O acesso do União Suzano Atlético Clube (série B do Campeonato Paulista de 2021)

Tarde de sábado, 23 de outubro de 2021. Para a cidade de Suzano, a data tem que ficar marcada: dia histórico para o futebol local. É hora de decidir quem sai da série B e vai pra A3 de 2022. E a cidade entrou no clima!

O Estádio Municipal Francisco Marques Figueira, o tradicional Suzanão viveu o dia que sempre sonhou… Bexigas coloridas, batucada em frente à entrada e até um pessoal vendendo bandeiras do USAC

Até fila pro pessoal entrar, teve!

Normalmente faço questão de comprar meu ingresso, mas ao chegar fui informado que não haveria venda no dia, já que todos já haviam sido distribuídos durante a semana. Fiquei chateado em perder a viagem, mesmo vendo surgirem ingressos a todo instante… Falei com a pessoa que disseram ser a responsável e ela disse que não tinha o que fazer…

Quando já estava quase desistindo vi uma família com alguns ingressos na mão e perguntei se tinha algum sobrando e… Obrigado a vocês que me arrumaram o ingresso!

Agora a fila já não parecia tão divertida… O jogo começara e pelo barulho que eu ouvi enquanto apresentava a carteirinha de vacinação comprovando minhas duas doses, o time local havia inaugurado o placar. Só deu tempo de ver o fim da comemoração da torcida local! Depois pude ver o golaço do volante Tenner, aos dois minutos.

Há cerca de 2 anos estivemos no Estádio Municipal Francisco Marques Figueira, para acompanhar o clássico entre Santo André e São Caetano (o Brunão estava em reformas). Aproveitamos para contar um pouco da história do futebol profissional em Suzano. Veja aqui como foi!

Mas hoje, seria diferente. A cidade estava muito perto de ver o acesso do União Suzano Atlético Clube para a série A3 de 2022, e o desafiante seria o Grêmio Prudente!

Hora de registrar a presença em mais um momento marcante do futebol paulista. Perceba que este é o mesmo boné de nossa última visita hehehe…

O ingresso ganho era para a arquibancada descoberta, que tinha um público interessante, ainda que limitado pela pandemia. Só o sol forte das 15hs, mesmo com um céu encoberto de nuvens, é que incomodava um pouco.

Sol forte comemorado pelos vendedores de água que puderam acabar com o estoque (e nem tava tão cara, R$ 2).

Mas depois de tanto tempo sem assistir a um jogo no estádio, nem sol nem chuva chegam a atrapalhar

Do outro lado, nas cadeiras cobertas, vários convidados viam a mesma partida que a gente, mas na sombra.

O placar da partida de ida (3×2 para o USAC lá em Presidente Prudente) já tinha facilitado a vida para o time local, e o gol logo de cara, tirou qualquer emoção ou receio do acesso desde o princípio do jogo. E aos 27 minutos, o USAC ampliou, novamente com Tenner: 2×0.

Era só uma questão de tempo até a torcida de Suzano cair na festa! O USAC enfim deixaria a Bezinha pra trás!

Além do elenco, o principal responsável por tal feito é esse cara de calça jeans aí abaixo.

Trata-se de Ricardo Costa, que aos 40 anos estava prestes a conquistar seu quinto acesso (os 5 por clubes diferentes: Portuguesa Santista em 2016, EC São Bernardo em 2017, Marília em 2019 e São José em 2020) na tão temida “Bezinha”, o quarto nível do futebol paulista.

O que será que reserva a Ricardo Costa em 2022?

Com o acesso praticamente garantido, é hora de dar uma olhada no estádio e na torcida, que compareceu na medida do possível.

Tinha muita gente que é ligada ao futebol amador (campo e salão) da cidade.

Muitos apaixonados pelo futebol e que entenderam a importância desse acesso na vida do futebol em Suzano…

E o pessoal apaixonado, da “Torcida Javali“:

Pra piorar a situação dos visitantes, o Grêmio Prudente teve um jogador expulso após o segundo amarelo, aos 35 minutos ainda no primeiro tempo: Wallace voltou mais cedo pro vestiário.

O estádio também estava cheio dos “apaixonados” pela Bezinha: Mário Gonçalves (que acaba de lançar um livro sobre o SC Atibaia), o juventino Pucci, o “histórico” Milton e o Roberto, com sua camisa da Lusa:

E abraço pro amigo Genílton Lucas que também estava na torcida pelo USAC!

O pessoal do Jogos Perdidos também estava por lá, olha aí o Fernando fazendo suas incríveis fotos! Já já deve sair a matéria sobre o jogo!

Mesmo jogando com um a menos e perdendo por 2×0, o Grêmio Prudente terminou o primeiro tempo pressionando, mas nada que diminuísse a festa na torcida local!

Aliás, fica aí um salve especial ao pessoal da Torcida Javali, que fez a festa ficar mais animada!

Começa o segundo tempo e a torcida realmente não tem tempo de parar de comemorar…. aos 9 minutos USAC 3×0!!!!

O Estádio Municipal Francisco Marques Figueira tem capacidade para cerca de 4 mil torcedores, e tomara que na série A3, já totalmente livres da pandemia, possamos ver suas arquibancadas cheias!! O público anunciado foi de 717 pessoas.

E pra fechar com chave de ouro, já ouvindo alguns gritos de “olé”, aos 38 minutos veio o quarto gol, do atacante com nome de craque: Romário deu números finais à partida: USAC 4×0 Grêmio Prudente. Aí foi só fazer a bola rolar até esperar o apito final.

O apito final foi comemorado como um gol!

E a festa mudou de lugar… Saiu das arquibancadas e foi para dentro do campo!

Agradeço aos deuses do futebol por poder participar como espectador. Hora de voltar para casa, com a cabeça cheia de memórias e imagens desse acesso!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O futebol profissional em Guararapes

Mais uma cidade que é pouco citada quando falamos de futebol, mas que tem grande história dentro das competições profissionais da Federação Paulista! Depois de passar por Monte Alto, Guariba, Bebedouro, Monte Azul Paulista, Severínia, Riolândia, Cardoso, Votuporanga, Fernandópolis, Palmeira d’Oeste, Aparecida d’Oeste, Ilha Solteira, Pereira Barreto, Auriflama e Araçatuba, vamos conhecer Guararapes, seu estádio e seus times de futebol!

Enquanto escrevo este post, passamos por uma semana super chuvosa dentro da primavera (já no fim de outubro de 2021) e fico lembrando da secura que estava esse dia que passamos por Guararapes… Até o céu parecia empoeirado…

Guararapes tem um nome curioso, que nasce de um vocábulo indígena que significa “o caminho dos lobos”. O nome só foi adotado a partir de 1934, mas a ocupação surgiu em 1908, com uma primeira família (“Pinto de Oliveira”) que adquiriu terras na localidade.

Aos poucos novas famílias foram chegando, impulsionadas pelo avanço da Estrada de Ferro Noroeste e com o surgimento da Estação Ferroviária.

A estrada que liga Araçatuba à Guararapes estava bastante florida!

A igreja no centro da cidade:

A cidade pode se honrar em ter um Estádio Muncipal de Beisebol, o “Wilton Motomatsu“.

Nosso objetivo em Guararapes era conhecer e registrar o Estádio Municipal Adelmo Almeida, a casa do futebol profissional (e do amador também) da cidade! Essa é uma das entradas do Estádio:

O Estádio atualmente está sem identificação, o que é uma pena…

Só o pessoal da pixação que tem identificado seus nomes ali na bilheteria…

Essa é outra entrada, no lado da arquibancada:

Não encontrei (ainda) um documento que comprove a data da inauguração do Estádio Municipal Adelmo Almeida, mas vários sites dizem que o Estádio foi “pensado” pelo próprio senhor Adelmo Almeida, quando ele esteve na inauguração do Estádio do Pacaembu (abril de 1940). Aqui uma imagem de quando o campo ganhou cara:

Aqui, a arquibancada antiga do estádio:

E aqui, quando seu primeiro cercamento de madeira foi construído:

O estádio tem capacidade para quase 5 mil torcedores. Essa é sua principal arquibancada!

Esse é o gol do lado esquerdo:

Esse é o gol do lado direito:

Embora muito bem cuidado, a seca machucou o gramado… Mas é sempre um lindo visual, ver um gol e a arquibancada ali ao lado…

Vamos dar uma volta por ele, pra você poder conhecer melhor o visual do Estádio Municipal Adelmo Almeida.

Esse é o outro lado (por onde entrei):

Ao fundo, o detalhe da cidade ainda bastante horizontal, sem nenhum prédio para romper o céu empoeirado…

A pedra fundamental do campo trazia apenas uma informação sobre a iluminação do Estádio.

Aqui dá pra ver melhor a arquibancada e ao meu lado o banco de reservas:

Aliás, a arquibancada possui ainda uma estrutura dedicada à imprensa, naquelas cabines amarelas.

O entorno do campo é bastante utilizado pelas pessoas que gostam de caminhar ou correr e possui lindas e frondosas árvores.

Para falar da história do futebol profissional em Guararapes é necessário lembrar a trajetória de 3 times. O primeiro deles é o Grêmio 8 de dezembro, que nasceu em 1962, com uma ligação tão forte com a cidade que seu distintivo era o brasão da cidade e seu nome a data da emancipação da cidade!

O Grêmio 8 de dezembro defendeu a cidade em 2 edições do Campeonato Paulista da Quarta Divisão: 1963 e 64. E nesses mesmos 2 Campeonatos, não é que a cidade teve um outro participante? Tratava-se da Sociedade Esportiva Palmeiras, fundada em 1956 por torcedores do verdão, e que justo naqueles 2 anos decidiu participar do profissional.

Aqui, a classificação dos times em 1963:

Aqui, a classificação dos times em 1964:

Após o campeonato de 1964, as duas equipes acabaram se licenciando e para o seu lugar, surge o Guararapes Esporte Clube.

O time era um resgate ao seu homônimo que surgira anos atrás, da fusão do Star Futebol Clube e da Associação Atlética Brasil. Mas essa primeira tentativa, que ocorreu em 1960 acabou não dando certo.

Assim, o “novo” Guararapes Esporte Clube foi fundado em 2 de dezembro de 1964, para dar sequência à história do futebol profissional na cidade, e em 1965 passa a disputar a Quarta Divisão, terminando o campeonato na 4a colocação do seu grupo (a 6a série):

Em 1966, o time foi melhor e classificou-se para a segunda fase em 3º lugar do seu grupo:

O Gurarapes EC acabou desclassificado na segunda fase, terminando na segunda colocação .

Infelizmente as duas participações do time na quarta divisão acabaram não gerando as condições de manter o time no profissional e o Guararapes EC acabou se licenciando e deixando a cidade sem representante no futebol profissional.

O resgate do futebol em Guararapes se daria apenas em 1981, com o retorno do Guararapes EC disputando a série A3 daquele ano. Essa foi a primeira fase:

E essa a classificação da segunda fase:

O Guararapes EC disputou a Terceira Divisão até 1992, quandio novamente se licenciou.

Destaque para a campanha de 1991, quando esteve a um passo da fase final que garantiria o acesso. O time começou bem e liderou a primeira fase (jogavam contra os times da sua série (G) e de outras três séries que completavam o Grupo IV).

A segunda fase era um quadrangular com times das outras séries que completavam o Grupo IV.

A terceira fase reunia os campeões dos grupos e o time do Guararapes EC acabou perdendo a classificação para a fase final ao empatar em casa com o São Caetano.

Navegando pela fanpage dos fãs do time encontrei várias fotos dos times que disputaram estes campeonatos, infelizmente muitas delas sem a data, mas vale a pena conferir:

O “Lobo guará” ainda tentou um retorno ao futebol, para disputar a Quinta Divisão do futebol paulista (na época a série B2) de 1999 e a de 2000, mas… Aquele seria o último respiro do futebol profissional em Guararapes…

O urubu nas cabines mantém seu olhar para o campo, como se algo ali tivesse morrido… Será?

Uma cidade importante… Uma história tão rica no futebol… Será mesmo que nunca mais veremos o Guararapes EC em campo?

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

As Mil Camisas de volta à Araçatuba!

Dando sequência ao nosso rolê que já passou por Monte Alto, Guariba, Bebedouro, Monte Azul Paulista, Severínia, Riolândia, Cardoso, Votuporanga, Fernandópolis, Palmeira d’Oeste, Aparecida d’Oeste,Ilha Solteira, Pereira Barreto e Auriflama, chegamos mais uma vez à Araçatuba!

Já estivemos por lá, registrando o Estádio Municipal Adhemar de Barros em 2013. Veja aqui como foi.

O tempo passa rápido demais… Esse rolê anterior foi há quase 10 anos… Por isso, corra atrás dos seus sonhos hoje, não deixe para amanhã…

O Estádio Municipal Adhemar de Barros foi inaugurado em 1940 e finalizado em 1942.

Atualmente, o Adhemar de Barros tem capacidade para 15 mil torcedores.

E aí estamos nós, mais uma vez em frente ao Estádio Municipal Adhemar de Barros…

O futebol em Araçatuba é muito rico, tem muita história! Podemos dizer que um dos seus embriões foi o time da Associação Atlética Assistência, fundada em 8 de Outubro de 1945. O distintivo abaixo veio do incrível site Escudos Gino.

O time disputou uma série de competições amadoras, essa é uma foto do time de 54:

E esse, o de 1957:

Mas em 1964, o AA Assistência desafia o impossível e fez sua estreia no profissional com sua única participação na Quarta Divisão do futebol paulista.

E até que fez uma boa campanha, terminando empatado com o terceiro colocado (classificavam apenas duas equipes pra próxima fase) como se pode ver na classificação (todos os dados que você verá nesse post, eu peguei no incrível livro “A enciclopédia do futebol paulista“):

Porém, mesmo tendo sido fundado alguns anos depois, um outro time local fez sua estreia no profissionalismo antes mesmo da AA Assistência: o São Paulo FC!

O São Paulo de Araçatuba foi fundado em 1948, como homenagem ao homônimo da capital, que venceu um torneio realizado na cidade com o “trio de ferro” paulistano e tornou-se um dos times mais tradicionais da região, estreando na segunda divisão (a atual A2) de 1948 (que teve o XV de Piracicaba como campeão).

Esse foi o time de 1948 (da sessão “Que fim levou” do site do Terceiro Tempo de Milton Neves):

Aliás, no grande portal de Milton Neves existe uma foto bastante curiosa, que é apresentada como sendo de 1947…. Embora oficialmente o time tenha sido fundado em 1948:

O São Paulo FC de Araçatuba participou de outras 5 edições da Segunda Divisão de 1949 a 1953, sempre com campanhas medianas, com exceção de 1952, quando classificou-se para a segunda fase (jogando o segundo grupo).

Em 1949 o São Paulo FC se fundiu com o Clube Atlético Araçatuba, um forte time amador da cidade, fundado em 1943 e que havia disputado o Campeonato do Interior em 1945.

Mas apenas em janeiro de 1954 decidem dar um novo nome ao time que surgiu dessa fusão e assim, nasce o Araçatuba EC, (distintivo vindo do site Escudos Gino):

Vale reforçar que em 1962, o tricolor de Araçatuba ainda retornaria ao profissionalismo para disputar a Quarta Divisão daquele ano e a de 63, ambas sem grandes resultados.

Se você quiser uma camisa retrô do Araçatuba EC, visite o site Só Futebol e adquira a sua!

O Araçatuba EC disputou a Segunda Divisão de 1954 e 55. A melhor campanha foi no ano de estreia, em 1954, quando classificou-se para a fase final:

A cidade não podia ficar sem futebol e com o licenciamento do Araçatuba EC, em 1956 surge mais um time: o CA Flamengo. Mais uma vez o distintivo veio do site Escudos Gino:

Ah, e você também acha a camisa do CA Flamengo de Araçatuba no site Só futebol (basta clicar aqui):

O Clube Atlético Flamengo disputou a Terceira Divisão de 1957 e teve uma excelente campanha, conquistando o acesso para a Segunda Divisão de 1958, a qual disputou apenas 7 jogos antes de abandonar o campeonato sabe se lá porque…

Aqui a campanha da primeira fase de 1957, quando jogou o grupo da “série 2“:

E aqui a fase final, onde jogando o grupo 2 terminou em segundo lugar, não conquistando vaga para a final, mas subindo para a segunda divisão de 1958.

Em 1963, surge o Clube Atlético Ferroviário para dar sequência à tradição de times profissionais de Araçatuba.

O “Ferrinho“, também começou como amador, mas logo contou com o apoio da cidade e até da prefeitura para disputar o profissional, estreando em 1964 na Quarta Divisão, onde ficou até 1966, quando sagrou-se campeão!

Essa foi a campanha da primeira fase:

Na segunda fase, integrou o grupo da 6a série e classificou-se em primeiro!

Teve até celebração do “título da série“.

E se já teve festa para a conquista da série, imagina como ficou a cidade com o título paulista da 4a divisão

O acesso seria para a Terceira Divisão, mas o CA Ferroviário acabou convidado para disputar a Segunda Divisão (na época, chamada de “Primeira“, enquanto a Primeira era a “Especial“), e assim, o Ferrinho fez história disputando o segundo nível em 1967, exigindo até que o estádio passasse por uma grande remodelação para receber a competição.

O time chega a se classificar para a etapa final, mas sem conseguir chegar à elite estadual. Aqui, a tabela final da primeira fase, jogando o Grupo A “Doutor José Ermírio de Moraes Filho“.

E aqui, o quadrangular final, que terminou com os 3 primeiros colocados empatados exigindo um “supercampeonato” para definição do campeão (o XV de Piracicaba):

Em 1968, o CA Ferroviário novamente disputa o segundo nível do futebol paulista, com uma campanha mediana e em 1969, abandona a disputa e é substituído pelo Araçatuba FC. Distintivo do site História do Futebol:

O Araçatuba FC fora fundado um ano antes, em 1968, e disputou a Segunda Divisão de 1969 a 71, sempre com campanhas bastante fracas, ocupando as últimas posições do seu grupo, como foi o caso de sua última participação, jogando o grupo “Arthur Friedenreich“:

Com tantas más campanhas, o Araçatuba FC acaba fechando suas portas. Mas… não a cidade não ficaria sem um time profissional: para a disputa do campeonato da segunda divisão de 1972, o Esporte Clube Tião Maia, time do frigorífico de mesmo nome, fundado em 9 de abril de 1959 decide se profissionalizar e cumprir a tarefa de dar continuidade à história da cidade!

Porém, o “T. Maia”, como era conhecido, disputou apenas o Campeonato da Segunda Divisão em 1972 e logo na sequência foi extinto.

O criador do time foi Sebastião Ferreira Maia, conhecido como Tião Maia, gaúcho de Passos, um empresário, proprietário rural e pecuarista que veio a falecer aos 89 anos.

E ainda em 1972, no dia 15 de dezembro, surge o time que teria a maior participação nos campeonatos da Federação Paulista: aAssociação Esportiva Araçatuba!

A “AEA” estreou na segunda divisão de 1973, com uma campanha indiscutível: sagrou-se campeã em seu primeiro ano de existência!

Mas… Nem sempre tudo são flores… De 1972 até 1975, os clubes da Primeira Divisão deram uma forçada na barra e conseguiram que a Federação suspendesse a “Lei do Acesso“, ou seja… mesmo com a linda campanha abaixo, o time manteve-se na Segunda Divisão até 1991…

A segunda fase:

E a fase final:

Outras formações do AEA:

Depois de vários anos de disputa, finalmente veio o acesso com o Bicampeonato da Segunda Divisão de 1991. Olha aí a campanha:

A segunda fase:

E o quadrangular final:

Quando a AE Araçatuba parecia que ia engrenar na primeira divisão, veio a reorganização no futebol paulista, levando nada menos que 14 times da primeira divisão para a então criada “Série A2 de 1994“, selando assim seu rebaixamento, mesmo terminando a A1 de 1993 em 8º lugar de seu grupo.

Mas o AEA mostraria sua força com a conquista do Tricampeonato da A2, retornando à série A1 já para o campeonato de 1995. Veja como foi sua campanha em 1994:

A A.E. Araçatuba permaneceu na série A1 de 1995 até o ano 2000, quando foi rebaixado para a A2. Naquele ano, o time acabou prejudicado por perder 20 pontos no STJD devido à utilização de atletas irregulares, mas a crise começava a se agravar, leia aqui uma matéria da Folha de SP falando sobre esse tema.

Jogou a A2 de 2001 e em 2002, quando caiu para a A3, em último lugar.

Jogou a A3 de 2003 e retornou à A2, ficando ali até 06, quando retornou para a A3. Mas a partir daí tudo estava muito difícil… A AEA disputou a A3 de 2007 e acabou se licenciando.

Em 2012, o time volta na Quarta Divisão, disputando a competição também em 2013, 16 (com o time abaixo) e 2020.

E se você acha que o futebol de Araçatuba termina por aí, espera que falta o último capítulo, com o Atlético Esportivo Araçatuba (“Outro AEA“?? – você pode perguntar)

O clube nasceu em 5 de outubro de 2002, com a mesma cara do tradicional AEA e com o apelido de Tigrão no lugar do canário. E o que se comenta é que o time teria nascido para substituir o AEA original naquela tradicional manobra de “mudar o nome para esquecer as dívidas (que na época já ultrapassavam os R$ 4 milhões)” e que em 2005 o Atlético disputasse a A2 no lugar do AEA, mas, a Federação Paulista de Futebol não aceitou a troca e assim, o Atlético Esportivo Araçatuba decidiu disputar a Quarta Divisão. O Atlético disputa a Quarta Divisão até 2009, quando o “Tigrão da Noroeste” consegue o acesso para a Série A3 de 2010 com o vice campeonato. E por uma grande coincidência, nós estávamos lá no jogo do acesso! Confira aqui como foi e veja abaixo o gol do Atlético!

Esse foi o time de 2009, campe˜ão:

Após sua estreia na A3, o Atlético Araçatuba se licenciou em 2011 e só voltou em 2016, mais uma vez na Segunda Divisão e pode pela primeira vez fazer o Dérby de Araçatuba, contra a AEA.

Mas a cidade parecia pequena demais para os dois AEA‘s e em 2018, o Atlético mudou sua sede para Andradina e se inscreveu na Segunda Divisão com o nome de Andradina Esporte Clube, terminando assim sua ligação com a cidade.

Ufa…. Depois de tantos times, em 2021, não houve representantes da cidade nas competições oficiais da Federação, por isso…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Os 40 anos da TUDA

17 de outubro de 2021. Interrompemos essa série de posts sobre o interior de São Paulo para registrar um ato de celebração dos 40 anos da Torcida Uniformizada Dragão Andreense, a TUDA.

Em pleno Estádio Bruno José Daniel ocorreu um ato simbólico realizado por outros torcedores (como nós) e pelo pessoal do “Acervo – Torcida Santo André” (que reúne imagens e vídeos históricos sobre a torcida do Santo André) para entregar à torcida duas bandeiras utilizadas nos anos 80 que foram reformadas e novamente estarão presentes nos Estádios!

Mesmo em uma tarde chuvosa, o pessoal se reuniu no Estádio do Ramalhão para celebrar os 41 anos e receber as duas bandeiras.

Aqui uma imagem dos anos 80 onde se podem ver as bandeiras nas arquibancadas do Brunão!

Antes de serem entregues, as bandeiras foram lavadas, secas e costuradas novamente!

E enfim puderam voltar ao Estádio!

Até o Diário do Grande ABC esteve presente ao Estádio Municipal Bruno José Daniel para registrar o ato (confira aqui a matéria do Diário!)

O Acervo – Torcidas de Santo André, principal responsável pela restauração, é um projeto que tem como foco recordar momentos dos apoiadores do EC Santo André.

E eu aproveitei para registrar o atual estado do nosso futuro gramado sintético…

O Quero quero segue presente no Brunão, botando seus ovos nos pequenos espaços onde ainda há grama! A natureza não desiste fácil!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O futebol profissional em Auriflama!

Quem diria que um dia eu poderia conhecer a casa de um time que sempre me chamou a atenção pelo seu nome (ou pela sigla), o SOREA! E eis que após registar o estádio de Monte Alto, Guariba, Bebedouro, Monte Azul Paulista, Severínia, Riolândia, Cardoso, Votuporanga, Fernandópolis, Palmeira d’Oeste, Aparecida d’Oeste, Ilha Solteira e Pereira Barreto, enfim chegamos à cidade de Auriflama!

Faltou a tradicional foto da entrada da cidade, mas não é problema, taí uma feita por outro pessoal (fonte: site Mapio):

Auriflama é mais um caso de cidade que se formou recentemente. Ainda nos anos 30, não passava de um aglomerado de casas no entorno de onde vivia João Pacheco de Lima, dando origem à Vila Pacheco. Aos poucos surge um novo vilarejo, denominado Vila Áurea (em homenagem à filha do Pacheco) e em 1944, a Vila se transformou na “chama de ouro”, ou simplesmente Auriflama, que seria emancipada em 1953.

E logo o futebol faria parte da vida social e esportiva da cidade. Segundo o amigo Ademir José Torchetti, o primeiro espaço importante do futebol em Auriflama foi o antigo “Campo Municipal“, que chegou a ter uma cerca de tábuas em torno dele (uma tradição antiga nos estádios brasileiros), mas que não tinha arquibancadas. Seu vestiário era de madeira e o chuveiro daqueles canos de agua fria.

Foi nesse campo que o futebol profissional teria chegado à cidade, com o SOREA, a Sociedade Recreativa Auriflama.

O SOREA foi fundado em 12 de outubro de 1955 e estreou na 4a divisão em 1962 e fez uma campanha bastante irregular, classificando-se para a próxima fase, mas abandonando a competição…

O SOREA voltou a disputar a 4a divis˜ão em 1965, na 3a série, numa campanha melhor, mas ainda na parte de baixo da tabela, com apenas uma vitória e dois empates.

Com as duas más campanhas, o time acabou se licenciando e só voltou a disputar o Campeonato Paulista na 3a divisão, em 1981, já no Estádio Municipal “Geraldo Secco”.

O SOREA permaneceu na terceira divisão até 1986, quando novamente se licenciou para retornar apenas em 1991 na disputa do seletivo para o Campeonato Paulista da Quarta Divisão. Depois dessa disputa, o SOREA encerrou sua participação no profissionalismo, limitando-se à competições amadoras.

Com o fim do time surgiu o Guarani que disputou apenas as competições amadoras da região.

Entretanto, em 2016 surge um novo SOREA para disputa da 1ª Taça Paulista, organizada pela Liga de Futebol Paulista.

Em nossa visita à cidade não pudemos registrar o antigo estádio que já não existe mais, mas tivemos a oportunidade de fazer umas fotos do Estádio Municipal “Geraldo Secco”.

O site da prefeitura apresenta uma linda foto aérea do estádio:

No começo, parecia que não seria possível adentrar ao Estádio Municipal “Geraldo Secco”

Mas, com certo esforço a gente sempre dá um jeito de estar próximo do campo para conhecer seu detalhes. Aqui, uma foto feita da arquibancada atrás do gol:

Essa é a arquibancada atrás do gol.

Ao lado do campo, ainda temos uma arquibancada menor, coberta e muito charmosa!

Na outra lateral, ainda temos espaço para um eventual crescimento, quem sabe com mais uma arquibancada, quando o SOREA chegar à série A1. E o impossível não existe no futebol, antes que você pense qualquer coisa…

Aqui um vídeo feito já do lado de dentro do campo:

Auriflama também estava super seca no dia da nossa visita, mas o campo está sendo bem cuidado.

E olha que lindas as árvores ali ao fundo, dando um cuidado com o aspecto de sustentabilidade, que muitas vezes é completamente esquecido pelos times. Dá até a impressão de que seja feio ter árvores dentro de um estádio…

Até palmeiras embelezam o Estádio Municipal “Geraldo Secco”:

Esse marco dentro do campo mostra que o estádio foi construído em 1980, e foi daí que eu percebi que para a disputa dos campeonatos dos anos 60 o SOREA usou outro estádio, o tal antigo Campo Municipal.

Com nossa missão cumprida, dá tempo de um último olhar no campo e me voltar à estrada.

A caminho de Araçatuba, cruzamos com um rio Tietê lindo, limpo e inspirador…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O futebol profissional em Pereira Barreto!

Já no caminho de volta para o ABC, depois de registrar um pouco da história e do futebol de Monte Alto, Guariba, Bebedouro, Monte Azul Paulista, Severínia, Riolândia, Cardoso, Votuporanga, Fernandópolis, Palmeira d’Oeste, Aparecida d’Oeste e Ilha Solteira, fomos conhecer a cidade que é considerada a “Meca” dos pescadores paulistas: Pereira Barreto, que fica pouco antes do rio Tietê encontrar o rio Paraná!

Porém, pouco antes de adentrar a cidade, uma imagem chama a atenção: o canal artificial “Deoclécio Bispo dos Santos“construído na década de 80 e que interliga os reservatórios de Três Irmãos e de Ilha Solteira permitindo a navegação e a geração de energia integrada dos dois rios. É o segundo maior canal artificial de água doce do mundo (só perde pro canal de Suez, no Egito), com 9.600 m de comprimento e 50 m de largura.


Pereira Barreto é um nome tradicional para quem mora no ABC: é a principal avenida que liga São Bernardo e Santo André. Já a cidade, foi fundada oficialmente, em 11 de agosto de 1928, com o nome de Novo Oriente, já que era parte dos planos da Sociedade Colonizadora do Brasil Ltda (BRATAC) para receber imigrantes japoneses para a lavoura. Em 1938, o então distrito de Novo Oriente foi elevado à categoria de município, e recebeu o nome de Pereira Barreto. Aqui, o monumento “Obelisco”, que fica próximo ao trevo da entrada da cidade, desenvolvido pelo artista Sarro, integrando as figuras de um pescador, um turista e um trabalhador.

Existe ainda um Monumento Alusivo ao Esporte, localizado na rotatória que liga as avenidas Jonas Alves de Mello e Humberto Liedtke:

Pereira Barreto ainda guarda fortes traços de seus fundadores, os imigrantes japoneses:

Até time de beisebol já existiu (e ainda existe) na cidade!

Destaque para o calor que estava fazendo aquele dia e para este singelo cupinzeiro (ou formigueiro…) que estava no nosso caminho…

Nosso objetivo em Pereira Barreto era registrar o Estádio Municipal “Joaquim Francisco Dias ‘Sabiá’ ”.

Sua bilheteria, um pouco mal cuidada, mas ainda de pé!

Uma pena não existir nenhum tipo de identificação com o nome do estádio…

O Estádio Municipal “Joaquim Francisco Dias” possui uma arquitetura bem única, como se pode ver:

Essa foi a casa dos 2 times da cidade nas aventuras de Pereira Barreto pelo futebol profissional. O mais antigo deles é o Esporte Clube XI de Agosto.

O Esporte Clube XI de Agosto foi fundado em 11 de agosto de 1963 e após amistosos e competições amadoras, estreou no profissionalismo em 1965 na 4a divisão, no grupo “3a série”, ao lado do Andradina FC, do CA Jalesense, do Mouran de Andradina, do SOREA (Auriflama) e da AE Aparecida, terminando em 4º lugar.

Jogou ainda mais uma edição da 4a divisão em 1966, no 7º grupo, terminando em último lugar o que levou o time a se licenciar por alguns anos.

O time só retornaria em 1973, na 3a divisão, jogando o grupo da Série C e amargando a última colocação.

Em 1974, o time estava inscrito, mas acabou desistindo de participar da 3a divisão e do futebol profissional até os dias de hoje. Ainda assim, o GRE Pereira Barreto siga existindo como clube, com sede social e até um campo de futebol próprio:

O outro time da cidade é o Grêmio Recreativo Esportivo Pereira Barreto, fundado em 25 de fevereiro de 1974. O distintivo abaixo veio do site “Escudos do mundo“:

O GRE Pereira Barreto surgiu para preencher o vazio deixado pelo EC XI de Agosto e estreou no Campeonato Paulista da 3a divisão em 1975, seguindo a sina do XI de Agosto e terminando em último lugar de um Campeonato que teve tantos problemas de regularização que a FPF declarou que não houve campeão naquele ano.

Em 1976, mais uma tentativa e… novo fracasso. Novamente termina em último lugar, fazendo com que mais uma vez o futebol profissional fosse abandonado pela cidade, o que dura até hoje.

Tristeza para a cidade, para a torcida e principalmente para o Estádio Municipal “Joaquim Francisco Dias ‘Sabiá’ ”, que nunca mais teve o sabor das disputas profissionais…

Para quem não teve a oportunidade de conhecer o estádio, aí está a foto do meio campo:

Aqui, o gol da esquerda (de quem olha do lado oposto ao da arquibancada):

E do gol do lado direito:

Um vídeo para uma visão mais ampla do estádio e do campo, principalmente. Pena que o vento atrapalhou tanto o áudio…:

O tempo seco e a falta de pintura, deram às fotos uma aspecto um tanto quanto desértico…

Ao fundo do gol, as casas da cidade. Percebe que não existe nenhum prédio nessa direção.

Mesmo seco, o gramado está bem cortado, mostrando que tem acontecido manutencão.

O que separa o campo da torcida é um alambrado simples, estilo Rua Javari.

Assim nos despedimos desse espaço tão importante!

Apenas o urubu dos estádio permanece no tórrido ambiente do Estádio Municipal e vamos para a estrada…

Uma paradinha pra olhar o rio…

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

O futebol profissional em Ilha Solteira

Depois de tanta estrada, finalmente chegamos na mais distante cidade deste rolê: Ilha Solteira!!

Segundo o Waze, daqui até Santo André, seriam 694 km… Bastava fazer o retorno ali a frente, já na cidade de Selvíria, no Mato Grosso do Sul.

Olha a placa aí da divisa já voltando no sentido de SP, enquanto isso, ali no canto direito superior, o gavião vai fazer um rolê pelo Mato Grosso do Sul

Agora, basta cruzar o lindo rio Paraná e começar a voltar…

Mas antes, vamos dar um pulinho em Ilha Solteira, depois de termos passado por Monte Alto, Guariba, Bebedouro, Monte Azul Paulista, Severínia, Riolândia, Cardoso, Votuporanga, Fernandópolis, Palmeira d’Oeste e Aparecida d’Oeste !

O nome da cidade vem de uma ilhota que fica ali solitária, em meio ao Rio Paraná. Essa que está no lado superior direito da foto.

Talvez fique mais fácil vê-la nessa foto do site “Visite Ilha Solteira” que incentiva o turismo para lá (aliás, se quiser saber mais, basta clicar aqui e acessar o site):

A cidade, que outrora pertenceu à Pereira Barreto, acabou ganhando importância com a construção da Usina Hidrelétrica (até seu brasão homenageia a “produção de energia elétrica”), iniciado em 1968 e que logo fez com que mais de 50 mil pessoas morassem ali. Após a construção, a cidade viu a população diminuir para 20.568 habitantes.

O visual da cidade é incrível, principalmente por conta do rio Paraná. Para quem não conhece, vale a pena a visita!

Ali of fundo a ilha que dá nome à cidade!

A cidade ainda trabalha pouco o seu potencial turístico, o local ainda é mais conhecido pelo pessoal que curte a pesca.


E não… Não invente de fazer graça, o risco está ali…

Mas a área urbana da cidade também é muito bem desenvolvida, com um comércio forte, ruas amplas e muita opção para quem mora ou visita a cidade. A gente almoçou por lá e foi bem legal!

Mas nosso grande objetivo era o de registrar uma cancha que sempre sonhei em conhecer: o Estádio Municipal Frei Arnaldo Castilho!!!

Uma entrada apenas “singela”, mas muito especial pra quem gosta de futebol.

A tradicional bilheteria!

E o brasão da cidade e …. não sei o que é esse da esquerda, você sabe?

O que importa é a gente registrar mais esse templo do futebol e, dentro dos nossos limites, relembrar principalmente para a população de Ilha Solteira a importância e o valor do Estádio Municipal Frei Arnaldo Castilho!

E essa importância é devida principalmente a dois times que desafiaram as dificuldades e as distâncias para trazer o futebol profissional para a cidade de Ilha Solteira. O primeiro é a Sociedade Esportiva Ilha Solteira, cujo distintivo veio lá do Escudos do Mundo Inteiro:

A Sociedade Esportiva Ilha Solteira foi fundada em 15 de setembro de 1970, e fez sua estreia no futebol profissional na Terceira Divisão de 1976 (na época chamada de Segunda Divisão, já que o primeiro nível era chamado de “Especial”), com esse time:

E olha que bela campanha fez em sua estreia. No primeiro turno ficou um ponto atrás do líder, o Dracena FC (que se classificou para a fase final):

Aliás, a classificação abaixo foi mais uma vez obtida no novo livro da Federação Paulista de Futebol, chamado “125 anos de história” (a venda pelo pessoal da Livraria Pontes):

E se você achou que o primeiro turno foi “sorte de principiante”, olha que linda campanha a SE Ilha Solteira fez no segundo turno.

Foram 6 vitórias e apenas 4 derrotas, uma pena que o time da A Cafelandense de Esportes estava inspirado…

A SE Ilha Solteira, também chamada de “SEIS” disputou o profissional até 1982, jogando em 1977 e 78 a “Segunda Divisão“, que equivalia ao quarto nível do estado, devido ao novo modelo de divisão adotado pela FPF: Especial (equivalia à 1ª), Intermediária (2ª), “Primeira” (3ª) e “Segunda” (4ª). Aqui a classificação de 1977, jogando a Série Manoel Nunes e terminando em 4º lugar no grupo.

Esse foi o time de 1977:

Em 1978, mais uma incrível campanha, terminando como vice campeão paulista da Segunda Divisão (o quarto nível), que foi se encerrar apenas em 1979. Essa foi a primeira fase, que terminou com a SE Ilha Solteira líder:

Os times classificados foram para o chamado “Grupo dos vencedores” e disputaram mais uma fase, onde a SE Ilha Solteira terminou em 3o lugar, mas garantindo sua classificação para o fase final de grupos:

Na fase final de grupos, jogando no Grupo I, a SE Ilha Solteira liderou e classificou-se para a final do campeonato, contra o líder do Grupo II, o EC Lemense!

As partidas finais foram dramáticas… Mas infelizmente, a SE Ilha Solteira perdeu o último e decisivo jogo para o EC Lemense!.

Embora o acesso oficial tenha sido conquistado pelo EC Lemense, a partir de 1979, a SE Ilha Solteira, volta a disputar o terceiro nível do futebol paulista, onde fica até 1982, quando se licencia para nunca mais voltar… Aqui o time de 1981:

Essa foi a campanha do último campeonato da SEIS:

Mas, assim como a noite nunca é eterna, a ausência do futebol profissional na cidade também viu raiar uma nova esperança nos anos 90, com o surgimento de um novo time: a Associação Esportiva Ilha Solteira

A Associação Esportiva Ilha Solteira foi fundada em 1 de dezembro de 1993 para dar sequência ao legado do futebol profissional na cidade.

Não só temos a camisa do time, como já escrevemos sobre ela e sobre o time (veja aqui!).

Além disso, a AE Ilha Solteira já nos fez perder uma viagem de mais de 500 km para ver um jogo e … o time não comparecer… Veja aqui como foi! Na foto abaixo, o time do Assisense à esquerda e à esquerda:

O time estreiou na 3ª divisão de 1994 (o quinto nível do futebol paulista daquele ano). Jogou ainda em 1995, 97, 99 e 2.000, e jogou a Segunda Divisão (a tradicional “bezinha”) de 2006 a 2010 e em 2013.

Esse é o time de 2008:

E esse o de 2013:

Bom, mas voltando ao palco onde esses dois times jogaram, vamos dar uma olhada na parte interna do estádio, começando pelo meio campo, com a arquibancada ao fundo.

Os bancos de reserva também estão ali!

Do mesmo ponto de vista, aqui está o gol da esquerda, que também possui uma bela arquibancada com vários degraus.

E aqui o gol da direita.

Somando todas as arquibancadas, a capacidade do Estádio Municipal Frei Arnaldo é de 5.540 torcedores.

O estádio fica um pouco afastado do centro da cidade, então dá pra ver que as arquibancadas convivem com as árvores ao seu redor:

Depois dessa visita, perdoamos o WO de 10 anos atrás…

A cidade já está há tempo demais sem ter um time disputando o profissional, vamos ver se a nossa visita dá sorte e em 2022 voltamos a ver o AEIS na Bezinha, para a alegria do gol!

E para a nossa alegria também!!

E vamos embora, felizes da vida, com mais essa aventura pra nossa carreira!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!