1938: Quando os jogadores operários de Santo André enfrentaram os fascistas no futebol

Ainda antes da guerra mundial estourar, os movimentos nacionalistas de extrema direita tentavam se espalhar como uma reação às crises que assolavam o mundo.

2a guerra mundial

Em 1925 os Fascistas Italianos desenvolveram uma ação para ampliar o alcance da ideologia de Mussolini: uma organização recreativa para os trabalhadores chamada Opera Nazionale Dopolavoro (OND), algo como “Obra Nacional depois do Trabalho”.

Opera Nazionale Dopolavoro

A OND supostamente buscava promover o desenvolvimento físico, intelectual e moral da população, nos horários após o trabalho.

Essa ideia atravessou o oceano e veio dar as caras aqui no Brasil, principalmente no Rio de Janeiro e em São Paulo, e em 1938, a recém criada  LFESP (Liga de Futebol do Estado de São Paulo) convidou o Opera Nazionale Dopolavoro de São Paulo para disputar a Divisão Intermediária, equivalente à série A2 do Campeonato Paulista. Porém, para a disputa, foram obrigados a mudar seu nome, oficialmente para Orgnização Nacional Desportiva (mantendo sua sigla OND).

Os fascistas brasileiros prometiam demonstrar suas proezas em campos paulistas, e assim, como dois times da nossa região também jogavam a divisão intermediária, Santo André (que na fazia parte de São Bernardo)  receberia em campo o time dos fascistas.

Fico me perguntando se esse fato gerou algum tipo de repercussão entre a torcida local, formada em boa parte por operários, muitos deles imigrantes italianos simpáticos ao anarquismo, que fizeram história na região com as primeiras greves, já em 1906 (essa em específico, na tecelagem Ypiranguinha, num local próximo ao que seria anos mais tarde o Estádio do Corinthians de Santo André).

O ABC vivia uma grande mistura de ideologias, com crescimento do Partido Comunista Brasileiro, além da reorganização da União Operária fazer surgir um novo sindicato.

Enfim, chega o esperado domingo, 9 de outubro de 1938 a capa da página de esportes do Correio Paulistano destacava o embate:

Correio Paulistano 1938

Organização Esportiva Nacional

Os fachos chegaram em Santo André para a disputa da partida contra o Primeiro de Maio FC.

Primeiro de Maio FC x Opera Nazionale Dopolavoro

O local da partida era o Mítico Estádio da Rua Brás Cubas, e como sempre acontecia, ele provavelmente estava apinhado de torcedores naquele dia. Será que algum torcedor visitante esteve presente?

Em campo, um nome de peso para a política e para o esporte de Santo André: Bruno José Daniel (que anos depois daria nome ao Estádio Municipal).

Essa é uma imagem do campo naquela época, que mostra de fato como era forte a presença da torcida local:

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André

Presente nas arquibancadas, os anarquistas e comunistas da região empurraram os “flechas verdes“, ao lado.

O Primeiro de Maio não apenas jogou como se impôs diante dos fascistas que sequer esboçaram reação.

O caldeirão da Brás Cubas ferveu por quatro vezes, terminando com a vitória arrasadora por 4×1. Fico imaginando a cena e pensando se gritos de “Não passarão!!!” teriam vindo das arquibancadas.

Os fascistas deixaram a cidade com a cabeça quente, prometendo vingança…

Se não existia a possibilidade de um novo jogo contra o Primeiro de Maio, os fascistas descontariam sua raiva contra outra equipe operária: o Corinthians FC, o “Galo Preto da Vila Alzira”.

A partida estava marcada para o dia 13 de novembro, no Estádio do Corinthians, e se o Primeiro de Maio já levava torcida, o “Corintinhas” era ainda mais imponente.

Veja a imagens da arquibancada local na época, em um derbi contra o Primeiro de Maio (time perfilado):

Estadio do Corinthinas

O time que enfrentou a Organização Nacional Desportiva:

Corinthians SA

E mais uma vez, estampada nos jornais, o desafio entre operários do ABC e os fascistas:

Corinthians FX x Dopolavoro (fascistas)

E, nessa nova visita… Mais uma vitória fazendo a alegria dos operários anarquistas e comunistas de Santo André!

Corinthians SA x Opera Nazionale Dopolavoro de São Paulo

O Corinthinhas venceu por 2×1, no dia 13/11 contribuindo com que os fascistas desistissem de se aventurar no futebol profissional de São Paulo.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Uma resposta to “1938: Quando os jogadores operários de Santo André enfrentaram os fascistas no futebol”

  1. No primeiro recorte do jornal tem o segundo jogo entre Hespanha x S. Paulo, o Hespanha atuala JAC, Jabuca, o Leão da Caneleira que teve que mudar o nome também devido a guerra, não ter vínculos com os países do Eixo. Essas lembranças são foda, ô vontade de estar lá, mais um relato show !!!

    Abraços

    Thiago.


Deixe um comentário

*