Santo André 1×1 Água Santa

O fim de semana começara bacana, com o encontro com o grande Miguel, ex massagista do Ramalhão, ali no centro da cidade.

Em campo, o Santo André ainda não havia vencido (e não seria este o dia da vitória…).

A proximidade das cidades trouxe a Santo André um bom número de torcedores do Água Santa, sempre muito bem recebidos!

Em campo, não faltaram chances…

Aos 32′ o Santo André abriu o placar, com Alexiel, garoto vindo da base.

Mas logo na sequência, aos 34’o Água Santa empatou para a tristeza da torcida local que já não sabe mais o que fazer para mudar a realidade do seu time.

Fica o registro da turma no jogo.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

#TBT – 1ª rodada da A2 de 2008

O que dizer de uma partida onde você encontra o Godoi num posto de gasolina antes de chegar no Estádio, ter que entrar pelo meio da torcida local, e ainda ser informado pela polícia que em caso de problemas o portão de acesso ao campo está aberto é a melhor atitude a ser tomada…

Após um empate de 1×1, fomos aconselhados pela polícia a ficar até depois do jogo para não ter problemas… Detalhe, até o carro eles nos obrigaram a colocar em cima da arquibancada kkkk

E o que você diria se enquanto espera, encontrar o treinador de quem você é ídolo, no caso: Ferreira!

Esse foi um rolê de 2008, na estreia da série A2 do Santo André contra o GE Catanduvense.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O Estádio Estádio Augusto Schmidt, a casa do Rio Claro FC

O site passou as últimas semanas dando atenção apenas ao lado rubro verde da cidade de Rio Claro, mas você há de concordar que foi por uma justa razão…
Para equilibrar as coisas, hoje vamos falar do lado azul da cidade, mostrando o Estádio Municipal Dr. Augusto Schmidt Filho, a casa do Rio Claro.

O Estádio Augusto Schmidt, o “Schmidtão” foi inaugurado em 28 de janeiro de 1973 em um Rio Claro 1 x 2 Corinthians.

Estivemos acompanhando uma partida decisiva nele em 2016, pela série A2 do Campeonato Paulista entre o Rio Claro e o Santo André.

A partida era válida pelas quartas de final, e após ter perdido em casa por 1×0, o Santo André foi até Rio Claro em uma noite chuvosa, em busca de um milagre…

Choveu tanto aquela noite que a própria torcida local acabou prejudicada e presente em baixo número.

Após abrir 2×0 e ter a certeza do milagre realizado o Santo André aguardava o fim do jogo quando, batendo uma falta na entrada da área, o Rio Claro marcou o seu gol levando a partida para a decisão por penaltys, onde finalmente o time visitante conseguiu carimbar a vaga para a semifinal, para a festa da sua torcida.

Confesso não lembrar se depois deste dia voltei ao Estádio, mas fato é que em 2023, acabamos dormindo uma noite em Rio Claro e aproveitei para rever o Augusto Schmidt!

O Estádio foi inaugurado com o nome de Dr. Álvaro Perin, e teve o Corinthians, o São Paulo, e o Velo Clube, como primeiros adversários. (28 de janeiro de 1973: Rio Claro 1-2 Corinthians, 4 de fevereiro de 1973:Rio Claro 0-1 São Paulo e em 11 de fevereiro de 1973 – Rio Claro 1-0 Velo Clube)

E realmente o Estádio não só é espaçoso, como está muito bem conservado e bonito, todo pintado em azul e branco!

Pra quem acha que o futebol do interior não é cheio de emoções, vale lembrar que nos últimos 20 anos este estádio viu o Rio Claro ser vice-campeão da Série B2 do Campeonato Paulista em 2001.

No ano seguinte, foi campeão da Série B1 conquistando o acesso à Série A3.

Em 2005, viu o acesso para a Série A2 e o vicecampeonato da Copa Paulista.

Em 2006, chega o inédito acesso para a Série A1. E daí pra frente foi aquele sobe e desce que se encerrou em 2016, quando foi rebaixado para a série A2 onde permanece até hoje.

O Rio Claro sofreu em 2024 um duro golpe: viu o seu rival voltar à série A1. Assim, em 2025, é missão da torcida e da diretoria levar o time até a primeira divisão para quem sabe fazer o derbi na série A1!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Série C do Campeonato Brasileiro 2024: São Bernardo FC 5×0 Ferroviário AC

Segunda feira, 6 de maio de 2024.
Começo de semana é sempre difícil né? Desligar a cabeça do fim de semana e voltar as atenções para as atribuições profissionais, ou da escola, facul…
Tentando diminuir essa sensação de ruptura, dei um pulo até a cidade vizinha para vivenciar a série C do Brasileiro e principalmente conhecer de perto a tão conhecida torcida do Ferroviário AC.

Estivemos no estádio do Ferroviário ano passado, veja aqui como fo e relembre no vídeo abaixo parte desse rolê:

Times em campo, último abraço e vamos pro jogo!

Sente aí o clima da bancada:

Triste momento do futebol brasileiro…
Uma partida interessante, importante para o público da cidade e no mínimo curiosa, já que estamos falando de um time lá do Ceará vindo jogar aqui no ABC, e mesmo assim menos de 800 pagantes acompanharam o jogo.

Atualmente, se não fossem as organizadas, o público talvez não chegasse a 200 pessoas… Também… Ingressos a R$ 50!!! Difícil, né?

Abraço ao Victor e o pessoal da Febre Amarela.

As faixas, tirantes e bandeiras deram um pouco mais de vida ao Estádio e ao jogo.

E aí está a Guerreiros do Tigre:

E lá vem a torcida visitante…

Mas foi super legal ver o pessoal do Ceará presente na bancada do Primeiro de Maio!

O Ferroviário tentou apertar o São Bernardo nos contra ataques:

Desde o começo do jogo, o Tigre do ABC demonstrou sua superioridade e aos 23’ do 1º tempo, Luiz Felipe abriu o placar: 1×0 para os donos da casa. Festa na bancada alvinegra.

Aos 7’ do 2º tempo, Kayke ampliou.

Uma noite difícil para os visitantes e inesquecível para a torcida do Tigre: Lucas Lima fez o terceiro.

O banho de água gelada nos valorosos visitantes veio aos 16 do 2º tempo com Luiz Felipe… 4×0 para o Tigre!

E o arpão final no tubarão veio aos 42 novamente com ele: Luiz Felipe. Placar final São Bernardo 5×0 Ferroviário.

Parabéns ao São Bernardo e sua torcida pelo momento!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Santo André 0x0 Patrocinense – Série D 2024

Sábado, 4 de maio de 2024.
Estamos no Estádio Bruno José Daniel para a segunda rodada da série D.
Depois de um tempo reencontrando alguns amigos de bancada que não via desde o fim do Paulista, é hora de rever o nosso time em campo!

O Ramalhão é praticamente um novo time com exceção de poucos atletas que disputaram o Paulistão desse ano.

Já o adversário de hoje, o Clube Atlético Patrocinense, é um time fundado em 19 de março de 1954 e que teve seu auge nos anos 90, quando disputou a 1ª divisão do Campeonato Mineiro.
Passou alguns anos licenciado e apenas em 2016, voltou às competições oficiais, sendo campeão no ano seguinte do Módulo II do Campeonato Mineiro, voltando à elite do estadual.

E eles também estão prontos para a partida!

Sente aí o clima do jogo. Pelos meus registros, essa é a primeira vez que os dois times se enfrentam!

E sim, estava um sol para cada um…

A Fúria não ligou e cantou os 90 minutos!

Em campo, o Santo André começou bem, mas perdeu todas as chances criadas…

E sem dúvida, o forte calor tornou o jogo uma disputa muito mais física, ajudando a terminar o primeiro tempo em 0x0.

Nas bancadas, mais uma vez pudemos encontrar aqueles que não abandonam nunca!

Abraços ao aniversariante do domingo, Nelsão e seu filho Mateus!

O Erick também está de parabéns tentando criar a nova geração de torcedoras do Ramalhão!

Quando o jogo dá uma desanimada tem até debate sobre soul music na nossa arquibancada!

Durante a partida de ontem várias faixas homenageando as torcida antigas do Santo André estiveram presente, como essa da TILMA:

Veio o intervalo e fomos dar uma olhada nas camisas do time que estão a venda em um espaço ali na arquibancada:

Vêm o segundo tempo e o goleiro da Patrocinense acabou se tornando o homem do jogo…

E o pessoal da TUDA também esteve presente!

Como acompanhamos o ataque do Santo André, no segundo tempo estivemos ao lado do pessoal da Esquadrão Andreense!

Mesmo com o apoio da Esquadrão, o Ramalhão não conseguiu sair do zero, ao menos somando seu primeiro ponto na competiç˜ão.

Sempre será um prazer acompanhar aos jogos e ver uma parte (cada vez menor) da cidade ali presente e reunida em torno de algo como o futebol.

Mas, ao mesmo tempo é duro pensar que tão pouca gente ainda se interessa pela equipe da cidade…

O Santo André foi a campo com Wellington Santana; Ben Hur, Matheus Mega, Miguel Baggio (Rafael Milhorim) e Enzo; Lucas Oliveira, Nelsinho (Kaiwan), Daniel Pereira e Júlio Cesar (André); Alexiel (Ighor Gabriel) e João Marcos (Wesley Hiago), sob o comando do técnico Leston Junior.
E nossa rapaziada no suporte:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

XV de Jaú x Rio Branco: Semifinal da série A4-2024

28 de abril de 2024.
Incrível com as divisões de acesso tornaram-se donas das manhãs de domingo. Principalmente em suas fases finais.
E em Jaú, não foi diferente…

Valendo a vaga para a final e consequentemente o acesso à série A3 de 2025, a imprensa local noticiou que mais de 8 mil ingressos haviam sido (pós jogo foi anunciado público de 8.335 torcedores).

O resultado é esse mar verde amarelo no Estádio Zezinho Magalhães.

A torcida do XV de Jaú mostrou ter deixado pra traz o mal momento vivido em 2023, na derrota para o Joseense, quando perdeu a classificação para a próxima fase dentro de casa, mesmo após ter a melhor campanha da competição…

Até as tribunas estavam cheias!

Em Jaú, quem comanda a festa é a Galunáticos!

E sim, a festa estava bonita antes mesmo da bola rolar…

O povão em geral, que não faz parte de torcida organizada também se fez presente!

Acho que não seria exagero dizer que a cidade novamente se uniu em torno do time acreditando no acesso!

O mais legal foi ver uma partida com duas torcidas competindo no apoio do seu time…

Dessa vez, ficamos na torcida visitante. Muito porque a minha relaç˜ão com o Rio Branco e com sua torcida é bastante especial…

E sinta um pouco da vibração do estádio:

O pessoal da Sangue Rubro, torcida do Noroeste, esteve presente apoiando os amigos da Malucos do Tigre.

O jogo começou com tudo! E por incrível que pareça, o time visitante que normalmente entra pra segurar, veio disposto a propor o jogo e logo ficou claro que estávamos presenciando um embate que seria bastante agressivo!

Mesmo em um jogo tão cheio de oportunidades desde o princípio, não imaginava que as coisas fossem começar a se definir tão cedo… Não lembro como começou a jogada, mas quando percebi havia uma descida pela direita que parecia importante…

E foi assim que aos 10′, Brian após uma linda jogada pela direita marcou o 1º gol do Rio Branco.

Festa na torcida visitante!!!

Dá lhe bateriaaaaa!!!

Cara, que lindo momento!!! Se o mascote do XV de Jaú agitava em campo…

O do Rio Branco ignorava o calor e literalmente ia à loucura com a própria torcida!

O que é que eu posso dizer? Só me resta agradecer…

Aos 25’do primeiro tempo, David Lazari marcou o segundo gol do Rio Branco:

O segundo gol caiu como se fosse gasolina na “fogueira” da torcida do Rio Branco!

O XV de Jaú volta a dar um abafa no fim do primeiro tempo, pensando em ir pro intervalo com apenas um gol de diferença no placar, mas não conseguiu marcar o seu gol…

Aproveitei o intervalo para registrar as lindas faixas que a torcida visitante levou para o Estádio Zezinho Magalhães:

Deu tempo também pro pessoal das torcidas se conhecerem melhor naquela tradicional troca de elogios…

Importante dizer que mesmo sendo rivais, não houve nenhum problema maior que envolvesse violência ou enfrentamentos. Ao menos não que eu tenha visto. E como cheguei e saí pelo setor visitante também não houve nada por ali.

Deu também para registrar a estrutura do espaço para os visitantes…

Talvez, sabendo da presença da torcida do Rio Branco, a estrutura poderia ter sido melhor dimensionada… Mas, deu pra atender às necessidades básicas de um dia quente como este.

O 2º tempo começou e achei curioso um senhor segurando a bandeira do Chile, e fui conhecer o senhor Ramón, chileno radicado em Americana há mais de 30 anos e que tem pelo tigre o mesmo amor que costumava ter pelo Colo Colo em seu país natal!

O 2º tempo trouxe um XV de Jáu ainda mais aguerrido em busca do resultado. Aliás, o treinador Tássio (eterno ídolo do Santo André) bem que tentou mexer com a estrutura do time…

Mas, o jogo acabou ficando ainda mais aberto… E os ataques do time local eram combatidos com contra ataques cada vez mais perigosos…

E os atacantes do Rio Branco souberam segurar a bola no ataque…

O sol forte fez necessária a parada técnica, e foi quando caiu a ficha que faltavam menos de 25 minutos para o fim do jogo…

E com 2×0 no placar e o tempo passando, só restava à torcida do Rio Branco cantar como se não houvesse amanhã…

Confesso que fiquei triste em ver mais uma vez o XV de Jaú perder a oportundiade de voltar à série A3 jogando em casa em frente da sua apaixonada torcida…

A cada minuto que se avançava, diminuía o número de torcedores no setor local…

Mas mesmo assim, a torcida do Rio Branco não cantou vitória antes da hora e por vários momentos, sentiu que o momento do XV de Jaú no 2º tempo era melhor…

E qual o caminho quando as coisas parecem complicadas? A torcida do Rio Branco responde: cantar!

E haja fôlego!

E a rapaziada da bateria também mostrou estar com o preparo físico em dia…

O sol forte só dava descanso a quem se sentou ali na lateral embaixo da árvore…

Mas com o fim do jogo se aproximando a torcida toda se uniu, embaixo do sol do meio dia, somando o pico da temperatura com o pico da alegria…

E aí, até o tradicional porópopó rolou!!!

Agora era esperar o apito final…

Quando a alegria parecia total, já aos 48’ do 2º tempo, Vitinho definiu o placar com o 3º gol.

O juiz até deu mais alguns minutos de jogo a mais, mas a verdade é que o acesso já era uma realidade… Pode apitar, “seo juiz”:

Daí pra frente, não tem muito o que descrever… Muita felicidade, muita raiva que andava guardada presa no peito por tanto tempo…

Subir no alambrado até pode enquanto a polícia não reclamou… Mas deu pra comemorar como se merece…

Na hora de ir embora, a Polícia Militar foi cuidadosa e manteve a torcida

Ao amigo Rogerião que assistiu tudo isso lá do céu… O Tigre voltou, mano! Ainda faltam passos pra chegar onde merece, mas o seu time segue na luta!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O Estádio Benito Agnelo Castellano, a casa do Velo Clube

Pois é, com o acesso do Velo Clube à primeira divisão depois de 46 anos, estamos vivendo uma verdadeira Velomania e já que o tema é inesgotável, vamos dar nossa contribuição registrando um rolê que fizemos para registrar o Estádio Benito Agnelo Castellano!

O Estádio Benito Agnelo Castellano, carinhosamente conhecido como o “Benitão” é a casa do lado rubro verde da cidade de Rio Claro: a Associação Esportiva Velo Clube Rioclarense.

Na parte interna do estádio, antes de se adentrar à arquibancadam existe uma série de fotos e registros sobre o passado do time junto do Bar “Toca Rubro Verde”.

Várias fotos relembrar os esquadrões que marcaram época defendendo a camisa do Velo Clube!

Por falar em imagens, taí a lenda responsável pelo canal @VeloemImagens!

Estivemos no estádio em um dia em que as categorias de base estavam disputando suas competições contra o XV de Piracicaba.

Assim, mesmo contando apenas com os familiares e aqueles que acompanham a base, pudemos viver uma tarde com o estádio vivo!

Vale lembrar como é a organização do estádio: são duas arquibancadas junto às laterais do campo sendo que no passado – e talvez isso volte no futuro- o estádio teve uma tubular atrás do gol. Desse lado em que estamos está a arquibancada coberta.

Do outro lado, uma arquibancada maior e descoberta. Ah, perceba que o campo está reduzido porque estamos falando do sub 9 e sub 11. E ali está o gol da direita:

E aqui, o gol da esquerda:

E aqui o meio campo:

Em 7 de setembro de 2022, o Estádio Benito Agnello Castellano completou 50 anos de inauguração, que se deu em 1972, na partida: Velo Clube 1 x 4 Palmeiras. Há uma placa registrando a data:

E é muito legal poder ver que tanto tempo depois, passando e vencendo tantas crises, o Benitão voltou a ser um local de felicidade!

Benito Agnello Castellano, que dá nome ao estádio, foi um esportista, dirigente, cronista esportivo (correspondente local da Gazeta Esportiva) e torcedor fanático do Velo Clube nascido na cidade em 1927. O J1 Diário publicou uma entrevista com o filho dele (na foto abaixo) no lançamento do seu livro “Benito e Velo” (veja aqui a entrevista).

O estádio nasceu como propriedade do Velo Clube, mas em 2008, a prefeitura de Rio Claro decidiu desapropriá-lo para inviabilizar seu leilão judicial, que ocorreria no mesmo ano como forma de pagamento das dívidas do clube.

O dinheiro será depositado em juízo para a quitação de dívidas trabalhistas e com Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) que o Velo tem com a Prefeitura desde 1988 e apenas em 2015, na última parcela, a prefeitura recebeu o título de posse do imóvel.

Dei uma pesquisada aqui para ler sobre quando estivemos lá em 2011 para acompanhar o acesso do time para a série A2, veja aqui como foi!

Mais recentemente estivemos no Benitão para acompanhar a partida contra o São José, válida pelas quartas de final da série A2 (veja aqui como foi)!

Curiosamente, o público recorde do Estádio é de uma partida contra o São José (vitória do Velo pro 1×0) com um total de 15.782 torcedores, em 1978.

Mais um post em homenagem ao Velo e sua torcida! Desejamos boa sorte na série A1 de 2025!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O último round da luta pelo acesso à série A1…

Domingo, 7 de abril de 2024, Santos nos recebe com uma manhã de outono bem mais fresca do que normalmente encontramos em jogos no Ulrico Murca.

Mas os corações estão quentes… Batendo forte e empolgados pelo duelo que levará uma das duas equipes de volta à série A1 do Campeonato Paulista.

Clima bem legal do lado de fora, com as duas torcidas convivendo em respeito e perfeita harmonia. Vale reforçar que ambos os setores tiveram seus ingressos esgotados muito antes do fim de semana chegar.
E sempre importante valorizar o torcedor visitante, que se faz presente sabendo das adversidades que isso representa.

Com ingresso em mãos, é hora de seguir para a bancada local!

O Estádio Ulrico Mursa é pequeno, mas muito bem cuidado e cheio de pequenos detalhes que ajudam a cativar os laços com sua torcida.

E a própria torcida acaba colaborando nesse sentido, via stickers, faixas e seu apoio incrível!

Uma das consequências desse trabalho é ver surgir na bancada rubro-verde uma nova geração de fãs da Briosa.

E isso, sem perder a identidade, ou o amor irracional ao time da sua cidade e vendo ao seu lado as outras gerações que marcaram e ainda marcam a história da torcida da Portuguesa Santista.

Escolhi ficar ao lado da Força Rubro Verde, em um lugar que me permitiu tanto registrar a festa da bancada local…

Quanto também acompanhar os visitantes:

Também deu pra registrar as cadeiras cobertas…

E era tanta gente que até os bancos de reservas pareciam estar superlotados!

Ah, e tinha gente também lá no lado da entrada do Estádio:

Times perfilados para o hino nacional…

As torcidas mandam seus recados, na voz, ou por escrito também…

Em campo, a Portuguesa Santista faz um bom início de jogo, muito graças as descidas do camisa 7 local, “Maranhão” pela direita do ataque!

No primeiro tempo, a Briosa ataca para o lado da sua torcida, pra azar do goleiro Reynaldo que teve que atuar com toda essa pressão contrária!

E embora a falta não tenha sido muito bem batida, sinta aí um pouco do clima do Ulrico Mursa nessa decisão!

Mas, o Noroeste parava estas iniciativas com boa marcação e faltas quando necessário.

As chegadas são infrutíferas para ambos os lados…

O Noroeste montou mesmo um paredão que parece impenetrável!

E as faltas para a Briosa não geravam grande perigo…

Lá do outro lado o goleiro Wagner sofria apenas nas investidas de contra ataque e nas bolas aéreas…

A torcida local faz sua parte…

E mais uma vez me sinto muito feliz em poder vivenciar tudo isso assim tão de perto…

O primeiro tempo termina em 0x0…

E é hora de dar um rolê pelo Estádio Ulrico Mursa e registrar o que faz esse estádio e esse rolê únicos!

E olha a Cachopinha aí!

Confesso que lembrei daquela imagem que viralizou de um cara fumando, com a fantasia de Minie e fiquei me perguntando quem está por baixo dessa fantasia kkkk

É fato público que a Portuguesa Santista está com problemas financeiros chegando inclusive a atrasar salários e sempre que estou em campo torço para que toda a grana que vejo circular esteja indo pro lugar certo… Foi muita gente fazendo o bar faturar além da bilheteria (cerca de R$ 123 mil reais líquidos), e pode não parecer muito para os padrões das arenas, mas deve fazer a diferença pra quem está nessa situação.

Começa o segundo tempo e se o apoio da torcida local já havia sido considerável nos primeiros 45 minutos, o que se vê a partir de agora é uma verdadeira família espalhada pelo estádio, gritando junto em torno do time!

Bandeiras e bexigas fazem o setor da torcida Força Rubro Verde vibrar!

Mas em campo, o efeito parece o contrário e é o Noroeste que volta melhor!

E não demora pro pior (para a torcida local) acontecer: penalty para o Noroeste… O resultado você vê abaixo:

Festa na arquibancada visitante!

Mas a Portuguesa Santista é conhecida pelo seu brio… Como diz a faixa… “A mais briosa”!

E a explosão na Força Rubro Verde só pode ter uma causa: aos 31′ do segundo tempo, sai o empate da Briosa, com Vavá!

E se tem gol de empate, o clima aumenta na bancada da Briosa…

E dá lhe, bandeirão!

Com a partida terminando em 1×1, e o jogo de ida tendo sido 0x0, vamos para a disputa de penaltys. Imagina como estão os jogadores de cada time…

A torcida local aposta suas fichas no bom goleiro Wagner Coradin…

E vem a 1ª cobrança da Portuguesa Santista:

E a 2ª…

Adiantando a história, a Briosa perde o terceiro penalty, enquanto o Noroeste segue com 4 conversões. Chegamos assim ao 4º e decisivo penalty pra Briosa… É necessário marcar o gol para poder torcer contra a última cobrança do Noroeste, mas… Não haverá uma última cobrança…

É muito difícil escrever qualquer coisa sobre esse momento se você não for torcedor da Portuguesa Santista. Não dá pra explicar o que cada um sentiu naquele pranto coletivo, sofrido por cada presente…

Assim, como não se deve desmerecer a conquista dos visitantes…

Junto do Velo Clube, o Noroeste será mais uma equipe do interior a fazer parte da série A1 do Campeonato Paulista a partir de 2025, por isso, vale sim e muito a festa do povo de Bauru!

Como não podia deixar de ser, os jogadores fizeram a festa junto de sua apaixonada torcida…

Mesmo com a tristeza momentânea por parte da torcida da Portuguesa Santista, basta ver as diversas decisões que a equipe esteve envolvida nos últimos anos pra entender que o time e torcida vivem uma fase incrível e tenho certeza de que em breve estaremos juntos registrando o acesso da Briosa!

Aproveitando que estou em Santos ainda deu pra curtir um pouco do fim de tarde nas águas da praia de Itanhaém

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

211- Camisa do CA Nevense

A 211ª camisa de futebol do blog pertence ao Clube Atlético Nevense, time fundado em 30 de novembro de 1957.
Foi presente do amigo Rodrigo, o “Jacaré”, um grande entusiasta não só do time do Nevense, mas do futebol da região.


Os escudos abaixo foram disponibilizados pelo site Escudos Gino:

Já estivemos em Neves Paulista por algumas vezes seja pra curtir a cidade…

… ou registrando o Estádio Ignácio Vasques, casa do CA Nevense.
Veja aqui como foi um desses rolês:

Foi o Rodrigão que me arrumou essa camisa linda, então esse post é em homenagem a ele e a sua família, da qual nos sentimos parte também!

Neves Paulista fica na região de São José do Rio Preto em uma região que foi muito ocupada antes da chegada dos europeus. Ali viveram povos Tekohá, M’bya (ambos da família dos Guarani) e bem provavelmente Kaingangs.

O atual município homenageia o Capitão Neves, um dos que, em 1921, ergueram um cruzeiro entre os córregos da Água Limpa, o de Jacutingá e o Ribeirão do Jacaré, em homenagem a Nossa Senhora Aparecida.
A região foi crescendo e tornou-se uma vila.
As terras férteis trouxeram mais gente para inicialmente explorar suas madeiras e depois produzir café nas terras abertas e assim atraindo muitos imigrantes.
Em 1927, torna-se distrito de Monte Aprazível com o nome de Neves.
Em 1937, o distrito de Neves foi transferido para Mirassol e, em 30 de novembro de 1944, transformado em município com o nome de Iboti.
O nome atual foi adotado em 24 de dezembro de 1948 para diferenciar de cidades homônimas de outros estados.
Logo, surge o primeiro time de futebol da cidade: o São Paulo FC.
Mas em 1957 a cidade vê surgir o time que seria o mais representativo: Clube Atlético Nevense!

Já no primeiro ano em que o time se aventurou a disputar o profissional, 1958, foi campeão da Terceira Divisão, numa incrível final contra o Estrela de Piquete!

C.A. Nevense

Aqui, Antonio Romildo Rosa, que além de atleta seria prefeito da cidade:

E que linda a campanha, liderando a primeira fase… Repare nos demais times que participavam do grupo.

Na fase semifinal, o CA Nevense terminou empatado com o Glória e o Municipal e por isso teve que disputar um mini torneio desempate do qual saiu vencedor:

Na final, o Nevense teve que enfrentar o Estrela de Piquete e após um empate no primeiro jogo, uma goleada por 4×0 dá o título ao time de Neves Paulista!

Matéria da Gazeta Esportiva sobre partida contra o Municipal de Vera Cruz:

Interessante que naquele ano o time também disputou o Campeonato do Interior, no Setor 65:

Em 1959, disputou pela primeira e única vez uma edição da Segunda Divisão (que teria o Corinthians de Presidente Prudente como campeão), jogando a Série Geraldo Starling Soares acabando na penúltima colocação deste grupo (fonte: História da 2a divisão do Futebol Paulista – Julio Bovi Diogo e Rodolfo Pedro Stella Jr).

Série A2 1959

Assim, o Nevense volta ao terceiro nível do Campeonato Paulista, disputando as edições de 1960 e 61, terminando a 1ª fase em 4º lugar.
Encontrei o registro de um amistoso interestadual de 1960, contra o Bonsucesso:

Em 1962, é o campeão da Série Senador Lino de Mattos, a primeira fase do Campeonato:

Mas na segunda fase apenas o campeão classificava-se e o Nevense terminou em segundo!

De 1963 a 66, apenas campanhas medianas, e em 1967, se licenciou.

O Nevense retornou em 1969 no terceiro nível do futebol paulista, chamada, na época de “Segunda Divisão dos Profissionais”, terminando a primeira fase em penúltimo lugar. Aqui, outras fotos que não consegui identificar o ano, mas que são registros históricos:

Em 1970, termina em 3ª a primeira fase:

Em 1971, termina a 1ª fase na liderança:

E na fase final, um honroso 4º lugar:

Aqui, o time de 1971:

O Nevense faz campanhas medianas em 1972 (do time abaixo) e 73.

Mas em 1974, novamente liderou seu grupo na primeira fase:

Na segunda fase, foi eliminado terminando em 3º no seu grupo.

O Nevense faz uma campanha ruim em 1975, terminando a primeira fase em 8º (penúltimo) do seu grupo, no ano em que não houve campeão por irregularidades no campeonato.
Em 1976, termina em 4º na primeira fase.
Em 1977 a reorganização do futebol paulista leva o Nevense para o Quarto nível (chamado de Segunda Divisão Profissional) e o Nevense volta a terminar a primeira fase na liderança do seu grupo.

Na segunda fase, terminou em 4º:

Em 1978, termina em 8º, com o time abaixo:

Neste ano, iniciou-se a montagem das categorias de base do Nevense, que daria frutos anos depois… Esse é o time de juniores de 1978:

Legal ver que a população esteve envolvida até com a arrecadação dos uniformes!

Em 1979, o time termina a primeira fase em 9º. Veja algumas breves matérias sobre partidas deste ano:

Em 1980, mais uma reorganização do futebol e o Nevense volta ao Terceiro nível do Campeonato Paulista (chamado de Terceira Divisão), disputando o Grupo Azul na primeira fase e terminando na 11ª posição.
Em 1981, termina em 10º.
Em 1982, acaba em 5º, em um grupo de 8 times, mas a grande notícia deste ano é que o time sagrou-se campeão sub-20:

Em 1983, fica em 3º do seu grupo no turno e depois em 6º no returno, não se classificando para a segunda fase.
Foto do Jornal A Tribuna, gentilmente envida pelo amigo Rodrigo:

CA Nevense 1983

Em 1984, termina a primeira fase em 5º.
Em 1985, classifica-se para a segunda fase terminando o seu grupo em 4º, mas não chega às finais.

Entretanto, em 1985, o time sub 20 é vice campeão da Terceira Divisão!

Em 1986, o Nevense fica em 8º no Grupo Marrom, na primeira fase e não se classifica.
Em 1987, termina a primeira fase em 7º no Grupo D e novamente não se classifica.
Em 1988, volta a se classificar, mas termina a segunda fase em , sendo assim eliminado da competição.

Em 1989, termina a primeira fase em 4º e não se classifica.
Em 1990, tem sua última participação no Campeonato Paulista e acaba sofrendo uma punição pela Federação pela falta de segurança no estádio, o que acabou desanimando ainda mais os diretores e lavando-os a abandonar o futebol profissional… Ainda assim, mais uma vez classificou-se para a segunda fase.

A equipe ficou inativa entre 1990 e 2015.
Em 2016, o Lobo da Araraquarense foi reativado, quando se filiou à Liga de Futebol Paulista e disputou a 1ª Taça Paulista, com o time abaixo:

Na atualidade, os apaixonados por futebol, como o amigo Rodrigo, tem acompanhado os times da região (Mirassol, América, Rio Preto, Novorizontino), mas sem dúvida que a Prefeitura precisa dar uma força e trazer de volta o CA Nevense, patrimônio do futebol paulista!!!
Um último destaque para o livro “Neves Paulista e uma geração de meninos bons de bola“, de João Alfredo Cardoso Pinotti e Francisco Simão Rodrigues Filho:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O futebol em São Roque – Parte 2: o Estádio Zito Godinho

Recentemente escrevemos sobre o Estádio Municipal Quintino de Lima, a casa do CA Paulistano e do futebol amador da cidade de São Roque, foi a parte 1 desse post (veja aqui)!

Hoje vamos falar sobre outro importante campo da cidade: o Estádio Benedito Godinho, vulgo “Zito Godinho“!

Confesso que encontrei o Estádio um pouco sem querer passando os olhos pelo mapa da cidade, e quando o encontrei, acabei bastante surpreso pela estrutura e importância do Estádio, que chegou a receber partidas oficiais da Federação Paulista em sua inauguração.

Olha aí a bilheteria do Estádio!

O Estádio Zito Godinho pertence ao Canguera Futebol Clube:

O Estádio Zito Godinho inaugurado em 21 de agosto de 1988, com a presença e apoio do Laudo Natel, presidente do São Paulo, na época.

No dia da estreia, o CA Paulistano (de São Roque) jogou pelo Campeonato Paulista e o São Paulo venceu o São Bento por 4×2 pelo Torneio Eduardo José Farah, Além dessas partidas, os veteranos do Canguera FC enfrentaram os Veteranos do Grêmio-RS.

Venha conhecer mais um Estádio incrível desse interior de São Paulo tão rico em futebol!

E olha que visual linda tem o Estádio com a natureza como moldura. Aqui, o gol da direita:

Aqui, a arquibancada da esquerda:

Olha que arquibancada linda encravada no morro!!!

A estrutura do time local, com vestiários e área VIP:

Pode marcar mais um estádio pras contas do As Mil Camisas… Será que o site deveria ter outro nome? Tipo… “Os mil estádios”? kkk
Acredito que a ideia das diferentes camisas, escudos, times, torcidas e estádios seja no fundo parte de uma mesma multicultura envolvida com o futebol…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!