#TBT – 1ª rodada da A2 de 2008

O que dizer de uma partida onde você encontra o Godoi num posto de gasolina antes de chegar no Estádio, ter que entrar pelo meio da torcida local, e ainda ser informado pela polícia que em caso de problemas o portão de acesso ao campo está aberto é a melhor atitude a ser tomada…

Após um empate de 1×1, fomos aconselhados pela polícia a ficar até depois do jogo para não ter problemas… Detalhe, até o carro eles nos obrigaram a colocar em cima da arquibancada kkkk

E o que você diria se enquanto espera, encontrar o treinador de quem você é ídolo, no caso: Ferreira!

Esse foi um rolê de 2008, na estreia da série A2 do Santo André contra o GE Catanduvense.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O Estádio Benito Agnelo Castellano, a casa do Velo Clube

Pois é, com o acesso do Velo Clube à primeira divisão depois de 46 anos, estamos vivendo uma verdadeira Velomania e já que o tema é inesgotável, vamos dar nossa contribuição registrando um rolê que fizemos para registrar o Estádio Benito Agnelo Castellano!

O Estádio Benito Agnelo Castellano, carinhosamente conhecido como o “Benitão” é a casa do lado rubro verde da cidade de Rio Claro: a Associação Esportiva Velo Clube Rioclarense.

Na parte interna do estádio, antes de se adentrar à arquibancadam existe uma série de fotos e registros sobre o passado do time junto do Bar “Toca Rubro Verde”.

Várias fotos relembrar os esquadrões que marcaram época defendendo a camisa do Velo Clube!

Por falar em imagens, taí a lenda responsável pelo canal @VeloemImagens!

Estivemos no estádio em um dia em que as categorias de base estavam disputando suas competições contra o XV de Piracicaba.

Assim, mesmo contando apenas com os familiares e aqueles que acompanham a base, pudemos viver uma tarde com o estádio vivo!

Vale lembrar como é a organização do estádio: são duas arquibancadas junto às laterais do campo sendo que no passado – e talvez isso volte no futuro- o estádio teve uma tubular atrás do gol. Desse lado em que estamos está a arquibancada coberta.

Do outro lado, uma arquibancada maior e descoberta. Ah, perceba que o campo está reduzido porque estamos falando do sub 9 e sub 11. E ali está o gol da direita:

E aqui, o gol da esquerda:

E aqui o meio campo:

Em 7 de setembro de 2022, o Estádio Benito Agnello Castellano completou 50 anos de inauguração, que se deu em 1972, na partida: Velo Clube 1 x 4 Palmeiras. Há uma placa registrando a data:

E é muito legal poder ver que tanto tempo depois, passando e vencendo tantas crises, o Benitão voltou a ser um local de felicidade!

Benito Agnello Castellano, que dá nome ao estádio, foi um esportista, dirigente, cronista esportivo (correspondente local da Gazeta Esportiva) e torcedor fanático do Velo Clube nascido na cidade em 1927. O J1 Diário publicou uma entrevista com o filho dele (na foto abaixo) no lançamento do seu livro “Benito e Velo” (veja aqui a entrevista).

O estádio nasceu como propriedade do Velo Clube, mas em 2008, a prefeitura de Rio Claro decidiu desapropriá-lo para inviabilizar seu leilão judicial, que ocorreria no mesmo ano como forma de pagamento das dívidas do clube.

O dinheiro será depositado em juízo para a quitação de dívidas trabalhistas e com Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) que o Velo tem com a Prefeitura desde 1988 e apenas em 2015, na última parcela, a prefeitura recebeu o título de posse do imóvel.

Dei uma pesquisada aqui para ler sobre quando estivemos lá em 2011 para acompanhar o acesso do time para a série A2, veja aqui como foi!

Mais recentemente estivemos no Benitão para acompanhar a partida contra o São José, válida pelas quartas de final da série A2 (veja aqui como foi)!

Curiosamente, o público recorde do Estádio é de uma partida contra o São José (vitória do Velo pro 1×0) com um total de 15.782 torcedores, em 1978.

Mais um post em homenagem ao Velo e sua torcida! Desejamos boa sorte na série A1 de 2025!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O futebol e os estádios em Lavras-MG

Se todo carnaval tem seu fim, por que com corpus christi não o teria?
Bem vindo ao último post sobre o rolê de junho de 2023 em MG.
O feriado começou com um jogão pela série D: Athletic Clube 4×2 Santo André que nos permitiu conhecer e registrar o Estádio Joaquim Portugal:

Graças ao feriado, depois do jogo, pudemos visitar uma série de lugares lindos, e estádios basta clicar para saber mais:
Guarany e do Marianense (ambos de Mariana),
Aymorés FC (Tiradentes),
AC Três Corações / CA Tricordiano (ambos de Três Corações),
Bangu EC (Congonhas),
América RF, Social FC, do Figuerense EC e Minas FC (São João del Rei),
Betis FC, registrado na foto abaixo (Ouro Branco).

Para que nossa viagem de volta não ficasse tão longa, decidimos dormir em Lavras, ainda em Minas Gerais, mas bem perto da conhecida estrada Fernão Dias.
Assim pudemos conhecer um pouco sobre o riquíssimo futebol da cidade, ilustrado neste post pelos 5 principais times de Lavras!

Segundo o mapa “Native Land“, o território ocupado atualmente pela cidade encontrava-se já entre as terras dos Puris (na ilustração abaixo) a nordeste e a dos Guaranis a sudoeste, na época da chegada dos portugueses, os Cataguás (povo não tupi e do qual não se tem nenhuma ilustração sequer) estavam por ali e impuseram muita resistência aos invasores. O bandeirante Lourenço Castanho Taques é apontado como responsável pelo genocídio dos Cataguás.

O local passou a ser chamado de Colina do Pouso do Funil, por conta de uma cachoeira que parecia um funil e por acreditarem que ali existia ouro, logo chegou uma primeira leva de moradores ao arraial, que em 1813 foi elevado à categoria de freguesia.
Chega à condição de vila, em 1831, e à cidade, em 1868, quando se altera seu nome de “Lavras do Funil” para “Lavras”.
Segundo o Censo do IBGE de 2022, 104.761 pessoas vivem na bela e preservada cidade de Lavras!
Recomendo o livro digital História de Lavras do pesquisador, professor e historiador Geovani Németh Torres.

A história do futebol na cidade se origina com o Lavras Sport Club, fundado em 13 de agosto de 1913.

O futebol reflete o novo momento na cidade, onde a energia elétrica substituía os antigos lampiões, surgiam os primeiros telefones e a ferrovia funcionava como a Internet, trazendo as novidades até a estação de Lavras Oeste, aberta em 1895, como parada da Estrada de Ferro Oeste de Minas.
A foto abaixo, de 1930 é do incrível site Estações Ferroviárias

O Lavras Sport Club foi criado pelos alunos do Instituto Presbiteriano Gammon, instituição responsável pela chegada da primeira bola à cidade.

Logo surge um rival: o Hymalaia SC, também formado por alunos do Gammon e o derbi entre eles fazia barulho na cidade!
Na década de 20, o “Moreno Esporte Clube” incluiu os negros no futebol local.
Mas é o Lavras Sport Club que passa a se destacar e disputar amistosos e torneios contra times da região como o Athletic Club de São João del Rei.
O Lavras SC manteve-se todo o tempo como amador, e em 5 de setembro de 1937, funde-se com a Associação Olímpica de Lavras, criada em 20 de julho daquele ano.

A Associação Olímpica herda do Lavras SC, o Estádio Ruy Moraes de Lemos, construído em 1916, com recursos antes destinados ao Tiro de Guerra, mas que com o fim da 1ª Guerra, ganharam melhor uso.

Aqui, uma foto antiga que mostra a identificação do Estádio Ruy Moraes de Lemos.

E lá fomos nós conhecer o campo da Associação Olímpica!

O Estádio tem muita história e foi a casa de alguns amistosos inesquecíveis, como o do dia 8 de maio de 1949, em 1×1 contra a seleção da Colômbia, ou contra o Flamengo em 1958.

Mas a Associação Olímpia de Lavras também usou o Estádio Ruy Moraes de Lemos no futebol profissional, onde estreou em 1968, na 2ª Divisão do Campeonato Mineiro (fonte da tabela: RSSSF Brasil):

Na final da região, acabou desclassificada:

Alguns registros do time sem a data especificada:

Não encontrei outras participações em campeonatos oficiais, mas essa foto registra a inauguração dos refletores do estádio em 1972:

Depois do hiato, em 1984 a Associação Olímpica volta a disputar o Módulo II do Campeonato Mineiro (fonte da tabela: site da RSSSF Brasil),

Em 1985 termina na 6ª colocação:

Em 1986, passa da primeira fase, mas não se classifica para as finais:

Em 1987 vai disputar a repescagem mas, novamente, acaba fora das finais.

Em1988 é rebaixada para a terceira divisão:

Em 1989, joga a terceirona e chega à fase final:

Uma vitória a mais teria levado o time de volta ao módulo II…

Não disputa a competição em 1990, e em 1991, não descobri o motivo, volta ao Módulo II para uma última participação nos campeonatos oficiais da Federação Mineira:

E desde então, até onde pesquisei, a Associação Olímpica de Lavras não disputou mais o profissionalismo, mas segue jogando no lindo Estádio Ruy Moraes de Lemos!

Dê mais uma olhada e sinta o clima do Estádio:

Aqui, uma vista do meio campo:

O gol da direita:

O gol da esquerda:

Enquanto estivemos no estádio, rolava uma pelada entre a galera local:

Atrás do gol da esquerda existe mais um pequeno lance de arquibancada:

Esse lance praticamente se encontra com o lance lateral de onde estou fazendo estas imagens:

Lá do outro lado, o quase centenário distintivo da Associação Olímpica de Lavras!

Lá no Estádio haviam camisas sendo vendidas:

Existe ainda um clube social com piscinas e outros equipamentos ali ao lado do campo.
Agradeço ao pessoal que nos recebeu lá Estádio e torço para que a história da Associação Olímpica de Lavras tenha muito futuro!

Mas, entre o Lavras SC e o surgimento da Associação Olímpica de Lavras, houve um outro time, fundado em 2 de setembro de 1932 e que também ousou alçar vôos no futebol profissional: o Fabril Esporte Clube!

O Fabril Esporte Clube teve origem ligada à Cia Fabril Mineira, fundada por Juventino Dias, que no futuro daria nome ao Estádio do time.

O time nasceu com uma grande vantagem: a Companhia Fabril Mineira construiu o Estádio Coronel Juventino Dias para receber seus jogos!
E lá fomos nós registrar o lugar onde o Fabril EC mandou seus jogos.

Olha aí as bilheterias do Estádio:

Com o fim da Cia Fabril, o Estádio acabou indo para as mãos da Prefeitura, tornando-se o Estádio Municipal de Lavras, servindo não só ao Fabril EC, mas para novos times como o Lavras FC e também ao futebol amador da cidade.

E agora é hora de conhecer a parte interna deste Estádio!

Aos 16 anos, Pelé chegou a jogar pelo Santos FC contra o Fabril Esporte Clube, em 1957, neste estádio:

E hoje ele segue aberto à população e ao futebol amador local!

A capacidade atual do Estádio Municipal Coronel Juventino Dias é de cerca de 5 mil torcedores:

Aqui o meio campo, onde pode-se ver ao fundo, uma linda arquibancada cinza.

Aqui, o gol da direita:

E o gol da esquerda:

E pra nós… só alegria em estar em mais um estádio com tanta história.

Depois de um início marcado por partidas amistosas, o Fabril EC passa a disputar taças e competições regionais, principalmente a partir da década de 1940, quando se cria a Liga Esportiva de Desporto de Lavras (LEDL).

Em 1953, é criada a Liga Esportiva de Lavras (LEL), reunindo às equipes da cidade outros times da região. Esse foi o time daquele ano:

A partir dos anos 60, o time passa a disputar o Campeonato Mineiro Profissional, estreando em 1968, na divisão de acesso, o segundo nível do futebol mineiro.

Olha como ficava cheio o campo em dias de derbi entre o Fabril EC e a Associação Olímpica de Lavras.

Novamente disputou a divisão de acesso em 1969, mas depois passou mais de 10 anos licenciado.

Aqui, o time de 1975 que não disputou o profissionalismo mas manteve o futebol em atividade em competições amadoras:

O Fabril EC volta à ativa em 1981, classificando-se em 2º lugar para a fase final do campeonato:

O time termina em 5º lugar no campeonato.

Na edição de 1982 do Módulo II, o time vai ainda melhor, classificando-se para a fase final, onde terminou em 3º lugar, a um ponto do acesso para a festa da sua apaixonada torcida!

Não descobri o motivo, mas o time não disputa a edição de 1983, voltando em 1984 para uma campanha em 3 fases. Aqui, a primeira:

A segunda fase:

E o quadrangular final:

Com os resultados, o time sagrou-se campeão do Módulo II, o segundo nível do futebol mineiro de 1984:

E assim, o time faz sua estreia na primeira divisão de 1985, terminando em 11º lugar.

Em 1986, um baita campeonato!
Os vencedores dos turnos mais os dois melhores classificados no geral disputariam o Quadrangular Final, mas o Atlético MG venceu os dois turnos e sagrou-se campeão. O Fabril EC terminou na 5ª colocação!

O Fabril EC disputou a primeira divisão até 1991, quando acabou rebaixado. Mas vale destacar a incrível campanha de 1988, quando terminou em 3º lugar, sendo ainda Campeão do interior.

Em 1988 disputou também a série C do Campeonato Brasileiro e logo de cara, caiu no grupo do Campeão: o União São João de Araras, acabando eliminado na 1ª fase:

Olha a partida contra o União:

Depois do rebaixamento, o Fabril EC disputou o Módulo II em 1991 e 92, licenciando-se em 1993.
Em 1994 retorna, mas agora disputa o terceiro nível do futebol mineiro. Novamente abandona as competições retornando em 97, quando faz uma boa campanha e volta ao Módulo II, disputando os campeonatos de 98 até 2001, quando volta para a Terceira Divisão.
Veja a tabela final de 1997, quando sagrou-se vice-campeão:

Disputa seus últimos campeonatos entre 2002 e 2009, quando é registrada sua última participação no terceiro nível do futebol mineiro, terminando em último lugar…

Atualmente, o Estádio Coronel Juventino Dias foi interditado para jogos oficiais, e por isso o time tem batalhado para construir um novo estádio e assim retornar às disputas profissionais:

O quarto time que chamou nossa atenção nesta visita à Lavras foi a Associação Atlética Ferroviária de Lavras, fundada em 1º de maio de 1944.

A ideia era criar um clube capaz de reunir os ferroviários e suas famílias e naturalmente, mais uma vez futebol e trilhos se interligaram:

Sua sede foi inaugurada em 24 de fevereiro de 1957.

Em 2010, as meninas do clube fizeram história ao disputar o Campeonato Mineiro Feminino e por isso fomos lá conhecer e registrar seu Estádio.

Aqui, o meio campo, onde pode se ver dois lances de arquibancada:

O gol da esquerda, com os toboáguas ao fundo:

O gol da direita:

Não lembro de ter visto arquibancadas construídas literalmente em cima dos vestiários como estas:

Há também um pequeno anel de lugares na lateral do campo:

Antes de irmos embora, vale o registro do mais novo clube da cidade, o Lavras Futebol Clube, fundado em 20 de janeiro de 2009.

O time se filiou-se à Federação Mineira de Futebol em seu ano de estreia e disputou a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro (3º nível), terminando em 5º lugar, mas nunca mais disputou nenhuma competição oficial.

O Lavras FC manda seus jogos no estádio Ruy Moraes de Lemos, da Associação Olímpica de Lavras e também no Estádio Municipal.

E é torcendo para que a cidade volta ao profissionalismo que nos despedimos desse rolê por Minas Gerais!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

O futebol em Echaporã

No feriado de 15 de novembro de 2022, fizemos um incrível rolê até Bataguassu-MS. Veja os posts já feitos sobre essa viagem:
1) Estádio Municipal Tonico Lobeiro, na cidade de Óleo
2) Estádio Gilberto Moraes Lopes, em Piraju
3) Estádio Municipal Clube Ferroviário em Bernardino de Campos
4) Estádio Municipal Arnaldo Borba de Moraes, em Ipaussu
5) Estádio do Clube Atlético Ourinhense e o Estádio Djalma Baia, em Ourinhos
6) Estádio Romeirão, em Ribeirão do Sul
7) Estádio Manoel Leão Rego e Estádio Miguel Assad Taraia, em Palmital
8) Estádio Francisco Guímaro, “O Pirangueiro“, em Presidente Epitácio
9) Estádio Municipal “João Pereira de Souza”, em Bataguassu (MS)
10) Estádio Municipal José Francisco Abegão (antigo Estádio Antônio J. Andrade), em Presidente Venceslau
11) Estádio Municipal José Spaus da Silva, em Santo Anastácio
12) Estádio Dr Arthur Ramos e Silva Jr, em Presidente Bernardes
13) Estádio do Paulista FC em Álvares Machado
14) Estádio Municipal Amadeu Poleto e o Estádio Capitão Whitaker em Indiana
15) Estádio Coronel João Gomes Martins em Martinópolis
16) Estádio João Boim, em João Ramalho
17) Estádio Municipal Benedicto Dalla Pria, em Quatá

Agora é a hora do último estádio desse rolê, o Estádio Clemente Alberto de Sousa em Echaporã!

Com este relato me despeço não apenas do incrível rolê de 15 de novembro como também do ano de 2022. Que tenhamos novas aventuras boleiras em 2023 e que todos tenhamos muita saúde, trabalho, amor e grana pra poder estar nessa!

Antes de falarmos do futebol, é sempre importante ressaltar uma breve visão sobre o caminho trilhado até chegarmos a Echaporã dos dias de hoje.

Echaporã significa Bela Vista em Tupi Guarani, e este foi o nome da cidade por um bom tempo. A cidade se desenvolveu no mesmo modelo das que visitamos no oeste paulista: primeiro a chegada de alguns bandeirantes, depois a distribuição de terras ainda no papel para uns poucos poderosos e a partir daí uma verdadeira guerra com os habitantes originais indígenas, kaingangues em sua maioria.

No caso de Echaporã, além da expulsão e da matança, houve ainda um processo de catequização em pleno século XX, realizado pelos freis capuccinos, que teriam inclusive tentado ajudar na guerra contra os grupos que chegavam, mas… sem grandes resultados. Aqui, uma foto de 1910 dos indígenas com um padre da ordem dos Capuccinos (Fonte: Livro “As antigas fazendas Alta Sorocabana”):

Em 1922, Santiago Fernandes (que vivia na região ocupada pelos freis capuccinos) iniciou a construção da primeira igreja do local, dedicada a Nossa Senhora Aparecida. A região passa a se reunir no entorno da igreja e o Padre João di Longue batiza o nome do vilarejo como “Bela Vista” (o nome durou até 1944, quando mudou-o para Echaporã).

Em 1° de janeiro de 1939, o distrito passa à município de Bela Vista.

Em 1947, foi construída a igreja matriz da cidade:

E em homenagem à cidade, em 1935 foi fundado o time do Bela Vista Futebol Clube.

Em 1942, estreia no Campeonato do Interior disputando o grupo da 13a região, que teve a Ferroviária de Assis como campeã:

Em 1950, novamente jogou o Campeonato do Interior e ainda aplicou uma das maiores goleadas contra o time do Barra Funda de Assis:

A Gazeta Esportiva de 1957 trouxe uma citação sobre uma partida do time no Campeonato do Interior daquele ano:

Em 1966 faria sua estreia no Campeonato Paulista, mas pouco antes do início, desiste da participação que teria colocado o nome do time e da cidade ainda mais na história!

Esse era o time de 1968:

Aqui, uma foto do time jogando em Assis já nos anos 70:

Aqui, uma foto do atual time de veteranos:

Para viver um pouco dessa história, fomos até o Estádio Municipal Clemente Alberto de Souza:

O estádio fica num quarteirão bem aberto, sem muros em seu entorno, apenas alambrado, aqui o gol da esquerda:

O meio campo:

E o gol do lado direito:

Veja que linda a arquibancada coberta:

A visão por traz do gol:

Muitas árvores em seu entorno:

E uma área para atletismo em seu entorno:

Até uma pequena academia ao céu aberto:

FELIZ 2023!!!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

O futebol em Presidente Bernardes: a AA Bernardense e o Estádio Dr Arthur Ramos e Silva Jr.

No feriado de 15 de novembro de 2022, fizemos um incrível rolê até Bataguassu-MS. Veja os posts já feitos sobre essa viagem:
1) Estádio Municipal Tonico Lobeiro, na cidade de Óleo
2) Estádio Gilberto Moraes Lopes, em Piraju
3) Estádio Municipal Clube Ferroviário em Bernardino de Campos
4) Estádio Municipal Arnaldo Borba de Moraes, em Ipaussu
5) Estádio do Clube Atlético Ourinhense e o Estádio Djalma Baia, em Ourinhos
6) Estádio Romeirão, em Ribeirão do Sul
7) Estádio Manoel Leão Rego e Estádio Miguel Assad Taraia, em Palmital
8) Estádio Francisco Guímaro, “O Pirangueiro“, em Presidente Epitácio
9) Estádio Municipal “João Pereira de Souza”, em Bataguassu (MS)
10) Estádio Municipal José Francisco Abegão (antigo Estádio Antônio J. Andrade,), em Presidente Venceslau
11) Estádio Municipal José Spaus da Silva, em Santo Anastácio

Já no caminho de volta, vamos conhecer um pouco da história do futebol em Presidente Bernardes e do Estádio Dr Arthur Ramos e Silva Jr, a casa da AA Bernardense.

Presidente Bernardes foi o nome dado à antiga povoação de Guarucaia, em homenagem às árvores desta família que existiam por ali, e receberia o apelido de “cidade amizade” décadas depois.

Assim como as demais cidades do oeste paulista, os indígenas residentes na região foram surpreendidos com a chegada dos bandeirantes e acabaram mortos, expulsos ou dominados, expulsando de suas terras de origem e pondo um fim ao sistema de vida que existia até então.

O ato final dessa verdadeira guerra ocorre em 1º de novembro de 1919, com a inauguração da Estação de Trem da cidade. Foto da estação em 2016, do site Estaçoes Ferroviárias:

Junte-se ao cenário a chegada da igreja..

Embora nenhum time da cidade tenha participado de competições profissionais, um deles chegou bem perto disso: a Associação Atlética Bernardens, “O Leão da Alta Sorocabana”, fundada em 1º de maio de 1944.

Muitas das informações para este post eu li no site Osmardeamigos, vale a pena visitá-lo.
Esse é o mascote da AA Bernardense:

A Associação Atlética Bernardense se tornou uma bastante conhecida nos campeonatos de Futebol Amador do Estado de São Paulo, como em 1956, sendo campeã do setor:

Ou em 1957, quando fez várias partidas para se preparar para o Campeonato:

Neste ano, um segundo time de Presidente Bernardes esteve nas disputas: o Ponte Preta EC.

Nas décadas de 60 e 70 disputou muitos amistosos com times que participavam de competições profissionais, de equipes locais como a Prudentina, até potencias do interior como o XV de Piracicaba, da capital como o Juventus e até equipes de outros estados como o Olaria e Operário de Campo Grande. Esse foi o time de 1960:

Em 1975, se tornou vice campeã do estado.

Aqui, o time da Associação Atlética Bernardense de 1977, Campeão Amador Regional:

Aqui, a Associação Atlética Bernardense de 1978.

Aqui, o time de 1980:

Em 2005, a AA Bernardense terminou em 3º lugar no Campeonato Amador Regional.

O primeiro campo da Bernardense era localizado na Vila São Vicente, onde atualmente está localizada a Casa da Lavoura, mas graças a Arthur Ramos e Silva Júnior, que doou um terreno no bairro Village, surgiu o novo estádio, construído através de um mutirão, por isso, o Estádio leva seu nome.

Primeiro, fomos conhecer a entrada da sede social da AA Bernardense:

Na mesma rua, mais acima, está a entrada do Estádio Dr. Arthur Ramos e Silva Jr.

Inicialmente achamos que não seria possível entrar o campo, como se as imagens por cima do muro fossem ser tudo o que iríamos conseguir…

Mas…. o portão estava aberto permitindo o nosso registro:

O gol do lado esquerdo:

O do lado direito:

E o meio campo:

Ao fundo uma estrutura que dá suporte nos dias de jogo:

Ali, um espaço onde seria a entrada tradicional:

E um registro oficial da nossa presença em mais um lindo estádio do interior paulista!

Vale ressaltar que atualmente a cidade possui também o Estádio Municipal Manoel Inácio Cavalcante. Imagem do Google Maps da rua Dr Arthur Falcone:

Sigamos a estrada, feche a porteira depois de passar e vamos em frente!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

O futebol profissional em Presidente Venceslau

No feriado de 15 de novembro de 2022, fizemos um incrível rolê de Santo André até Bataguassu-MS.
Veja os posts já feitos sobre as primeiras cidades dessa viagem:
1) Estádio Municipal Tonico Lobeiro, na cidade de Óleo
2) Estádio Gilberto Moraes Lopes, em Piraju
3) Estádio Municipal Clube Ferroviário em Bernardino de Campos
4) Estádio Municipal Arnaldo Borba de Moraes, em Ipaussu
5) Estádio do Clube Atlético Ourinhense e o Estádio Djalma Baia, em Ourinhos
6) Estádio Romeirão, em Ribeirão do Sul
7) Estádio Manoel Leão Rego e Estádio Miguel Assad Taraia, em Palmital
8) Estádio Francisco Guímaro, “O Pirangueiro“, em Presidente Epitácio
9) Estádio Municipal “João Pereira de Souza”, em Bataguassu (MS)

Vamos mostrar como foi o caminho de volta, começando pelo Estádio Municipal José Francisco Abegão, em Presidente Venceslau.

Presidente Venceslau é uma cidade do interior de São Paulo, distante 600 km da capital e com cerca de 40 mil habitantes.

Foi ocupada por muitos anos (talvez milhares) por indígenas Kaingangues, dizimados, primeiro pelos bandeirantes e depois pela estrada de ferro e a agricultura.

Nunca entendi porque depois de dizimar os indígenas locais as cidades decidem homenageá-los … Por muito tempo chamou-se o povoado de “Coroados” (um outro jeito de chamar o povo kaingangue), em memória ao povo que ali viveu. Também foi chamado de Perobal, por causa das grandes árvores de Peroba que existiam e que foram transformadas em trilhos para a Ferrovia Sorocabana.

Por fim… O nome da cidade acabou sendo homenagem a um dos presidentes do país: Wenceslau Brás, em 1921.

A cidade foi emancipada de Presidente Prudente ainda na década de 1920 e recebeu imigrantes alemães, depois italianos e espanhóis, mais tarde, japoneses, que desenvolveram a lavoura.
A Estrada de Ferro Sorocabana foi fundada em 1872, mas apenas em 1922 chegou ao rio Paraná, passando por Presidente Venceslau.

A cidade tem crescido, mas mantém muitas casas antigas como verdadeiro registro histórico.

E sim… Tá lá a igreja matriz!

Mas, por hora, esqueçam as orações… Nosso objetivo em Presidente Venceslau era registrar o Estádio Municipal José Francisco Abegão, e também relembrar os times que disputaram os Campeonatos Profissionais da Federação Paulista.

Infelizmente o Estádio Municipal José Francisco Abegão não possui mais nenhuma identificação na sua entrada…

Apenas essa inscrição em seu muro lateral.

O Estádio Municipal José Francisco Abegão tem capacidade para 14 mil torcedores.

Hora de dar um rolê e conhecer o campo:

Se atualmente o Estádio Municipal recebe partidas de competições da região, em 1942 ele era chamado de Estádio Antônio J. Andrade e era a casa da Associação Atlética Venceslauense!

A AA Venceslauense nasceu para representar a cidade no reconhecido Campeonato do Interior, que era a competição mais importante para os times do interior. Por ser o time mais antigo, era conhecida como a veterana”.
Aí está o seu grupo em 1942:

Não disputa em 1943, mas retorna em 1944, quando sagra-se campeão da 17ª região (muitos times consideravam isso um título!) e classifica-se para os mata-matas. Pena que logo de cara pega a forte Ferroviária de Assis e perde como visitante por 4×1 e em casa por 2×1:

Em 1945, o FADA (de Santo Anastácio) sagra-se campeão do grupo.

Em 1946, novamente o FADA sagra-se campeão:

Aqui, o grupo de 1947 que teve o Paulista de Álvares Machado como campeão.

A AA Venceslauense segue nas competições do interior, honrando seu manto, como o faz na foto abaixo o atleta “Toco”, Carlos Alberto dos Santos, em 1956!

Até torcida organizada eles tinham!

Em 1957, segundo a Gazeta Esportiva, o Estádio Antônio J. Andrade passou por uma grande reformulação:

Em 1966, a AA Venceslauense faz história e disputa o Campeonato Paulista da 4a divisão, sua única aventura no profissionalismo. 16 partidas inesquecíveis para a torcida local.

A AA Venceslauense volta ao amadorismo e por fim doa o terreno do clube e do então Estádio Antônio Andrade à Prefeitura para ser construído o “Centro Esportivo José Francisco Abegão.
Mas Presidente Venceslau teve outro importante time em sua história: o Esporte Clube Corinthians, fundado em 26 de novembro de 1946.

Claro… O time foi uma homenagem ao seu homônimo da capital, mas mesmo assim fez história, com 9 participações em Campeonatos Estaduais.

Junto à sua sede eles construíram um estádio que também homenageia o Corinthians paulistano: o Parque São Jorge.

O time começou disputando o Campeonato amador do Interior como em 1950:

Em 1957, organizou um torneio quadrangular:

Em 1965, foi vice campeão do quadrangular da cidade, jogando no Parque São Jorge.

Ainda em 1965, o EC Corinthians estreia na Quarta divisão com uma campanha mediana (5 vitórias, 5 derrotas e 2 empates).

Manteve-se na Quarta Divisão em 1966, quando se licenciou do profissionalismo.

Aqui o time de 77:

Volta ao profissionalismo em 1986, jogando a Terceira Divisão e novamente terminando na sexta colocação.

Na Terceira Divisão de 1987, termina em terceiro lugar do grupo.

E em 1988, joga a Quarta Divisão, classificando-se em terceiro lugar para a segunda fase.

A segunda fase é um triangular de onde apenas um time se classifica e a vaga acaba com o Riolândia.

Em 1989, mais uma vez o Corinthians se classifica para a segunda fase, dessa vez em segundo lugar.

Mais uma vez o time foi mal no triangular da segunda fase:

E eis que chega o momento mágico do time: o ano de 1990! E a primeira fase é mais uma vez ultrapassada, com a seguinte campanha:

1º turno
18 de março: EC Corinthians 0x2 Palmeiras (Franca)
25 de março: São Simão 2×2 EC Corinthians
1º de abril: EC Corinthians 2×1 Ituveravense
8 de abril: Monte Azul 1×4 EC Corinthians
15 de abril: EC Corinthians 0x0 Severínia
22 de abril: Cravinhos 0x2 EC Corinthians
29 de abril: EC Corinthians 1×0 Estrela da Boa Vista
6 de maio: Palmeirinha (Porto Ferreira) 0x1 EC Corinthians
12 de maio: Palmeiras (Franca) 3×1 EC Corinthians
20 de maio: EC Corinthians 1×1 São Simão
27 de maio: Ituveravense 0x1 EC Corinthians
3 de junho: EC Corinthians 1×0 Monte Azul
17 de junho: Severínia 0x0 EC Corinthians
24 de junho: EC Corinthians 2×0 Cravinhos
1 de julho: Estrela da Boa Vista 0x0 EC Corinthians
8 de julho: EC Corinthians 0x0 Palmeirinha (Porto Ferreira)

2º turno:
22 de julho: EC Corinthians 2×0 Nevense
29 de julho: José Bonifácio FC 0x4 EC Corinthians
5 de agosto: EC Corinthians 4×0 São Paulo (Avaré)
12 de agosto: Guariba 1×3 EC Corinthians
19 de agosto: EC Corinthians 1×0 Ranchariense
26 de agosto: Andradina FC 0x1 EC Corinthians
9 de setembro: Nevense 2×0 EC Corinthians
16 de setembro: EC Corinthians 3×0 José Bonifácio EC
23 de setembro: São Paulo (Avaré) 0x2 EC Corinthians
30 de setembro: EC Corinthians 4×0 Guariba
7 de outubro: Ranchariense 2×1 EC Corinthians
14 de outubro: EC Corinthians 2×0 Andradina FC

A segunda fase foi um quadrangular e o EC Corinthians terminou como líder, com a seguinte campanha:

11 de novembro: Palmeirinha (Porto Ferreira) 0x2 EC Corinthians
15 de novembro: EC Corinthians 3×2 Monte Azul
18 de novembro: São Paulo (Avaré) 1×0 EC Corinthians
24 de novembro: EC Corinthians 2×0 São Paulo Avaré)
2 de dezembro: Monte Azul 0x0 EC Corinthians
9 de dezembro: EC Corinthians 2×1 Palmeirinha (Porto Ferreira)

O Campeonato daquele ano não teve final, foram somados os pontos das duas fases e o líder (o EC Corinthians) sagrou-se campeão

Aí está o time campeão!

Com o título, em 1991 voltou para a Terceira Divisão, mas a diferença de nível técnico ficou clara e o time terminou em último lugar.

Por fim, faz sua última participação na Terceira Divisão em 1992, com uma campanha mediana, abandonando o profissionalismo.

Em 1994, até se anima para voltar ao profissional, mas desiste da 4a divisão antes do início do campeonato deixando o Estádio Municipal José Francisco Abegão com suas portas abertas apenas ao futebol amador…

Os bancos de reserva…

E aí, a visão do meio campo:

O gol da direita:

E o gol da esquerda:

E a linda (e receptiva) arquibancada:

A arquibancada coberta:

Sempre bom reforçar quando temos arquibancada atrás do gol.

E o grande charme do dia: a coruja que vive em pleno campo!

Um último registro do campo e….

Calmaaaa! Antes de nos despedirmos de Presidente Venceslau, vale a menção a um terceiro time que embora não tenha chegado ao profissional, mexeu com a cidade nos anos 60: a Sociedade Esportiva Mariana.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

Rolê Independência & Bola! Estádio em Orlândia (Parte 11 de 21)

E lá vamos nós!

Depois de registrar os estádios de Pirassununga, Descalvado, Santa Rita do Passa Quatro, Tambaú, Santa Rosa de Viterbo, Santa Cruz das Palmeiras, Vargem Grande do Sul, São José do Rio Pardo, Cajuru e Batatais, agora é a hora de conhecer à triste história do futebol na cidade de Orlândia, que já foi a capital paulista do futsal!

Orlândia

A cidade viveu dias de glória com o futebol e o futsal. Mas, nem mesmo com muita reza na Paróquia São José, as coisas se sustentaram 🙁

Paróquia São José - Orlândia

A cidade de Orlândia fazia parte de Batatais até 1890, e sua história tem muito a ver com a produção agrícola da cidade e com o fato da Cia Mogiana de Estradas de Ferro permitirem seu escoamento para outros mercados.

estação de trem de Orlandia - Cia Mogiana de Estradas de Ferro

A cidade foi planejada para colaborar com a circulação dentro dela, por isso, existem várias avenidas largas, nem sempre comuns nas cidades do interior.

Orlândia

E é possível encontrar diversas lembranças arquitetônicas do passado da cidade!

Orlândia

E aí você se pergunta: Por que estávamos em Orlândia? Simples, por causa da Associação Atlética Orlândia.

A Associação Atlética Orlândia foi fundada em 5 de Maio de 1920 e mandava os seus jogos no Estádio Municipal Virgílio Ferreira Jorge, o “Virgilhão”.

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Essa já não é a atual cara da entrada do estádio (e aí começamos a desenrolar a triste história do futebol local). Se você for até lá hoje, encontrará a seguinte imagem:

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Pois é, já não tem a placa indicando o nome do Estádio e nem sequer uma entrada… Está tudo bem fechado. E o motivo? R$ 3 milhões de motivos… Que fizeram o terreno ser agora da propriedade do Grupo Colorado.

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Pra quem não conhece a história de sucesso do time local, vale lembrar que a AA Orlândia disputou 27 Campeonatos Paulistas entre a A2 (de 1949 a 52, 1967, 1969, de 1971 a 74, 1976, de 1982 a 84 e 1986). E pela terceirona, foram 11 disputas (de 1961 a 66 e depois de 1977 a 1981).

Um pouco do registro fotográfico desses times encontra-se em fotos aqui e acolá distribuídas pela Internet, a começar por um time da década de 60 (que tinha no gol, Carlão, que jogou aqui no Santo André, também):

Associação Atlética Orlândia

Olha o Carlão em uma bela imagem da época:

Carlão - Orlandia

Essas são do site do Milton Neves, da seção “Que fim levou”. O jogador em destaque é José Augusto Lopes da Silva, o Zé Augusto (ou Guto).

AA Orlândia
AA Orlândia

É , a AA Orlândia tem mesmo um passado glorioso, com destaque para o título do Torneio Matheus Marinelli, de 1982 e o título de 1994, da Quinta Divisão (campanha abaixo):

O campeonato foi decidido em um hexagonal final e a AA Orlânidia sagrou-se campeã!

Mas, seu presente é uma lacuna…

Estádio Virgílio Ferreira Jorge

Logo após o título de 1994, o clube se licenciou e hoje, o estádio aguarda o início de sua demolição… Que tal uma espiada?

Ao fotografar o lado externo fomos orientados por um morador que evitasse demonstrar muito interesse, porque segundo ele, a Polícia Militar e a segurança privada do local costumava ser um tanto rígida ao não permitir qualquer registro sobre o local.

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Respeitamos o conselho e obviamente não adentramos à área do estádio, agora particular, mas pelo menos as fotos da bilheteria, foram feitas!

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia
Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Decidimos dar uma volta ao redor do quarteirão para ver se ao menos alguma fresta permitiria um registro mínimo da parte interna do estádio.

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia
Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia
Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

E encontramos! Um furo no portão permitiu trazer luz a um dos campos mais misteriosos da atualidade. Ele segue lá! Mas… E aquele ônibus?? O que faz lá?

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

A arquibancada coberta resiste, como que implorando uma segunda chance…

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Encontrei uma foto que parece ser dessa mesma arquibancada, alguns anos atrás:

Estádio Virgilio Ferreira Jorge

Aqui, uma imagem do gol:

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

E consegui fazer uma foto dos fundos da arquibancada coberta.

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Ainda encontrei algumas imagens da parte de dentro do estádio:

Estádio Virgílio Ferreira Jorge

Mas o registro mais marcante é o que foi feito pelo artista Nuno Ramos, em sua performance “Placar final”, de 2007, que parecia antever um triste futuro da cidade, enterrando o futebol profissional…

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Orlandia
Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Orlandia
Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Orlandia

E além disso, contamos com a ajuda dos nossos amigos que seguem acompanhando o blog, e graças ao Naressi, torcedor do CAP (Pirassununguense) da Malucos do Vale, conseguimos algumas imagens internas:

Estádio Orlândia
Estádio Orlândia

Acho que mesmo sem conseguirmos entrar, deu pra ter uma ideia da grandiosidade do estádio e sua importância pro futebol local.

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Uma última olhada via buraco…

Estádio Virgílio Ferreira Jorge - Associação Atlética Orlândia - Orlândia

Ah, e pra quem se pergunta por quê a tristeza também no futsal, é que o time que outrora teve Falcão como principal jogador / embaixador, acabou vendo o final dessa parceria deixando a cidade órfã.

Em 2022, a Globo local fez uma matéria resgatando a história do time, vale assistir (é só clicar aqui!).

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

Tour interior paulista 2017 – Parte 3: Ibitinga

Ibitinga

Depois de passar por Bariri, a terceira parte do nosso rolê nos levou até Ibitinga, cidade onde vivem cerca de 50 mil habitantes, e que é bastante conhecida como a capital nacional dos bordados, tanto que em julho de 2017 acontecerá a 44a edição da feira do setor!

44a feira do bordado de ibitinga

A cidade ainda está cercada de natureza e acabamos ficando numa pousada no meio de toda essa vida!

Ibitinga
Ibitinga

Acordamos com o cantar do galo, e curtimos a neblina da manhã!

Ibitinga
Ibitinga

Chegamos na cidade bem no dia da festa da igreja local, em comemoração ao Corpus Christie.

Ibitinga - Festa Corpus Christi

Aí não teve outro jeito, se não… curtir a festa.

Ibitinga
Ibitinga

Com destaque para as deliciosas goiabas vendidas na rua, no meio de uma feira que oferecia de tudo!

Ibitinga - Goiabas

Sempre achei que já tinha ouvido falar de Ibitinga, e não achava que era por causa dos bordados. Só quando voltamos para Santo André é que lembrei da polêmica fonte restaurada! Por sorte, tinha tirado uma foto dela!

Ibitinga

Essa é a foto que compara como é e como ela era.

Fonte em ibitinga - antes e depois

Um outro registro importante que fizemos foi de algumas construções que mantém a arquitetura do início do século passado.

Ibitinga
Ibitinga

Essa era a antiga estação de trem da cidade:

Ibitinga

A noite fomos jantar na “La Bella Pizzaria”.

Ibitinga - La Bella Pizzaria
Ibitinga

Mas, nosso objetivo na cidade era conhecer a casa dos times locais, o Estádio Manoel Martins, onde o Americano e o Rio Branco mandaram seus jogos nas disputas oficiais da Federação Paulista de Futebol.

O Americano Esporte Clube participou de apenas um campeonato profissional estadual, a quarta divisão, em 1977, o ano de sua fundação.

Já o EC Rio Branco teve uma história mais completa, tendo iniciado no amadorismo e depois chegando a disputar as divisões de acesso até suspender as atividades por problemas financeiros.

Distintivo do EC Rio Branco de Ibitinga

Atualmente só o EC Rio Branco segue existindo, no futebol amador e ainda usando o Estádio Manoel Martins.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

O time entrou pra história ao se tornar campeão paulista da terceira divisão, em 1970. Na disputa, o time só perdeu uma partida (para o Nevense). Na final venceu o Sertãozinho por 2 a 0. Este foi o time campeão:

Time do Rio Branco de Ibitinga campeão da terceira divisão de 1970

Mas, a história do time é antiga. Foi fundado em 1926 como Rio Branco Futebol Clube, recebendo a atual denominação em 1946. É bacana ver o time ainda vivo, nos dias atuais. E claro, fica o sonho de ver o time de volta no profissionalismo…

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Outro time da cidade fez história nesse estádio, mas na disputa do amador. O América Esporte Clube conquistou o título do Campeonato de Futebol Amador do Interior, em 1950.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga
Estádio Manoel Martins - Ibitinga

O Rio Branco disputou 18 Campeonatos Paulista de Futebol, marca de respeito, que permanecerá imbatível por muito tempo na história de Ibitinga.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

O estádio segue lá…. Com suas bancadas esperando a volta da torcida…

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Fizemos um vídeo na parte interna do estádio, pra se ter uma melhor ideia de como ele é, dá uma olhada:

Com o título de 1970, o Rio Branco disputou a divisão de acesso para a elite do futebol paulista (equivalente a A-2 atual), mas no ano seguinte, afastou-se dos gramados.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga
Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Pausa para o momento “natureza” no estádio, com o pouso dos pássaros no alambrado.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Em 1976, o Rio Branco retornou aos gramados profissionais, na Terceira Divisão, e disputou mais 12 temporadas nos campeonatos da Federação Paulista de Futebol, quando finalmente licenciou-se até os dias atuais.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Restam a memória e as lembranças. E um estádio que já teve dias de glória, com a torcida fazendo parte integrante do dia a dia e da cultura da cidade.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Agora, o time sobrevive no amador, mas acredite, as dificuldades são maiores do que se pode pensar.

Em 2014, o vestiário do time foi incendiado, queimando boa parte de sua memória, incluindo troféus do passado…

Aparentemente, tudo já foi reformado e as coisas parecem seguir dentro do possível…

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Fica nossa esperança de que o time continue a existir, enfrentando todas as dificuldades que surgirem.

Estádio Manoel Martins - Ibitinga

Antes de seguir nossa viagem, também tivemos tempo para dar uma parada no Estádio Municipal de Ibitinga e registrar algumas imagens.

Estádio Municipal de Ibitinga - Nicolão
Estádio Municipal de Ibitinga - Nicolão

Não encontrei registro de partidas oficiais disputadas neste estádio, apenas amadoras. Mas fica um vídeo pra conhecermos também este estádio.

E nós, seguimos na estrada, dessa vez, indo até Novo Horizonte!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Salvar

Salvar

SalvarSalvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

]]>

O futebol profissional em Cerquilho

DSC00018

Mais uma vez na estrada, mais uma chance de conhecer uma nova cidade e um novo estádio. Dessa vez, fomos até Cerquilho!

DSC00002

A cidade fica há cerca de 140 km da capital e é a residência de quase 45 mil pessoas.

A cidade, embora próxima de São Paulo, ainda mantém seu ar de interior e os clássicos lugares, como a igreja central:

Fomos até lá pelas ótimas estradas paulistas! (comentário com cara de merchandising pró governo né? A gente não fecha nem apoia governo nenhum hehehe mas não se pode negar que as estradas do interior de São Paulo ajudam muito quem pode viajar no fim de semana).

DSC00024

E chegamos até Cerquilho para conhecer o Estádio onde a Associação Esportiva São José, o time local, mandou seus jogos nas duas disputas que fez pela Federação Paulista.

Fundado em 4 de outubro de 1926, o São José licenciou-se há tempos da Federação mas ainda mantém um belo clube social, e anexado a ele, seu antigo estádio.

DSC00005

Aqui, uma foto antiga da fachada, mas… ela parece diferente, com casas ao lado, quem saberia identificar?

DSC00007

A mídia dava boa atenção ao futebol do interior, como mostra essa singela nota da Gazeta Esportiva de 1958:

Pudemos adentrar ao campo e conhecer um pouco das arquibancadas do São José.

Veja só que linda arquibancada coberta!

15

O campo permanece muito bem cuidado.

DSC00009
DSC00010
DSC00011

Este é um lugar mágico, afinal, em 1966, o time desafiou as probabilidades e aventurou-se no futebol profissional.

DSC00013

Em 1966, a AE São José disputa a Terceira Divisão, o quarto nível do futebol paulista e logo em sua estreia fez uma boa campanha classificando-se para a segunda fase como vice-campeão do grupo.

Infelizmente na segunda fase, não sei qual o motivo levou o time do São José de Cerquilho a abandonar a competição:

Em 1967, mais uma boa campanha, mas apenas o campeão do grupo se classificava, então a segunda colocação acabou não adiantando muito. Aqui terminava a participação da AE São José no futebol profissional.

Mas, o campo, e o gol, ainda estão por lá!

DSC00014

Atualmente, a AE São José segue com atividades em sua sede, focadas nos esportes amadores.

6
4

Mais um estádio visitado, registrado e eternizado para a memória do futebol!

DSC00017

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>

Em busca do Estádio Perdido em Porto Ferreira – 2012

Ah, a estrada… Incrível como existem opções de fugir, de viver, de viajar…

Dessa vez, a tal estrada nos levou à cidade de Porto Ferreira, para enfim conhecermos o belo Estádio Municipal, conhecido como Vila Famosa.

É lá que a Sociedade Esportiva Palmeirinha manda seus jogos.

O Estádio pertence à prefeitura municipal e já teve capacidade para mais de 8 mil pessoas, atualmente esse número foi reduzido para 5 mil torcedores.

O estádio pode ser pequeno, mas faz questão de ressaltar o time em todos os espaços possíveis, coisa que é difícil de se ver em muitos estádios.

Assim como toda a cidade de Porto Ferreira, a região do Estádio é bastante arborizada.

Infelizmente, não encontramos ninguém pra conversar sobre o campo ou sobre o time, mas pesquisando, descobrimos uma história bem bacana. Mas antes, sente o clima do role:

Em 1991, o Palmeirinha convidou o Corinthians, para um amistoso. O jogo serviria de inauguração da iluminação do estádio.

O time do Corinthians vinha com o goleiro Ronaldo, o volante Ezequiel e o meia Neto e demais jogadores, mas não é que o Palmeirinha honrou a rivalidade e venceu por 1 a 0?

O sistema de iluminação segue por lá…

As arquibancadas totalmente old school também seguem firmes. Quase firmes… A espera de novos desafios e torcedores.

E como esse mundo do futebol é cheio de coincidências, além do time ter o nome do principal rival do Corinthians, ainda é sede do Centro de Formação Chelsea, time que possivelmente enfrentará o alvinegro paulistano no mundial de clubes.

A bilheteria também parece ter saudades dos dias em que disputavam-se os ingressos…

Para maiores informações sobre o time, visite: www.sepalmeirinha.com.br.

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

]]>