O ABC está em luto: Shank se foi…

Não deixe pra amanhã o que pode fazer hoje…
Durante a pandemia estive em contato com o pessoal do Corinthians de Santo André e foi aí que conheci Antônio Shank.


Na época, tivemos o cuidado de não agendar um papo presencial, pelo risco de contaminação de COVID, uma vez que Shank já não era um garoto

Mas pudemos conversar por algumas vezes por telefone e pude conhecer apenas uma parte de toda a vivência que Shank teve no futebol da nossa região.

E aí, a pandemia se foi, chegamos a nos falar por telefone mais duas vezes, mas acabei postergando o nosso encontro pessoalmente.

E ontem fiquei sabendo pelo ABC dos Esportes que no dia 4 de setembro de 2023, aos 88 anos, Shank se foi.

Sem dúvida a história mais conhecida de Shank foi a sua participação no jogo entre o Corinthians de Santo André e o Santos, de Pelé, quando o rei do futebol marcou seu primeiro gol na carreira, em 7 de setembro de 1956, no Estádio Américo Guazelli, o campo do “Galo Preto da Vila Alzira“, como era chamado o Corinthians.

Shank teve uma carreira marcada pelas participações nos clubes da região (além do Corinthians, passou por Palestra (SBC), São Caetano EC e ainda foi treinador do Aliança de São Bernardo e nas categorias de base do Ramalhão) mas também jogou nos times da capital Juventus, o CA Ypiranga, e Nacional, entre outros, além de ter vivenciado de maneira muito próxima o futebol amador da região.

Na foto abaixo, Shank é o primeiro da direita pra esquerda, com as mãos na cintura, em 1948, no time juvenil.

Fica aqui nossa homenagem…

EC Santo André 1×1 Resende FC (série D- 2023)

Sábado, 27 de maio de 2023

Mais uma linda tarde de sol, ideal para quem ama futebol acompanhar o time da sua cidade em uma partida valida pela série D do Campeonato Brasileiro.

A Fúria mais uma vez levou seu bandeirão e fez uma bonita festa no Estádio Bruno José Daniel.

Talvez o preço dos ingressos tenha assustado as pessoas e somando pagantes e não pagantes, pouco mais de 1.000 torcedores se fizeram presente.

A Esquadrão Andreense também fez sua parte!

Em campo, um jogo sem grandes emoções… Enfrentando o último colocado do grupo, o Santo André saiu melhor e dominou a primeira metade do jogo, inclusive abrindo o placar com Vitinho.

O Santo André teve chances para. matar o jogo, mas o futebol é cruel e no segundo tempo o Resende empatou 1×1. E embolou o nosso grupo:

Mas quem disse que o placar desanimou a molecada que compareceu ao jogo? Olha aí a busca pelo autógrafo dos jogadores

Abraços aos amigos Álvaro que veio lá de Resende apoiar o time da cidade dele e do Marcos, de Serra-ES, que estava um pouco perdido geograficamente, mas sem dúvida nenhum no lugar mais certo que se pode estar: entre amigos!

O Álvaro ainda ganhou a foto com o Paulinho (que jogou no Santo André, por coincidência…)

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!!

]]>

EC Santo André 1×0 Vitória FC- ES (série D 2023)

Sábado, 13 de maio de 2023.
Bandeiras ao ar, é hora do Ramalhão estrear em casa, pela série D!

Faixas colocadas, gramado arrumadinho, enfim… Tudo pronto!

Pela manhã, ainda tivemos tempo pra acompanhar parte da rodada dupla (sub 15 e sub 17), onde o Ramalhinho enfrentou o Água Santa, com presença da torcida de Diadema no Brunão e um recebimento respeitoso como sempre deve ser!

Mas voltando ao jogo da tarde, o adversário foi o Vitória FC, do Espírito Santo.
O “Alvianil de Bento Ferreira” é o time profissional mais antigo do Espírito Santo, com 111 anos em 2023.

Manda seus jogos no Estádio Salvador Venâncio da Costa, já estivemos por lá, lembre aqui como foi.

Voltando ao Brunão, olha aí a Esquadrão, presente como sempre!

A nossa turma também se faz presente!

Olha a TUDA aí também!

A Ramalhão Chopp está de volta!!

E aí a Fúria!

Uma tarde agradável de sol, que contou com pequena participação da torcida… Menos de 1000 pessoas compareceram ao jogo 🙁

Em uma linda jogada de Will, que cruzou para a área encontrou o atacante Vitinho livre pra marcar o gol da partida!

Festa na torcida Ramalhina!

Olha o Gó, aí!

Mais uma vez, o time se mostra bastante integrado à torcida. Olha que bacana o fim do jogo:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

200- Camisa do Serrano Atlhetico Clube

Mais um número redondo, 15 anos depois da camisa #1, do EC Santo André! A camisa #200 também precisava ser especial e por isso escolhi a do Serrano Athlético Clube.
Pros chatos de plantão, óbvio que não é uma camisa oficial, mas comemorativa, lançada pelo amigo Flávio Mendes de Oliveira em um projeto bem bacana.

Vale lembrar que estivemos por várias vezes no estádio do Serrano Athlético Clube, o “Estádio da Vila Inglesa“, lá em Paranapiacaba.

Dizem que o campo foi inaugurado em 1894, sendo assim o mais antigo do Brasil, você bota fé? Veja aqui um compilado dessas visitas!

O Serrano Athlético Clube foi fundado em 3 de dezembro de 1903 por um grupo de ingleses trabalhadores da estrada de Ferro, a São Paulo Railway. Pode ser que Charles Miller tenha jogado em seu campo…

Logo o time começa a disputar amistosos e competições regionais.

Em 1930, segundo as pesquisas do amigo Julio Bovi Diogo, o time disputou o Campeonato Citadino de Santos:

Campeonato Citadino de Santos 1930

Em 1936, o Serrano Athletico Club se fundiu com o clube Recreativa Lyra da Serra (também de 1903). Surge então o União Lyra da Serra que teria longa vida social junto ao distrito e também no âmbito do futebol.

Olha aí a sala de troféus do time:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

Taça Independência: Santo André 0x0 Inter de Limeira (2×4 nos penaltys)

Sábado, 11 de março de 2023, uma tarde de chuva ininterrupta marcou a despedida do Ramalhão do Campeonato Paulista 2023. Até a Bia, minha sobrinha compareceu!

Mas além da Bia e do meu pai, apenas um pequeno número de torcedores (cerca de 950) toparam passar 90 minutos embaixo de tanta água e assistir a despedida do Ramalhão. Mas vamos lá! Somos poucos, mas loucos!

Aí, a Fúria Andreense, que faça chuva ou faça sol, acompanha o time cantando 90 minutos!

E a Esquadrão também estava lá!

O lado roqueiro da nossa torcida estava representado pelo amigo André, que curtiu a chuva!!

No intervalo deu pra ver que tinha uma galera assistindo o jogo ali da parte coberta.

Quem sabe a Prefeitura compra a ideia de descer uma parte desta cobertura pra melhorar a qualidade de quem quer ver futebol independente do humor da natureza?

E aí o amigo e atual baterista da banda Visitantes: “Gó” !

E falando em rock, um abraço ao pessoal da Inter Metal que levou uma faixa em homenagem à banda DRI ! Já trombamos com eles em um jogo da Copinha e os caras são gente boa! E parabéns ao pessoal de Limeira que colou como visitante!

Sente o clima (frio e chuvoso) do jogo:

Mas se hoje não tem rock, foi a batida da Fúria que espantou o frio e fez a gente aguentar tanta chuva até o fim do jogo em um triste 0x0, graças a um gol impedido pelo bandeira 🙁

A decisão por penaltys teve duas cobranças desperdiçadas pelo Ramalhão, culminando na classificação do time de Limeira, por 4×2. Parabéns ao pessoal do interior.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

Paulistão 2023! Santo André 1×0 Guarani

Sábado, 14 de janeiro de 2023, um dia após a triste eliminação do Ramalhinho da Copa São Paulo é hora de rever os amigos e o nosso estádio para a estreia do time principal no Paulistão!

O EC Santo André jogou com: Lucas Frigeri; Ricardo Luz, Rodolfo Filemon, Matheus Mancini e Romário; Marthã (Moisés Ribeiro), Dudu Vieira e Gérson Magrão (Nenê Bonilha); José Hugo (Pablo), Paulo Sérgio (Gabriel Taliari) e Léo Ceará (Júlio Vitor). Técnico: Vinícius Bergantin.

Foram quase 4 mil torcedores presentes para acompanhar a boa estreia do time em um campeonato que promete ser um dos mais disputados dos últimos anos!

A torcida bugrina também se fez presente!

Mas nossa bancada também estava linda! Aí está a Fúria!

Dessa vez ainda contamos com um reforço incrível! Do outro lado da arquibancada estavam cerca de 500 crianças que fazem parte do projeto de escolinha da Prefeitura e que tem o craque Arnaldinho, do Ramalhão na organização!

Em campo, os dois times ainda erraram mais do que acertaram, mas a partida foi quente, com chance para os dois lados.

Apareceu até uma terceira camisa do Ramalhão lá na bancada, e aí, o que achou?

Com a vibração da nossa torcida fazendo a diferença, o Ramalhão foi mais efetivo e aproveitou a chance que teve com Gerson Magrão:

Festa na nossa bancada!

Aliás, olha que bacana como a copinha ajudou a tornar o “programa” mais conhecido: um monte de “povão” que talvez nem lembraria do jogo se fosse outro ano, dessa vez compareceu!

Mas se até o tempo mudou, trazendo nuvens escuras, o jogo também não ficou atrás… e no segundo tempo o Guarani apertou a marcação e veio com tudo em busca o empate.

O técnico Vinícius Bergantim fez diversas alterações e conseguiu equilibrar a partida para a alegria da garotada que compareceu!

Olha aí o uniforme do nosso goleiro Lucas Frigeri:

Esse aí é o Gabriel Taliari, que entrou bem, mas a torcida estava com saudades do camisa 16 do time da Copinha… Será que ele vai ter uma chance no time principal?

Aí o nosso amigo Leandrinho, figurinha carimbada da Fúria Andreense e da bancada do Ramalhão ao lado do Silas, que representa a continuidade desse movimento!

O movimento dos ônibus ao fim do jogo deu uma cara de grandes movimentações à partida..

Como sempre… A melhor parte é rever os amigos de bancada!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

O adeus do Ramalhinho à Copinha 2023…

O Santo André foi a campo com: Gabriel Carbal, Hnerique Cayres, Renan, Lucas Silva (Diego), Lucas Campo, Pato (Lucas Souza), Bruninho, Cledson (Henry), Leonardo (Gabriel Silva), Gabriel Ferreira (Fuzil), Alexiel (Jhonatas). O técnico foi Ari Mantovani.

Mesmo o jogo sendo em uma sexta feira às 11 horas, tivemos mais um bom público, mas, vale lembrar que sobrou aos jogadores muito pouco tempo de descanso, já que haviam vencido o Santos na 4a feira…

Mais uma vez, vamos falar de traz pra frente: Santo André 1×2 Bahia, fim de jogo e a equipe do Ramalhinho disse adeus à competição.

Somando os 4 jogos em que esteve envolvido, foram mais de 30 mil pessoas impactadas pelo nosso time de juniores, e mesmo com a derrota pro Bahia a torcida saiu de campo bastante satisfeita com a qualidade do futebol apresentado.

Foi tempo de aquecer os reencontros para o Campeonato Paulista e tempo pra curtir essa amizade embaixo de um grande calor…

Foi bom poder ter meu irmão na arquibancada depois de mais de 20 anos sem ele ver um jogo do Ramalhão ao vivo…

Mas gostaria de deixar esse registro sobre o que foi essa Copa São Paulo 2023, que foi muito diferente das últimas.

Primeiro porque esse foi um dos poucos anos em que pude acompanhar o time desde o primeiro jogo. Normalmente eu voltava de férias já após a segunda ou até terceira partida, com o time eliminado. Esse ano deu pra estar 100% na copinha.

Quem pode acompanhar o time na Paulista Cup, percebeu que ela serviu de preparo para a Copinha. O elenco demonstrou ter evoluído em diversos sentidos, do técnico até a convivência entre eles, chegando à maturidade de ter perdido a final em menos de 10 minutos mal jogados.

Hoje, aliás, mesmo sob forte cansaço (o jogo anterior com o Santos acabara menos de 36 horas antes), o time começou muito bem, mais uma vez com vários destaques, do gol até o ataque.

Dói perder, claro… Mas esse é sem dúvida alguma o melhor time e a melhor “safra” de atletas que temos desde 2003 quando saímos campeões da competição.

Eu diria que esse elenco pode inclusive ser bem aproveitado no decorrer do ano não apenas no Paulista Sub 20, mas numa eventual Copa Paulista e até numa série D (neste caso, com o suplemento de alguns jogadores mais velhos para dar “casca”).

Não a toa a torcida se apaixonou…

Além disso, é importante que esse time respire os ares do futebol profissional durante o Paulistão. Essa proximidade pode trazer bons resultados.

E ainda tem a joia a ser lapidada…. Esse Gabriel Ferreira é uma coisa rara nos dias atuais, mesmo na derrota contra o Bahia, criou ao menos 4 chances claras de gol para o nosso ataque.

Sobre o Bahia, além da lembrança amarga que vai demorar pra sair, fica um olhar esquisito pra essa camisa, que chega a lembrar a do rival…

E que fique registrada a importância da torcida nesse momento…

Uma pena que não deu pra aproveitar essa torcida toda nem pra vender ingressos pro paulistão, nem camisetas, nem nada…

O Santo André não só saiu na frente como quebrou um tabu que vinha incomodando a torcida local: fez um gol de falta!

A virada não desanimou nem a torcida nem o time, mas um empate inesperado no final do primeiro tempo, quando o Bahia já parecia “aceitar” o resultado, somado ao cansaço que cobrou seu preço no segundo tempo…. Levou o time à derrota…

Quem não jogou (machucado ou suspenso) ocupou a bancada como torcedor…

Só resta agradecer a tantas pessoas que se envolveram com o time…

E agora começar a pensar no Paulistão…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

Semifinal da Paulista Cup sub 20 – 2022

EC Santo André 3×0 Portuguesa

Interrompemos nossos posts sobre o rolê de 15 de novembro para dividir umas fotos da semifinal da Paulista Cup em que o Santo André venceu a Portuguesa por 3×0. Infelizmente, na sequência, o Ramalhão perdeu a final para o Grêmio Sãocarlense por 2×1…

Mas…. Seguem as fotos de uma bela manhã de domingo…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

O Campo da AA São Paulo

Mais uma aventura pelo futebol amador de Santo André. Hoje é a vez de registrar o campo da Associação Atlética São Paulo, ou, como é carinhosamente chamado, o “São Paulinho” de Santo André, que fica dentro do chamado Estádio Distrital Cidade dos Meninos, junto do campo do Nacional.

A AA São Paulo foi fundada em 25 de janeiro de 1973.

A placa da SEMASA está lá na rua da frente desde 1972.

O campo fica no chamado Parque Municipal Cidade dos Meninos e sua história é bem bacana!

Em 1958, a área foi doada pela empresa proprietária do loteamento e a Prefeitura a doou para a Sociedade Missionária dos Franciscanos Menores Conventuais para construção e instalação de estabelecimentos destinados ao ensino e assistência social a menores desamparados.

Em 1976, a Prefeitura recebeu de volta parte da área, fazendo posteriormente uma permuta, onde construiu o Hospital Maria José Stein e o parque que deu um toque melhor .

Fotografando lá do campo do Nacional, esse é o gol da direita, onde fica a sede do time:

Aqui, o gol da esquerda:

E o meio campo:

Olha aí o campo!

Indo lá para o campo, dá pra ver que o campo tem uma bela arquibancada:

O Fernando do site Jogos Perdidos encontrou uma informação dizendo que o “Parque dos Meninos” foi sede de uma Copa Paulista de Futebol Júnior!

Eu fui atrás de reportagens do Diário do Grande ABC que noticiassem o fato e encontrei em 1990 e 1991, matérias que citam o Estádio Distrital dos Meninos como sede da Copa São Paulo de Futebol Jr.

Aqui, vale uma visão do alto pra entender que os campos do Nacional e do SãoPaulinho estão lado a lado:

Ali no alto está o campo do Nacional.

Olha o gol!

O futebol amador de Santo André é muito forte!

APOIE O TIME DA SUA QUEBRADA!!!

#TBT: Treta no futebol andreense

O ano era 1968… Em uma tarde distante, uma partida colocou frente a frente dois times feras daquele ano, de um lado o Santo André FC, que viria a se tornar o EC Santo André, campeão da Copa do Brasil de 2004, do outro, EC Elclor, o time da Vila Elclor.

A Vila Elclor nasceu no entorno das “Indústrias Químicas Eletrocloro” que chegou ao ABC em 1941, produzindo soda, cloro e hipoclorito de sódio, e hoje faz parte do grupo Solvay – Unipar.

A Vila Elclor foi construída num lugar bem bucólico, no quilômetro 38 da estrada de ferro Santos-Jundiaí, para abrigar os trabalhadores da indústria.

Logo surgiram pequenos comércios, uma escola (inaugurada em 1958), linhas de ônibus que atendiam a vila e até mesmo uma estação de trem!

Porém, a grande animação veio quando foi construído um pequeno estádio, que seria a casa do EC Elclor, o principal time da vila! As imagens abaixo foram retiradas do vídeo de chegada do papai noel que está no Grupo de Facebook Vila Elclor:

Aqui, duas fotos do time de 1960, a primeira, da delegação que foi até Itamonte-MG para um amistoso:

A vila ainda existe, pertence à Santo André e fica entre Rio Grande da Serra e Paranapiacaba.

Aqui, dá pra ter ideia do local, no mapa:

Na foto abaixo, do Grupo Vila Elclor do Facebook, mostra onde ficava o campo (ali na parte superior direita):

Sem grandes sonhos, nem prestígio, mas com bons empregos e qualidade de vida para a época, algumas pessoas acabavam se sentindo um pouco desprezada pelos que viviam no centro da cidade. Ao mesmo tempo, foi crescendo nos moradores o sentimento de pertencimento e uma relação de amor e pela VilaElclor.

Amor, porque tudo o que se vivia girava em torno da indústria, sendo natural a gratidão pela oportunidade, mas ao mesmo tempo, a noite, antes de dormir, vários sonhos inalcançáveis vinham à mente das pessoas e aí ficava clara a ideia de que na verdade, estavam presos aquele lugar.

A estação de trem facilitava a chegada e saída de pessoas e também de times de outras cidades e até do interior, com isso alguns times tradicionais acabaram aparecendo pela vila pra jogar contra o EC Elclor.

O time começou a ganhar expressão e disputando principalmente com os times de Ribeirão Pires, que ficavam mais próximos.

Esse é o Cocada, ex jogador do EC Elclor:

Mas a grande sensação daquele ano era o recém criado “Santo André FC“, time profissional fundado em 1967. Mais do que um time, eles representavam a “outra” Santo André, cheia de planos e sonhos. Um time que na semana seguinte disputaria o Campeonato Paulista Profissional… Foto do site da Ramalhonautas.

E naquela tarde, os canarinhos (o Santo André FC jogava de amarelo e verde) seriam os visitantes a serem combatidos de toda maneira! Na hora do jogo, 300 pessoas se reuniram para torcer pelo time da casa!

Em campo, o time local jogava a partida da vida, não com foco na vitória, mas tentando se impor fisicamente e literalmente sentando a porrada a cada jogada e cada disputa.

Mesmo assim, o Santo André FC estava bem preparado e fez 1×0 em cobrança de falta de Zé Roberto aos 30 minutos.

Mas o preço pago foi caro, o goleiro Dorival (foto abaixo) e o meia Nilo acabaram saindo de campo machucados.

O segundo tempo começou e a violência continuou. Mas o time do Parque Jaçatuba não era bobo e também batia. O clima estava tão ruim que aos 38 minutos do segundo tempo, uma treta generalizada fez com que o árbitro Jovercino Gomes encerrasse a partida.

Dê uma lida na matéria sobre a partida:

O clima continuou pesado pela vila, com muita pressão feita não apenas pelos torcedores mas agora nas ruas pela população em geral que sabia da partida e da presença dos vizinhos. Só restou aos jogadores do Santo André FC se arrumarem rapidamente e rumarem para a estação de trem para voltar pra casa.

Enquanto o O EC Elclor ainda seguiu nas disputas amadoras da região, como em 1970, quando foi campeão dos aspirantes de Ribeirão Pires. Mas, acabou deixando de existir como time oficial.

A Vila segue por lá, mas sem a mesma emoção dos tempos de outrora, mas não ouse desafiar um time local para uma peleja…

Só não fique glorificando os tempos da Elclor, como se ela fosse uma iniciativa positiva em nossa região, porque apesar dos empregos, veja um pouco do legado deles:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!