Santo André 0x0 Patrocinense – Série D 2024

Sábado, 4 de maio de 2024.
Estamos no Estádio Bruno José Daniel para a segunda rodada da série D.
Depois de um tempo reencontrando alguns amigos de bancada que não via desde o fim do Paulista, é hora de rever o nosso time em campo!

O Ramalhão é praticamente um novo time com exceção de poucos atletas que disputaram o Paulistão desse ano.

Já o adversário de hoje, o Clube Atlético Patrocinense, é um time fundado em 19 de março de 1954 e que teve seu auge nos anos 90, quando disputou a 1ª divisão do Campeonato Mineiro.
Passou alguns anos licenciado e apenas em 2016, voltou às competições oficiais, sendo campeão no ano seguinte do Módulo II do Campeonato Mineiro, voltando à elite do estadual.

E eles também estão prontos para a partida!

Sente aí o clima do jogo. Pelos meus registros, essa é a primeira vez que os dois times se enfrentam!

E sim, estava um sol para cada um…

A Fúria não ligou e cantou os 90 minutos!

Em campo, o Santo André começou bem, mas perdeu todas as chances criadas…

E sem dúvida, o forte calor tornou o jogo uma disputa muito mais física, ajudando a terminar o primeiro tempo em 0x0.

Nas bancadas, mais uma vez pudemos encontrar aqueles que não abandonam nunca!

Abraços ao aniversariante do domingo, Nelsão e seu filho Mateus!

O Erick também está de parabéns tentando criar a nova geração de torcedoras do Ramalhão!

Quando o jogo dá uma desanimada tem até debate sobre soul music na nossa arquibancada!

Durante a partida de ontem várias faixas homenageando as torcida antigas do Santo André estiveram presente, como essa da TILMA:

Veio o intervalo e fomos dar uma olhada nas camisas do time que estão a venda em um espaço ali na arquibancada:

Vêm o segundo tempo e o goleiro da Patrocinense acabou se tornando o homem do jogo…

E o pessoal da TUDA também esteve presente!

Como acompanhamos o ataque do Santo André, no segundo tempo estivemos ao lado do pessoal da Esquadrão Andreense!

Mesmo com o apoio da Esquadrão, o Ramalhão não conseguiu sair do zero, ao menos somando seu primeiro ponto na competiç˜ão.

Sempre será um prazer acompanhar aos jogos e ver uma parte (cada vez menor) da cidade ali presente e reunida em torno de algo como o futebol.

Mas, ao mesmo tempo é duro pensar que tão pouca gente ainda se interessa pela equipe da cidade…

O Santo André foi a campo com Wellington Santana; Ben Hur, Matheus Mega, Miguel Baggio (Rafael Milhorim) e Enzo; Lucas Oliveira, Nelsinho (Kaiwan), Daniel Pereira e Júlio Cesar (André); Alexiel (Ighor Gabriel) e João Marcos (Wesley Hiago), sob o comando do técnico Leston Junior.
E nossa rapaziada no suporte:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Estádio Hide Maluf, a casa do EC Vera Cruz e um pouco dos demais times de Piracicaba

Esse aí em cima é o famoso rio de Piracicaba, talvez o maior ícone da cidade.
Ok, alguns vão dizer que conhecem a cidade pela também tradicional Pamonha de Piracicaba, uma iguaria que uniu os povos originários e europeus nesse país maluco em que vivemos…

Já o leitor mais assíduo, deve ser minimamente envolvido no universo do futebol e vai dizer que não dá pra não associar Piracicaba ao seu time, o XV de Piracicaba

Ou ao seu Estádio, o Barão da Serra Negra!

Sem dúvida, Piracicaba tem esses três elementos ligados ao seu cotidiano, e por isso os revisitamos mais uma vez, mas sempre importante reforçar que existe um montão de outras coisas que tornam a vida Piracicabana muito mais rica do que se imagina, afinal são mais de 400 mil pessoas construindo suas histórias nessa terra que não para de crescer como percebemos nessa foto do site da Prefeitura:

Voltando para a cultura futebolística, e tentando ser um site de pesquisa e vivência no futebol, admito que temos grandes lacunas para com a cidade e para minimizá-las aproveitei uma estadia em Piracicaba para visitar alguns pontos importantes para a história do futebol local, começando pelo local onde existia o incrível Estádio Dr Kok, demolido em 2009 e atualmente dando lugar a um supermercado.

Ao menos existe essa singela identificação na rua dona Lídia 162 que permite aos peregrinos da bola um momento de vislumbre.
Aparentemente já não há qualquer Centro de Treinamento como a placa indica…

Na página Piracicaba antiga encontrei a foto abaixo citada como provavelmente dos anos 40:

O Estádio chegou a ter capacidade para 1500 torcedores e foi a casa do Clube Atlético Piracicabano.

O CAP foi fundado em 8 de fevereiro de 1914, apenas um ano após o XV com quem nutriu forte rivalidade até os anos 50.
O time foi criado pelos trabalhadores da Socièté Sucrerie Bresiliense, uma Usina de Açúcar francesa, com o nome de Associação Atlética Sucrerie. Este era seu escudo:

Segundo o livro 125 anos de história – A Enciclopédia do Futebol Paulista, a AA Sucrerie disputou o Campeonato do Interior da APEA de em 1930 e 31(que teve o XV de Piracicaba como campeão).
Nesta época, pelo menos outros dois times da cidade apareciam nas disputas desta competição: a SR Palestra Itália (fundada em 27 de julho de 1926) e o São João FC (fundado nos anos 20).

Por conta da Segunda Guerra Mundial, o Brasil passou a proibir nomes estrangeiros e em 1941, a equipe foi rebatizada de Clube Atlético Piracicabano, assim como o Palestra Itália de Piracicaba se tornou Palmeiras.
Assim, o agora “CA Piracicabano” faz em 1948 sua estreia no futebol profissional, na Segunda Divisão Profissional em um campeonato que não deve ter caído bem entre os rivais citadinos, visto que o XV de Piracicaba sagrou-se campeão.

Em 1949, mais uma campanha fraca, terminando na 12ª colocação da Série Vermelha da Segunda Divisão Profissional, o penúltimo da tabela.
Em 1950, novamente termina em penúltimo, desta vez na 9ª colocação do 4º grupo.
Em 1951, disputa a Zona Azul da Segunda Divisão Profissional e termina em 12º lugar, o último do grupo.
Em 1952, uma campanha melhor, terminando na 4ª colocação da 4ª região, onde os dois primeiros se classificaram para a 2ª fase:

Em 1953, despede-se do futebol profissional e mais uma vez termina em 4º, porém num grupo de apenas 6 times.

Depois de tantos sonhos esquecidos, em 1976 disputa sua derradeira competição profissional, a Segunda Divisão Profissional (que equivalia ao terceiro nível do futebol paulista daquele ano atrás da especial e da primeira), em dois turnos, mas sem obter a classificação para a fase final.

Para deixar o passeio mais completo, fomos dar uma olhada na sede social do clube, que segue em funcionamento.

Ali perto da sede social do CA Piracicabano fica o campo de outro time piracicabano que sempre despertou nossa curiosidade: o EC Vera Cruz, fundado em 22 de Fevereiro de 1950.

Veja como são próximos a sede social do CA Piracicabano e o campo do EC Vera Cruz!

O local também é conhecido como Estádio Hide Maluf, mas possui uma estrutura bastante simples, provavelmente servindo apenas a partidas amadoras e das categorias de base do time do EC Vera Cruz!

O EC Vera Cruz se filiou na Federação Paulista em 1954 e em 1958 disputou o Campeonato Paulista da 3ª Divisão, perdendo a vaga para a fase seguinte num jogo de desempate com o Lapeaninho.

Depois, o Vera Cruz voltou para o amador por questões financeiras, sendo campeão local por várias vezes como se pode ver pelos troféus em sua sede:

Olhando da sede do time, esse é o gol da direita:

O meio campo (lá ao fundo, depois da estrada que corta a cidade e um pouco para a direita está a sede social do CA Piracicabano).

E o gol da esquerda:

Olhando pelo outro lado do campo, no meio campo se vê a pequena sede / bar do time:

O gol da direita:

E o gol da esquerda:

Na sede existem algumas fotos bem importantes da história do EC Vera Cruz, como a do título de campeão amador de 1971:

Vários troféus:

E aí está a camisa rubro negra do time:

Antes de terminarmos o rolê, uma menção a outros dois times que marcaram época no início do século XX: o União Monte Alegre, fundado em 23 de abril de 1923.

O União Monte Alegre mandava seus jogos no Estádio Comendador Pedro Morganti. Veja essa foto além de muitas histórias do time e outras imagens no Blog do Gaeta!

Vi aqui pelo Google Maps que não é muito difícil ir até lá, fica para uma próxima viagem!

Em 1945, disputaram o Campeonato do Interior em um grupo fortíssimo e… saíram campeões do grupo! Na fase eliminatória, cruzaram com a Ponte Preta e perderam por 5×0 em Campinas e 2×0 em Piracicaba.

Ah, e quem sabe consigo ve rum jogo deles, já que o time segue nas disputas amadoras da cidade!

Por fim, um outro time lendário de Piracicaba: o MAF, fundado 19 de abril de 1950.

O empresário Manoel Ambrósio Filho, dono da indústria de Máquinas de Costura Leonan, doou o jogo de uniformes do time e em homenagem nomearam a equipe com as iniciais do seu nome, surgindo então o MAF Futebol Clube.

Após anos de campeonatos municipais, a equipe decide participar do campeonato paulista de futebol, disputando a segunda divisão no ano 1976 (naquele ano denominada de “Primeira Divisão”), terminando a Série Alfredo Metidiéri na última posição…

Em 1977, disputou a Segunda Divisão Profissional (que equivalia ao 4º nível do futebol paulista) e mais uma vez terminou na última posição.

Mas, o MAF ainda seria duas vezes vice-campeão do Amador do Estado.
E assim, terminamos um pouco este recorte sobre o futebol em Piracicaba.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Estádios do Oeste Paulista: 3- Penápolis

A próxima parada estava perto de Lins! Andamos poucos minutos e logo conhecemos a bonita cidade de Penápolis.

Ainda é possível encontrar muitas obras de arquitetura que lembram o passado da cidade.

Nosso destino era o campo onda o C.A. Penapolense manda seus jogos, o Estádio Municipal Tenente Carriço, o Tenentão, que fica localizado num endereço fácil de lembrar:

Não tinha ninguém ali na frente pra tirar uma foto de nós dois, então… fizemos duas fotos, afinal, uma lembrança em frente o Tenentão é algo que ninguém quer perder!

A cidade de Penápolis e em especial o entorno do estádio é bastante tranquilo, ainda mais num feriado…

Reparou na placa em frente o Estádio? Ela eterniza a entrada do estádio em 1956, e o time vencedor do Campeonato Paulista da 2a divisão em 1974.

Mas, deixemos de enrolação e entremos em mais um templo do futebol!

Já do lado de dentro é possível ver o sonho que se tornou realidade e com certeza superou a expectativa de muita gente. O C.A. Penapolense fez bonito na série A1-2013!

E vamos pro gol!

Se o time surpreendeu pelos resultados, o Estádio Tenente Carriço também surpreende pela organização e cuidados.

As arquibancadas e o gramado muito bem cuidados mostra que a cidade levou a sério a ida para a primeira divisão.

O Estádio Municipal Tenente Carriço tem capacidade para 15.000 pessoas.

Olha que coisa simples de se fazer, mas que ajuda a dar uma cara bacana pro campo!

O orgulho do time está pintado em todos os lugares possíveis!

O estádio foi inaugurado em 1928, em um jogo entre o time da casa e o Palmeiras.

Olha a parte destinada à torcida visitante:

Esperamos que a torcida mantenha seu apoio nas próximas competições, lembrando que ainda este ano, o time disputa a série D do Brasileiro (aliás, está no mesmo grupo do meu Santo André).

Ali ao fundo, um prédio quebra a beleza do horizonte e lembra que o crescimento da cidade é inevitável.

Para o amigo Anderson, de Curitiba, que curte ônibus dos times, eu consegui uma foto da Van do time, serve?

Parabéns pelo belo estádio!

Pra nós, era hora de pegar a saída e dar sequência à viagem, com próxima parada em Birigui!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!

]]>

139- Camisa do C.A. Pirassununguense

A 139ª camisa de futebol, da nossa coleção foi presente de mais um apaixonado por futebol: o amigo José Antonio Martineli.

A camisa representa a cultura e o esporte da cidade de Pirassununga!

O time dono da camisa é o Clube Atlético Pirassununguense.

O Pirassununguense, ou simplesmente “CAP” é mais um desses times “mágicos” que desafiam o futebol moderno e seguem até os dias de hoje dando alegrias ao povo da sua cidade.

Fundado em 1907, fez seu primeiro jogo oficial em 1908, contra o Paulista, de São Carlos, vencendo por 2 x 1.

Graças à sua tradição, o CAP ganhou o respeito de seus adversários. Esse fato motivou o apelido que se transformou em mascote: o “Gigante do Vale”.

A estreia em competições oficiais ocorreria em 1918, no Campeonato Paulista do Interior, competição que disputou por mais oito vezes.

Logo que a a Lei do Acesso foi criada, em 1949, foi um dos primeiros clubes a se inscrever, disputando assim o Campeonato Paulista da Segunda Divisão, de 1959 até 1953, quando deixou o profissionalismo por ser um município com menos de 50 mil habitantes (essa era uma das regras estipuladas pela Federação, na época).

Afastou do profissionalismo, mas sagrou-se Campeão amador do Interior, em 1954.

Só em 1966, o Pirassununguense voltou ao profissionalismo, disputando a Terceira Divisão até 1972. Esse é um dos times que disputou os campeonatos nos anos 70.

A partir de 1973, disputou o chamado Campeonato Paulista da Primeira Divisão (atual Série A2). Esse foi o time de 1975:

Aqui, o time de 1977:

A partir de 1980, a chamada Primeira Divisão passa a ser chamada de “Terceira Divisão” e o Pirassununguense permaneceu nessa série até 1983. Esse é o time que disputou o campeonato de 1982:

Em 1987, passou a disputar a Segunda Divisão Paulista. Vale lembrar que neste mesmo ano, o clube aplicou sua maior goleada em um adversário: 14 a 0 sobre o Piraju.

O time permaneceu nas disputas profissionais até 1992, quando novamente se licenciou.

Somente em 2001, voltou ao profissionalismo, graças a uma parceria com o Guarani. Nesse ano, “revelou” o meio-campista Alex (ex-Internacional-RS e ex-Corinthians).

Em 2008 decidiu não disputar o campeonato, mais uma vez. E só voltou em 2012 para a disputa da segunda divisão do Campeonato Paulista e nós estivemos lá pra registrar (veja aqui como foi).

O clube manda suas partidas no Estádio Bellarmino Del Nero, que tem capacidade para mais de 5 mil pessoas.

Fica a dica cultural: o blog “Memória de Pirassununga” traz um belo registro da história da cidade (até do futebol, aliás, pegamos algumas fotos de lá!).

Pra quem gosta de hino, segue o do Pirassununguense:

Outra boa dica é o CAPirassununga, com várias notícias e informações do time.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!

]]>

Pirassununguense de volta à ativa

Domingo, 13 de maio de 2012.

Dia das mães. Minha mãe em Santo André e a da Mari, em Cosmópolis.

Enquanto isso, nós pegamos a Anhanguera e vamos até Pirassununga acompanhar a volta do Pirassununguense ao profissionalismo.

A cidade de Pirassununga é um belo exemplo de como o interior paulista é legal.

Muito verde, muita paisagem rural, mas também  muita coisa acontecendo pelo desenvolvimento da cidade. E a tradicional “Caninha de Pirassununga” é um bom exemplo desse aspecto profissional.

Os elementos comuns ao interior estão presentes. A praça, a igreja, a tranquilidade…

Até o Cristo redentor local tá por ali….

Bom… E tem umas coisas mais diferentes também… Objetos que lembram a vocação militar da cidade. Por isso, não se assuste se estiver caminhando e encontrar um… Tanque de guerra estacionado…

Ou um avião pendurado numa praça…

Mas, as guerras são para os governos. Para nós, do povo, a graça está na paz, na diversão, na cultura e consequentemente… no futebol. Por isso, cruzamos a cidade e nos dirigimos ao Estádio Belarmino Del Nero.

E pagando ingresso que é para ajudar o time!!

No dia anterior, já havíamos participado de uma grande festa, na conquista do título do interior pelo Mogi Mirim (veja aqui como foi), mas sabíamos que o domingo também seria de festa. De reencontro. E assim, o foi.

Logo ao entrar, já percebemos que o clima estava muito bom. Torcedores de diferentes gerações se encontrando no campo, para torcerem pelo time da cidade!

O jogo era contra o Guariba, que havia vencido o Lemense, na primeira rodada, por 2×0.

O Estádio do Pirassununguense lembra demais a Rua Javari. Pela proximidade, pelo formato e pela relação intensa da torcida com o jogo, com o time.

Novamente estávamos orgulhosos de poder acompanhar um momento como esse, do ressurgimento do time da cidade, uma expressão cultural, social e, claro, esportiva das pessoas que vivem ali.

Pra quem, como eu, gosta de cornetar, o estádio é excelente, olha onde ficam os bancos de reserva: E se sofrem os reservas, imagine o que passam os bandeirinhas:

Embora o time não esteja bem tecnicamente (havia perdido na estreia para o Américo, em Américo Brasiliense), a galera compareceu em peso. Inclusive várias torcidas organizadas, como a Malucos do Vale!

A faixa mostrava para quem quisesse ver, ali, mandava o CAP, o GIGANTE do Vale!

E ali, próximo da faixa, a organizada mais legal que conhecemos esse ano, o pessoal do “Chapeludos do Pirassununguense“!

Com direito a camisas personalizadas, e, claro, incríveis chapéus…

E tinha de torcedores mais antigos até que estivesse começando sua vida de arquibancadas…

Mas se fora de campo estava tudo perfeito, dentro dele, o time ainda precisa melhorar. O Pirassununguense esteve batendo cabeça em muitos lances, levando a loucura a torcida local!

E foi numa dessas bobeadas, que após defesa parcial do goleiro Elton, o Guariba fez 1×0, deixando um pouco desanimados os torcedores locais.

Mas não que o resultado seja maior do que o amor pela cidade e pelo time. Veja o que alguns torcedores pensam sobre a relação do time com a cidade:

Esse segundo vídeo foi feito com o Paulinho, que escreve o blog www.memoriadepirassununga.blogspot.com (vale a pena ver as fotos históricas do time nesse outro link).

Veio o intervalo e pelo segundo dia consecutivo, a iguaria eleita para ser a representante da “culinária de estádio” foi a pipoca. Dessa vez, caprichada com deliciosos pedaços de queijo!!!

Aproveitei pra conferir a escalação do time!

O jogo reiniciou, com a esperança do time local reverter o placar.

Mas, o time precisa aprender com a torcida e colocar mais coração… O jogo caminhou até o final, mantendo o 1×0 para o Guapira.

Ficamos tristes por não ver a vitória do time local, coisa que a torcida merecia…

Era dia das mães… Hora de dizer adeus ao pessoal que nos recebeu tão bem no estádio e pegar a estrada. Valeu “Chapeludos”!!

Um último olhar para esse estádio histórico!

Coincidências a parte, meu tio Manoel (que mora em Assis) já morou em Pirassununga, e meu pai, numa visita à cidade, chegou a assistir um jogo aqui também!

A cidade mostrou que realmente possui simpatia e conquistou nossa admiração.

Fica a torcida por melhores resultados para que o time possa manter-se no profissionalismo por mais tempo.

Estádios são história… Guardaremos na memória mais esse!

Enquanto cruzamos os mapas e as fronteiras vamos aprendendo como é legal viver em meio a tantas pessoas diferentes uma das outras. Cada cidade tem sua particularidade, sua característica…

Apoiar e respeitar as diferenças acabam se tornando aprendizado obrigatório pra quem vive assim.

A gente não entende muito de pinga, a Mari achou graça da tal “21”, pra ela (e pra mim) só existia a tal 51…

Um último detalhe do estádio, não sei se original, mas muito charmoso, na bilheteria…

Pra quem quer mais informações sobre o time, existe um blog muito legal: www.capirassununga.blogspot.com.br .

Mais uma vez, nosso obrigado ao time e à cidade!

Apoie o time da sua cidade!!!

(e pé na estrada para Cosmópolis!!!)

]]>