Em busca do estádio perdido em Lisboa – Estádio do Restelo

Pessoal, tenho que fazer um “mea culpa” sobre o blog… Confesso que tenho vivido muito mais experiências com o futebol do que as que tenho postado… Espero que entendam e sigam acompanhando o blog apesar disso. E com o passar do tempo, eu vou dividindo essa experiências com vocês, ainda que com certo atraso, como é o caso da postagem de hoje, de uma história que vivemos no início de 2013, em terras portuguesas.

Já falamos de um jogo do Atlético Portugal contra o Tondela que acompanhamos nessa mesma viagem, lembra? Clique aqui e relembre a história. .

Bom, mas agora vamos falar de um role que fizemos ali próximo da Torre de Belém, um tradicional ponto turístico de Lisboa.

torre de belém

O local é mundialmente conhecido por ser de onde surgiram os deliciosos “pastéis de Belém”, aquele doce português que você já deve ter provado.

Ah, mas tem também a “Torre de Belém”, que tal dar uma olhada:

A torre fica às margens do rio Tejo e começou a ser construída em 1514…

De lá de cima se tem uma linda vista da cidade, em especial da “freguesia” de Belém.

E logo em frente à torre vc já encontra um monte de feirinhas e vendedores.

Mas, caso você não se comporte bem, a Torre tem também outras funções…

O rio Tejo é de onde saiam as embarcações portuguesas rumo às índias e às novas terras.

Por isso, ali, próximo à torre está o monumento aos descobrimentos:

Infelizmente, pelo que ouvimos das pessoas que ali trabalham vendendo, principalmente peças de tecido  como véu, existe um grupo de “patrões” que mandam em todas as mulheres que passam o dia oferecendo os produtos aos turistas. Não sei o quão justa é a relação, mas elas não parecem muito felizes…

Mas, vamos ao foco da nossa visita: o lugar onde o time do bairro manda seus jogos, o “Estádio do Restelo”. Perceba que não é qualquer um que entra…

É aí nesse campo que o Belenenses, time fundado em 1919, manda seus jogos.

O Estádio foi construído onde antes era uma pedreira, numa encosta de onde se pode ver o rio Tejo.

Aí temos mais uma tradicional foto da Mari em uma bilheteria!

Aqui, alguns adesivos da torcida local, que chama o time de “Azulão”.

O Estádio do Restelo foi inaugurado em 23 de Setembro de 1956. Antes dele, os azuis já haviam ocupado o “Campo do Pau de Fio”, o “Estádio do Lumiar” e o Estádio das Salésias, também chamado de Estádio José Manuel Soares, de 1928.

Enfim, que tal um rolê pela casa do time azul?

No final da década de 30, o Estádio José Manuel Soares era a casa da Seleção de Portugal.

Tudo parecia bom, até o governo local avisar o clube que em 6 anos eles deveriam deixar aquela área, uma vez que aquela região interessava para novos empreendimentos. Em troca, o clube receberia uma área no mínimo difícil de ser trabalhada: uma pedreira!

E a pedreira foi o berço para o estádio que além de vários jogos recebeu também muitos shows, como o de comemoração dos trinta anos da banda Xutos & Pontapés, pra quem quer conhecer algo do rock português:

No jogo de inauguração, o Belenenses venceu o Sporting por 2 a 1.

As arquibancadas são muito bem cuidadas e coloridas, sempre em azul!

Uma pena não termos experimentado um jogo com a torcida ao vivo…

Embora grandioso, a capacidade total não é tão grande, o estádio comporta 20 mil torcedores, confortavelmente, mas antes das obras de modernizações que também passaram pelos estádios portugueses, teve jogo com mais de 60 mil pessoas presentes.

As arquibancadas contam com cadeiras em quase todo o estádio.

Só em alguns espaços existe um tipo de “geral”, no cimentão mesmo.

O Belenense já venceu 3 Campeonatos de Portugal e 3 Taças de Portugal, e durante décadas fez parte do quarteto dos “Grandes”, juntamente com o Porto, Benfica e o Sporting.

A torcida local também é Fúria!

Enfim, mais uma obra de arte do futebol, visitada por nós!

Mais um gol que pudemos conhecer!

E fica aí mais um time contando com seu bairro e vice e versa, para juntos escreverem um pouco sobre a cultura das pessoas que vivem ali.

Até mais, pássaros…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Salvar

Deixe um comentário

*