda Tango 14.

Bom, então vamos do começo, pelo estádio que conhecemos de um jeito bem especial, o Estádio do Ferro Carril Oeste:

É aqui que o Ferro Carril manda seus jogos!

Uma olhada em como é o estádio normalmente:

O Estádio Arquiteto Ricardo Etcheverry foi inaugurado em 1905 e atualmente tem capacidade para mais de 25 mil torcedores.

Lembrando bastante a história de muitos times paulistas, o Estádio foi construído nos fundos de um terreno da linha de trem Ferro Carril Oeste.

Possui uma parte coberta e dois lances de arquibancadas descobertas.

Para ser construído, o Ferro Carril Oeste vendia seus jogadores em troca de materiais de construção como madeira e chapas de zinco.  Aliás, o estádio ainda possui arquibancadas de madeira, e por isso é conhecido como “El Templo de Madera” ou “El Monumental de Madera”, numa referência ao Estádio Monumental de Nuñez.

O Estádio foi o palco escolhido pelo SKA-P para apresentar seu último disco, recém lançado, chamado 99%.

Já garantimos o nosso!

O Ska-P (aliás, aqui no Brasil a gente costuma pronunciar “Escapê” quando o correto é “Escápe”) foi formado em 1994, no bairro de Vallecas (já estivemos por lá, lembre aqui como foi). A banda tem sua obra marcada pelas críticas sociais contra o capitalismo, o fascismo, imperialismo, racismo entre outros temas. Essa é a atual formação:

E lá vamos nós para o som, dentro do Estádio!!!

O estádio fica próximo do centro, umas 40 quadras, mais ou menos e por iso mesmo, muitas vezes foi utilizado por outras equipes da grande Buenos Aires como River Plate, Boca Juniors, Vélez Sarfield, San Lorenzo de Almagro e Argentinos Juniors.

O público lotou o estádio, não ouvi nenhuma informação oficial mas comentava-se que mais de 15 mil pessoas estavam presentes.


Falando um pouco do show e da banda, o SKA-P faz um ska bastante politizado e panfletário.

Defendem nas suas letras uma ideologia ligada à liberdade e por isso são várias as críticas à polícia, à igreja e ao estado.

A Igreja católica não foi poupada, mesmo com o recente anúncio do papa argentino. No show, a Igreja católica foi representada por um demônio assustador, olha aí:

E se bandeiras fazem parte do dia a dia do Estádio, lá estava mais uma delas, na música Intifada, em defesa do povo Palestino!

O show foi bastante animado, as pessoas dançavam e pogavam por todos os lados, sendo quase impossível ficar lá na frente do palco.

Mas mais do que qualquer coisa, a energia de 20 mil pessoas cantando músicas com temas tão politizados é de animar!

Olha aí um vídeo que achei no youtube com uma das músicas novas sendo tocadas lá no show:

Aqui, Mari ainda no aquecimento do show!

Ainda com as luzes parcialmente acesas, deu pra ver um pouco de como são as arquibancadas e a cara do Estádio, já rodeado de grandes prédios.

Enfim, foram quase 3 horas de show e de muita festa, discussão política e música! Tudo isso em um estádio… O que mais eu ia querer?

Bom, no dia seguinte fomos nos juntar às manifestações populares que recordam os 30 mil companheiros desaparecidos na ditadura argentina que completa 37 anos. E não é que arrumaram espaço pro futebol também?

Outras marchas locais já agitaram a capital, desde a noite de sábado, organizadas pelas assembleias populares de bairro.

Foram mais de 5 horas de caminhada e muita cantoria contra o abuso cometido pelos militares durante tantos anos. No Brasil, essa data é o dia 31 de março e não teremos tantas movimentações como lá.

Bom, só pra aproveitar o post e o role, seguem algumas imagens mostrando outros aspectos culturais bacanas de Buenos Aires. Tivemos a oportunidade de conhecer o “GarageArte” um evento realizado pela Victória que reúne, literalmente na garagem, moda, livros, música e amizade!

Não faltaram papas fritas também…

E o tradicionalíssimo “Dulce de Leche”….

E para quem gosta mesmo de música, ainda foi possível trombar o pessoal da banda alemã MAD SIN, por lá, gente finíssima.

Mari mostra que a questão das Malvinas ainda é discussão permanente em Buenos Aires.

Sobre o futebol, essa é a loja que vende as roupas relacionadas à cultura Barrabrava, fica na galeria Bond Street, na Av Santa Fé, onde funciona a versão local da Galeria do Rock.

librosE se você estiver por Buenos Aires, não deixe de visitar a sessão de futebol das livrarias locais. Existem títulos incríveis e únicos falando da história de jogadores, torcidas e clubes….

E para aqueles que me perguntam onde comprar camisas e materiais relacionados ao futebol (flâmulas, bandeiras, pins, etc), duas sugestões: uma, a loja FUTEBOLITO, do hincha do Racing ” Lito”, um cara muito gente boa e que entende bastante de futebol.

A loja fica numa galeria da Lavalle (o calçadão que corta a tradicional Florida), no número 835.

A outra dica de loja é para aqueles que gostam de camisas de times das divisões de acesso e chama-se Lavalle 978.

O nome da loja já entrega seu endereço, mas segue aí uma sacola deles até com o email pra quem quiser tentar comprar online (não sei se eles vendem, mas não custa tentar….). Ah, os preços são bacanas, principalmente as ofertas.

Mudando de área, incrível como essa cultura de design típico ainda se mantém e combina com o ambiente.

Outro que tem um design bem diferente do que estamos acostumados aqui no Brasil são os ônibus. Sempre coloridos e mais parecendo um ônibus de torcida do que transporte normal…

Deixamos por lá uma lembrança da nossa luta diária por um futebol mais humano, menos econômico.

E seguimos de volta ao ABC…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!  

4 Respostas to “Em busca do Estádio perdido em Buenos Aires”

  1. Tuca disse:

    Fazia tempo que não entrava no blog, animal as fotos!

  2. […] quando  fomos conhecer o Estádio do Ferro Carril, durante o show da banda espanhola SKA-P (veja aqui como foi essa aventura). A loja em que a comprei tem muitas opções de times das divisões de acesso e fica na […]

  3. Márcio disse:

    Ola, estivemos eu, minha esposa, mais 2 amigos no show, foi espetacular, abraço. salud e libertad!!

  4. Estive em outra oportunidade no FerroCarril, num belíssimo ato político, em 2008. O então presidente norte americano Busch estava fazendo um comício em Montevideu, no Uruguai e em plena Buenos Aires vim do Brasil com um amigo só para assistior a um comício de Hugo Chavez, ocorrido ali no Ferro, ao lado da linha do trem. Foi maravilhoso e ele falou por 3 horas, estádio lotado. O que vi rendeu um texto publicado na revista Carta Capital. O estádio é isso mesmo, pela proximidade do centro, acolhe essas manifestações maravilhosas, muitas delas musicais e políticas.


Deixe um comentário

*