A estrela de 2004 – As aventuras do Ramalhão no Maracanã

EC Santo André - campeão da copa do Brasil 2004

Lá se vão 16 anos daquele 30 de junho de 2004… Um dia pra ser guardado eternamente nos corações e mentes de todos os torcedores do Ramalhão.

Preparamos dois presentes para essa data: um é este post, o outro é o clipe do Visitantes, que você vê em primeira mão:

Não sei quando foi que me dei conta de que o Santo André realmente estava na final da Copa do Brasil em 2004. Tantos desafios foram vencidos até ali, que eu já não sabia se aquilo tudo era apenas fruto da minha imaginação.

Final da Copa do Brasil 2004

Pra me deixar ainda mais confuso, acordei numa quarta feira, onde normalmente trabalho, e, pasmem, estava prestes a ir ao Estádio Mário Filho, o “Maracanã” acompanhar a final in loco, eu que nunca havia assistido a um jogo sequer ali…

Como não conseguimos ir com a torcida, numa última tentativa, ligamos no clube e conseguimos vagas no ônibus que estava fretado pela diretoria do Santo André.

Ainda duvidando da realidade, era por volta das 10 horas quando o amigo Márcio (esse que a gente homenageia no clip do Visitantes), junto do seu irmão Matheus e de Anderson, o “Gigante” começou a buzinar em frente de casa.

Ida ao maracanã

Fomos em carreata fazendo um auê até o Jaçatuba, de onde sairia nosso ônibus.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Após uma espera angustiante, a viagem enfim começou, e com ela, os causos contados pelos companheiros de viagem, sendo que alguns eram diretores do clube e se divertiam revelando fatos dos bastidores, enquanto tocava o hino do Santo André.

ônibus Santo André

Ônibus Santo André

Além do nosso veículo, ainda tinha um micro ônibus nos acompanhando levando outros amigos como o Luiz Henrique da Ramalhonautas (primeira torcida virtual do Ramalhão).

Por volta das 15:00hs, paramos num posto meia boca e fizemos uma boquinha.

Posto Gasolina

O ônibus volta ao seu percurso, sentado atrás da gente estava um diretor financeiro do Santo André e pouco mais à frente o Wigand, antigo presidente do clube, uma verdadeira lenda!

Onibus Copa do Brasil

Logo que chegamos ao estado do RJ, uma ótima notícia, nos encontraríamos com o time no hotel, e dali sairíamos juntos.

Adentramos na Serra das Araras e vejo o primeiro carro com bandeira do Flamengo. Começo a pensar que este será o jogo onde verei o maior número de torcedores rivais na minha vida… Não me abalo, estou confiante, e no fundo o placar em si, já nem me importa mais, quero só mostrar meu orgulho deste time, que acompanhamos há tanto tempo.

Estamos quase chegando na cidade do Rio de Janeiro. São 6 da tarde e percebo que pegaremos o horário do rush na Av. Brasil, o que nos atrasaria bastante.

Av Brasil - Rio de Janeiro

Um dos organizadores nos informa que não iremos mais pro hotel, e sim direto pro estádio, mas que teríamos escolta da polícia assim que chegássemos na cidade.

O motorista parece meio doido, corta boa parte do transito, faz um caminho louco, entra e sai de quebrada. O rádio informa que o movimento já é grande ao redor do Maracanã, também, pudera, já era 19:25hs.

Após muitas voltas, caímos em uma grande avenida, já abarrotada de flamenguistas, onde podemos visualizar o Maracanã ao horizonte.

Maracanã

Devemos estar uns 4 km longe, e a nossa frente… aquele trânsito…. Tinha muita gente indo pro jogo, muita mesmo.

Santo André x Flamengo - Copa do Brasil 2004 - Maracanã - RJ

De repente, o micro ônibus que estava com a gente parou e começou a sair uma nuvem de fumaça enorme… Alguém gritou: “Pára motorista!! O ônibus deles ta pegando fogo!!!!!!”.

Só depois percebemos que, na verdade, o pneu dele havia caído dentro de um bueiro, e acabou socorrido pelos torcedores ramalhinos com a ajuda de alguns flamenguistas…

A situação estava um caos, o ônibus não havia andado 500 metros nos últimos 20 minutos, mas de repente, como uma miragem no deserto, aparece o ônibus da delegação, com a escolta!

Mas… Nosso motorista vacilou e perdeu a chance de chegarmos mais rápido.

Santo André x Flamengo - Copa do Brasil 2004 - Maracanã - RJ

Agora somos nós contra 70 mil rubro-negros espalhados pelas ruas do bairro, e dá lhe arrastões, bondes, provocações com a gente, e muito vermelho e preto….

Justiça seja feita, em momento algum nos colocaram em situação de risco real.

Torcida do Flamengo

Era muita gente, e parecia que ninguém se movia, parecia um formigueiro humano…

Santo André x Flamengo - Copa do Brasil 2004 - Maracanã - RJ

Essa foto é incrível, veja a galera já reconhecendo a gente como torcida do Santo André: uns dão joia, outro arremessou um pedaço de gelo, e outros dois com as mãos à cabeça parecem se perguntar “O que esses loucos vieram fazer aqui???”:

Torcida Flamengo

Após mais de uma hora nesse inferno, chegamos em frente ao Maracanã, o massagista do time, que estava no nosso ônibus decidiu descer em meio à torcida deles pra não perder o jogo. Já era 20:40hs!

A foto não saiu “legível”, mas fiquei emocionado ao ver uma faixa que dizia algo como “A Torcida Banguense deseja sorte ao Santo André”.

torcida Bangú

Quando tudo parecia se acertar, o motorista fez merda de novo e perdemos o portão 13 que iria nos dar acesso aos nossos lugares…

A decisão mais acertada parece ser descer ali mesmo, em meio ao mar rubro negro. A galera começa a ficar nervosa… Alguns acham arriscado, mas o motorista se recuperou dos erros e dando uma ré no meio daquela loucura, o ônibus conseguiu entrar no estacionamento.

Descemos e a polícia chegou. Embora parecessem mais guardadores de carro do que policiais, e tivessem no máximo 20 anos, toparam nos guiar até as catracas passando pelo meio da torcida local.

Assim que retirei meu ingresso da catraca, já não havia mais nenhum policial conosco. A partir dali, era por nossa conta.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã

Subimos as escadarias do Maracanã com a galera cantando “Meeeengoooooooooo”… Era uma festa tão contagiante que até a gente tava cantando….

No momento em que chegamos no fim das escadarias, não acreditei no que via…

Pra quem gosta de futebol, não importa o time, aquela é uma visão maravilhosa: o Maracanã lotado, com muitas bandeiras, faixas, confetes, e tudo mais, além da vibração da galera…

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Não haveriam lugares separados para os torcedores paulistas, e nos pusemos a contornar o anel da arquibancada, buscando algum lugar ao menos pra sentar (tava muito lotado… aquele empurra empurra, gente indo, vindo…).

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Enquanto procurávamos um lugar falei pro meu pai “Hoje é histórico pra nós, mas é pra eles também…”.

Na mesma hora, o cara do meu lado virou pra mim e falou “Oh, tu é paulixxxta! Tu veio até aqui torcer pro Sant’André? Não vai querer gritar aqui hein…”.

Voltei à realidade… Estava em outro estado, no meio da maior torcida do país, indo torcer pro time contrário, e não podia sequer abrir a boca, que já me identificariam…

Encontramos uma seqüência de cadeiras vazias e sentamos. O pessoal do ônibus se separou e sentou por ali.

E não é que em meio aquela bagunça toda, alguns dos nossos torcedores começaram a gritar “É Santo André!!”… Virei pra conferir e estavam com as camisas do ramalhão, como se estivessem no Brunão, gritando. A torcida local começou a chiar, mas foi a loucura mesmo quando eles abriram uma faixa com uma mensagem pro Galvão. Voaram latas, sanduíches, chinelos e etc…

Quando o pior tava pra acontecer apareceu a polícia para tira-los de lá.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

O policial os convenceu a irem pras arquibancadas junto da TUDA e da Fúria (que estavam no anel inferior, atrás do gol).

Assim que eles sairam um flamenguitsa veio e gritou: “Aê, aê, é tudo paulixxxta aqui ó, é tudo paulixxxta” e nos apontou…

Assim que sentamos os jogadores já saíram da pose da tradicional foto do campeão e foram para o campo, pro jogo começar.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

O jogo rolava, e eu nem acompanhava direito de tantas coisas que tinham para ser obseravdas. Além disso, estava um jogo feio, truncado e quando eu comecei a querer assistir, alguém cutucou minhas costas, como que me chamando.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

A princípio achei que fossem torcedores nossos, mas de repente ouvi a mesma pessoa me perguntar “Olha só, o Filipe é qual número?”  Xi… fudeu… E era pra mim… Eu só tive tempo de responder num carioquês embrulhado “Ele é o déixxxx, mas jogava com a seixxxx”.  Não deu certo… Ficaram me enchendo o saco dizendo pra não torcer ou eu teria que sair dali …

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Lá embaixo a nossa galera se fazendo ouvir de tempos em tempos, mesmo com quase 80 mil torcedores gritando contra. A Fúria Andreense e a TUDA fizeram bonito aquela noite!

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Assim que acabou o primeiro tempo, veio o meu inferno.

O local onde estávamos era tipo “cadeiras cobertas” e o que separa este setor dos outros é uma placa de um tipo de acrílico com quase 2 metros de altura. E os caras começaram a bater naquela placa e fazer um puta barulho, e gritar “Olha aqui tem paulixxxta”…

Meu pai tranquilizava dizendo “Calma, que o jogo vai recomeçar e eles te esquecem”.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Mas o 2o tempo começou e os caras não parar. Pra tentar me livrar disso, pensei em sentar junto com o Márcio, o Matheus e o Anderson… Pô, os caras são grandes, duvido que alguém vai vir nos encher o saco!

Comecei a subir e pude ver que a situação não estava boa pra nenhum andreense… Tinha cara abraçado à bandeira do flamengo tentando se disfarçar, outros, nem bem me viam e diziam baixinho, “Sai fora, que aqui eles já tão desconfiados”.

Quando cheguei no Márcio, vi que nem lugar pra sentar tinha… Eu me sentia uma batata quente, que ninguém queria segurar. Era melhor voltar ao meu lugar.

Voltei e pensei num plano “B”: sentar sozinho no meio da torcida deles pra me misturar. E foi o que eu fiz, assim que o Flamengo teve um lance de ataque, desci uns 10 degraus e sentei na única cadeira livre (claro, assim que sentei percebi porque estava disponível… a cadeira estava molhada…).

Estava em meio a uma criança e um homem de uns 40 anos. Pensei: “aqui eu to tranqüilo”. Meti minha toca (num calor de uns 35 graus), abaixei a cabeça e fiquei o mais encolhido possível.

Foi assim, e desse lugar que vi o sonho se concretizar. O Santo André fez 1×0.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã  Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

O gol foi um soco no estômago na torcida rubro negra… Como não podia gritar pra comemorar, Márcio fez a primeira “selfie” dos anos 2000 pra registrar a alegria!

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

O tempo não passava direito, as coisas estavam cada vez mais tensas, e de repente… 2×0.

Pensei… “SOMOS CAMPEÕES!!!!!”, mas tudo o que pude dizer ao cara da cadeira ao lado foi “Que merrrrrda, hein merrrrmão”…

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Só fui ter consciência do que acontecia após uma cobrança de falta do Flamengo que foi uns 3 metros acima da trave. Levantei a cabeça e vi que muita gente tinha gente indo embora.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Priiiiiiiiiiiiiiii!!! Ouvi o apito final do juiz. Já dava pra desabafar e chorar um pouco…

Reunimos boa parte do pessoal que veio conosco e gritamos “É Campeão” sendo aplaudidos por alguns torcedores do Flamengo.

Lá embaixo nossa torcida ia ao delírio!

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

O time passou a fazer a festa em campo!

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio Maracanã

Os diretores começaram a pular para as cadeiras da imprensa, e nós fomos atrás, até chegarmos em um túnel que levava à porta de acesso aos vestiários. Um a um, os diretores foram entrando até que na nossa hora, o segurança pediu nossas identificações e … Fomos barrados…

Tentei me lamentar com outro segurança que me deu a dica: “Entra naquela segunda porta, que você sai no campo”.

Tinha certeza que era alguma armadilha, afinal de onde estávamos víamos muitos torcedores do Flamengo deixando o estádio, sem nenhuma proteção entre eles e a gente. Mas, como era a única coisa a se fazer naquele momento, decidimos arriscar… Andamos um pouco e de repente, para nosso espanto…

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã

Estávamos dentro do campo!!! Não consegui acreditar que entrávamos, sem qualquer impedimento no mais sagrado templo do futebol brasileiro.

Assim que entramos, os jogadores estavam rezando. Eu nem acreditava, e corri pra galera, pra tentar encontrar algum conhecido. Não conseguia enxergar direito e quase caí no fosso que separa a torcida do campo. Pude ver o Ovídio, o pessoal da Fúria, entre outros.

Quando voltei minhas atenções pro campo, vi o Márcio caído no gramado deitado e sorrindo.

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã

Aproveitamos pra pegar no pé de vários jornalistas que nunca acreditaram em nós.

Flamengo 0x2 Santo André - Copa do Brasil 2004

Depois, olho pro lado e vejo meu pai ajudando a carregar a taça pra dar a volta olímpica…

Flamengo 0x2 Santo André - Copa do Brasil 2004

Tiramos fotos em tudo que foi lugar, no gol, no meio das entrevistas da jovem pan, no banco de reservas, na cadeira da globo…

Flamengo 0x2 Santo André - Copa do Brasil 2004

Flamengo 0x2 Santo André - Copa do Brasil 2004

Comemoramos com a torcida, como se fizéssemos parte do time. Olhava o Maracanã de dentro pra fora, pisava na mesma ponta de grama onde Garrincha fizera história, lembrei do filme do Pelé, e imaginei quantas jogadas aquele lugar não presenciou…

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã

Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã  Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã  Flamengo x Santo André - Copa do Brasil 2004 - Estádio do Maracanã

Era quase uma festa particular, exclusiva para umas poucas pessoas, nunca mais esqueceríamos o que vivemos naqueles momentos.

Flamengo 0x2 Santo André - Copa do Brasil 2004

Pra acabar a noite, ainda fomos aos vestiários, conversamos com dirigentes, jogadores, tiramos fotos com o Chamusca, o Sérgio Soares, o Sandro Gaúcho, e até beijando a taça.

Péricle Chamusca - Santo André Campeão da Copa do Brasil 2004 - Maracanã

Santo André Campeão da Copa do Brasil 2004 - Maracanã

Santo André Campeão da Copa do Brasil 2004 - Maracanã

Santo André Campeão da Copa do Brasil 2004 - Maracanã

Meu pai agia como um jogador, bebia água, gatorade, deitava e relaxava nas cadeiras, só faltou tomar uma ducha e dar entrevistas.

Já era quase umas 2 da manhã, quando saímos por um portão lateral, e pra surpresa geral ainda havia alguns torcedores do flamengo, uns olhavam meio feio, outros queriam até trocar a camisa, mas nessa hora já não temíamos mais nada…

Subimos no ônibus, e cantamos até umas 3 ou 4 da manhã, quando paramos num posto. Após o posto, todos dormiram, satisfeitos, com o sabor de missão cumprida.

Só eu e meu pai ainda estávamos acordados (típico da nossa família), e chegamos praticamente destruídos de cansaço.

Era o fim de uma aventura e o início de uma nova era pra nós que acompanhamos o Santo André de perto há tanto tempo. Nada mais seria igual, nunca mais seríamos os mesmos. Só de olhar para o ingresso dá vontade de chorar…

Santo André Campeão da Copa do Brasil 2004 - Maracanã

O fim da história (se é que a história tem fim) nos levou da extrema felicidade à tristeza sem fim, quando o amigo Márcio, 7 meses depois faleceu em um acidente de moto, deixando as lembranças desse jogo como uma festa de despedida de uma amizade que tínhamos desde criança.

Esse post e o clipe são uma homenagem e lembrança ao nosso Ramalhão, mas sem dúvida, também é uma homenagem e lembrança a ele.

Márcio Fenício

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

The English Game – O início do futebol na Inglaterra

The English Game

Há algum tempo que eu vi a chamada dessa série, mas estava com medo de ser aquela coisa muito estereotipada… Mas, como a quarentena oferece um pouco mais de tempo pra se dedicar, decidi dar uma chance e não me arrependo!

The English Game

A surpresa foi positiva! Um bom painel histórico sobre o fim do século XIX, e como o futebol surge, ainda amador, no dia a dia das pessoas, sejam elas aristocratas burgueses, donos das indústrias ou operários da periferia inglesa, que viam no esporte uma das poucas alegrias da sua vida.

The English Game

São apenas 6 episódios que contam muito mais do que a história do jogo… O “heroi” local é o escocês Fergus Suter, que se transfere para jogar na Inglaterra, pelo time operário do Darwen.

The English Game

O Darwen é o primeiro clube de operários a chegar nas quartas de final e acaba desclassificado num jogo bem desleal. Mas… o futuro de Fergus guarda surpresas…

The English Game

Mas mais do que jogar a Copa da Inglaterra ele se envolve no dia a dia dos operários, nas greves e dificuldades enfrentadas… E como os times do norte passaram a se unir e a se identificar para vencer os times dos “almofadinhas”.

Enfim, sei que nem todo mundo tem acesso à Netflix, mas aquele que por acaso o tenha, não faça como eu, não postergue, comece a assistir hoje mesmo!

Veja aí o trailer:

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!!

O Estádio da Rua Brás Cubas, a casa do Primeiro de Maio FC

Distintivo do Primeiro de Maio FC

Dando sequência aos estádios do ABC, vamos falar do extinto Estádio do Primeiro de Maio FC (já falamos sobre o time, clique aqui pra ler), também conhecido como o Estádio da Rua Brás Cubas, na cidade de Santo André.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

Lembrando que o futebol do ABC tem outros times, estádios e histórias, caso queira conhecer mais, veja aqui o Mapa do Futebol no ABC, desenhado pelo Victor Nadal.

Pra falarmos do histórico Estádio da Rua Brás Cubas é preciso voltar à Santo André dos anos 20…

E pra isso, vamos contar com a ajuda do Grupo Santo André Ontem e Hoje, relembrando alguns visuais daquela época, como a “Venda da Menotta Domenica DellAntonia“, mãe de Pedro DellAntonia.

largo do Ipiranguinha, onde ficava a "Venda da Menotta Domenica DellAntonia", mãe de Pedro DellAntonia

Outro importante ponto da época era Fabrica Kowarick, onde hoje fica o Assaí atacadista.

Fabrica Kowarick,

Aquele era um tempo de grandes esperanças. Tudo era novo, o futuro estava a ser escrito e se as indústrias começaram a se tornar a principal característica da região.

Logo, os operários encontraram no futebol uma das formas preferidas de diversão e a cidade de Santo André via surgir grandes times, entre eles o Primeiro de Maio FC. Para quem se interessar, vale a leitura do livro “História do Futebol em Santo André” (clique aqui e compre na Estante Virtual):

Livro - História do Futebol em Santo André

E em 1º de maio de 1923, o Primeiro de Maio FC inaugurava o seu estádio, na Rua Brás Cubas, a poucos passos de onde hoje está a Catedral do Carmo, na época ainda em construção.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

Para maiores informações sobre o estádio e sobre o próprio time, recomendo outro livro: Os flechas Verdes (clique aqui e compre direto da estante virtual), escrito por Ademir Médici:

Livro - Os flechas Verdes - A história do 1o de maio FC

Para a inauguração, foi convidado o time do Paulistano, que na época era um baita time e foi muito legal em topar vir inaugurar o Estádio. Podiam ter pego mais leve no campo…. Venceram o jogo por sonoros 5×2. Essa é a foto do dia do jogo, do dois times juntos:

Estádio Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

As poucas fotos que consegui resgatar do Estádio da Rua Brás Cubas vem do livro do Ademir Medici e mostram ao fundo um centro de Santo André ainda bem diferente do que conhecemos atualmente.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

Poucas casas, no máximo uns sobrados. Os prédios ainda demorariam décadas até chegar a nossa cidade.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

A foto abaixo, de 1939, quando foi disputada uma partida em apoio às vítimas do terremoto no Chile.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

Além de ser usado pelo time principal, o campo também era usado em outros momentos pelos sócios do clube.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

O Primeiro de Maio FC não só fez história no futebol como viu a história da nossa cidade acabar com a natureza e também com o seu campo.

O centro ficou muito “urbano” para conter um estádio, e o futebol acabou deixando de ser uma prioridade para o clube.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

Mas a sede do Primeiro de Maio FC segue no centro da cidade, e pelo menos mantém na memória imagens como essas, que nunca…. nunca mais voltarão…

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

Enfim, com muita tristeza, num domingo, em 9 de junho de 1940, o Primeiro de Maio FC fez sua estreia no Campeonato Intermediário da Liga de Futebol do Estado de São Paulo, contra o time do Tramway da Cantareira FC (o “Estrada de Ferro Cantareira“).

AA Tramway Cantareira

O placar foi de festa! 5×2 para o Primeiro de Maio FC, para a festa da torcida, mas… Aquele ficaria marcado como o última ano do time no Estádio da Rua Brás Cubas… 17 anos de história que tiveram que dar lugar à expansão da cidade.

Ainda em 1940, em abril, já com a notícia certa da perda da área do estádio, o time recebeu o São Paulo e levou uma goleada de 8×0… Mas para não terminar a história no Estádio da Rua Brás Cubas de forma melancólica, o juvenil do Primeiro de Maio FC recebeu, em outubro, o Juventus da Mooca e deixou um 10×1 de presente. O campeonato daquele ano terminaria seria jogado no Estádio do Corinthians de Santo André.

Estádio da Rua Brás Cubas - Santo André - Primeiro de Maio FC

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Livro – História do Futebol Baiano (1905 – 2019)

Livro História do Futebol Baiano (1905 - 2019)

Pessoal, mais uma obra importante para os estudiosos da história, memória e dados do futebol.

Trata-se do livro “História do Campeonato Baiano 1905 – 2019“, do Júlio Bovi Diogo.

Livro História do Futebol Baiano (1905 - 2019)

Quem está organizando um grupo para uma nova impressão do livro é o Rodrigo. A ideia é fazer esse pedido de maneira coletiva e cooperativa, ou seja… Quem tiver interesse, escreve para ele no email: drigof1@hotmail.com , ou pelo WhatsApp: 043 98428-8784 e passa a fazer parte de uma “lista de espera”.

Assim que tiverem 20 interessados (o número mínimo para uma nova impressão), o pedido será feito e em torno de 30 dias você receberá a sua edição.

Com os custos de envio o livro deve sair em torno de R$ 55.

Livro História do Futebol Baiano (1905 - 2019)

O livro possui 250 páginas, realizado no formato A5 e conta com a lista de participantes, os resultados de todos os jogos e a classificação de cada campeonato, desde 1906.

Livro História do Futebol Baiano (1905 - 2019)

Tudo isso foi pesquisado com muito carinho e esforço pelo Júlio, um trabalho incrível que merece todo o reconhecimento daqueles que se envolvem com o futebol.

Repetindo, pra quem se interessar: escreva pro Rodrigo, no email: drigof1@hotmail.com, ou pelo WhatsApp: 043 98428-8784.

Livro História do Futebol Baiano (1905 - 2019)

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Visitantes tocando o hino do Santo André

Pra quem gosta da mistura de rock e futebol, segue o Hino do Ramalhão, versão Rock, tocado pela banda Visitantes, a banda rockeira do Ramalhão!

CANTE PRO TIME DA SUA CIDADE!!!

Postado em musica e futebol on 16 de junho de 2020 – 1:38 | Comentários (0)
Tagged , , |

Livro: História do Campeonato Cearense (1915 – 1985)

História do Campeonato Cearense - 1915 - 1985

Pessoal, enquanto aguardamos a passada da quarentena, segue mais uma sugestão de livro para se estudar um pouco da história do futebol brasileiro.

Dessa vez, o foco está fora do eixo Rio-SP. Trata-se do livro: História do Campeonato Cearense 1915 – 1985, contendo mais de 70% de fichas técnicas completas, equipes participantes, classificações, relação de artilheiros.

História do Campeonato Cearense 1915 - 1985

A obra foi feita por David Barboza, Eugênio Fonseca, Júlio Bovi Diogo e Rodolfo Pedro Stella Jr.

São 201 páginas, no formato A4 (21cm x 29,7 com) em três colunas.

História do Campeonato Cearense 1915 - 1985

Interessados entrar em contato com Júlio Diogo pelo email – juliodiogo@litoral.com.br ou whatsapp – (13) 99108 8457, são poucos exemplares, então caso tenha interesse, seja rápido!

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!

Os Estádios do Grêmio Mauaense e o futebol em Mauá

Seguimos registrando os estádios do ABC e hoje vamos falar dos que foram utilizados pelo Grêmio Esportivo Mauaense, na cidade de Mauá!

Estádio Municipal de Mauá - Pedro Benedetti

Mas o futebol do ABC tem outros times e outras histórias, caso queira conhecer mais, veja aqui o Mapa do Futebol no ABC, desenhado pelo Victor Nadal.

Distintivo do Grêmio Esportivo Mauaense

Para falar do Grêmio Mauaense é preciso contextualizar a cidade de Mauá, outrora um distrito de Santo André chamado “Pilar” (porque ficava no caminho que ligava São Bernardo à Igreja do Pilar, em Ribeirão Pires. E sim, esse caminho fazia parte do lendário Peabiru que chegava até o Perú…).

Igreja do Pilar - Ribeirão Pires

Embora possua uma grande área de mata Atlântica, a cidade não para de crescer, infelizmente muitas vezes com ocupações irregulares degradando o meio ambiente e a vida das pessoas.

Mauá

Atualmente, quase 500 mil pessoas vivam na cidade, e um terço da área é ocupado por indústrias, entre elas, importantes players do setor petroquímico, que contribuíram para diversos problemas de saúde na população local (veja aqui matéria sobre isso)…

Petroquímica Mauá

Além disso, como em outras regiões metropolitanas, tem muita gente vivendo em condições de pobreza e diversos problemas sociais, que contribuiram para que Mauá carregasse uma série de preconceitos e injustiças, como se a cidade e sua população se resumissem a esses problemas.

Mauá

Na minha visão, tudo isso fez com que a cidade criasse uma identidade própria, que acabou se transformando em cultura principalmente por meio da cena punk.

Vejamos por exemplo, a banda punk/Oi! Garotos Podres que transformou em orgulho a vida no subúrbio…

Em 1988, surge o Subviventes que transformou as noites de domingo de quem vivia no Sônia Maria (praticamente ao lado das chaminés da Petroquímica) em celebração da luta contra tudo isso! O vídeo abaixo é de um show histórico no Bigato’s Bar, ponto de encontro dos punks locais, em especial dos Carniça, a maior gangue punk da nossa região.

Outras bandas nasceram nos anos 90 e ajudaram a manter a chama da rebeldia social e da tentativa de sobreviver com uma identidade própria em meio a todos os problemas da cidade, entre elas, o Senso Crítico, uma das mais que tinha grande potencial musical.

A partir dos anos 2000 a cena punk do Sônia Maria ganha uma nova representante: o 88não! formado pelo Daniel Miranda, ex baterista do Subviventes pra cantar o amor por Mauá e o ódio ao racismo e ao fascismo!

Com a banda, se fortaleceu a relação dos punks com o futebol de várzea ajudando a surgir uma série de times como o Autonoms FC, Celeste Proletária, Rosa Negra, Corote & Molotov e o União Lapa, entre outros.

Aqui, o time atual do EC Napoli, do Sonia Maria com o Daniel (baterista do 88Não!) e o Adeilton (ex vocal):

EC Napoli do Sônia Maria

Esse post é uma homenagem a dois “Danieis” (esse seria o plural de Daniel?) que eu nem, sei se se conhecem, mas deveriam… Um é o Daniel Miranda, do 88Não! responsável por dezenas de shows da cena independente de Mauá.

Daniel Miranda

O outro é o Daniel Alcarria, que também luta pela valorização da cultura local, em especial o futebol da cidade. A foto abaixo a gente fez num jogo entre o Mauaense e o Nacional, em 2010 (lembre aqui como foi):

Daniel Alcarria - Grêmio Mauaense

Essa mesma injustiça que eu enxergo na cultura, também existe no futebol local, visto que mesmo tendo nascido cedo, ainda nos tempos do distrito, tem pouco reconhecimento da mídia. O Pilar Futebol Clube foi o primeiro time de Mauá, em 1919.

Pilar FC

A foto abaixo é do time de 1922 e foi reproduzida do blog do Daniel Alcarria (clique aqui e conheça).

Pilar FC - Mauá

O Daniel Alcarria é o responsável pelo Almanaque Histórico do Grêmio Esportivo Mauaense. A gente esteve no lançamento do livro (lembre-se aqui como foi). Pra quem quiser adquirir, fale com ele: daniel.alcarria@gmail.com .

Falando sobre o Pilar FC, o time usava o campo próximo da atual Praça 22 de novembro, mas logo passou a usar o campo na região central, próximo aos fornos da olaria dos Perrella, onde fica o Mauá Plaza Shopping, atualmente.

Em 1938, o Pilar FC mudou de nome e passou a chamar Associação Esportiva Mauá.

Associação Esportiva de Mauá

Olha aí o time:

Associação Esportiva de Mauá

O distintivo deles evolui para este:

Agremiação Esportiva Mauá

Outro time de Mauá do início do século era o Belo Horizonte FC, do bairro Pavoeiro, do qual muitos jogadores foram convidados para criar o Associação Atlética Industrial, fundado no dia 1º de outubro de 1921.

Distintivo do AA Industrial

O time surgiu dentro da Fábrica de louças, chamada de a “Fábrica Grande” (no passado Mauá tinha grande tradição em louças), e desde 1919, já tinham um time de futebol rivalizando com o Pilar FC:

AA Industrial - Mauá - 1919

O primeiro jogo de futebol do Industrial foi frente ao Pilar FC, uma vitória de 3 x 0 para a festa na Fábrica Grande, já que o Pilar era considerado o grande time da cidade. O Ademir Medici escreveu um lindo livro sobre o time:

Industrial de Maua

Nos anos 30, o AA Industrial passou a disputar a LEMS (Liga Esportiva Municipal Sambernardense). Aqui, o time de 1934, que bateu o Corinthians de Santo André (campeão naquele ano) por 2×1 e empatou com o Primeiro de Maio por 1×1. O time seria sempre uma pedra no caminho do Galo da Vila Alzira, vencendo também em 1935, por 1×0.:

AA Industrial - Mauá - 1934

Depois, o time migra pra Liga de Santo André e no dia 20 de julho de 1941 visita o Ribeirão Pires FC e perde por 2×0, jogando com Kafunga, Afonso e Santana; Cará, Élio e Constantino; Alfredo, Antonio Santos, Osvaldinho, Artemio e Valdir.

Em 1943, o time disputou o Campeonato do Interior pela Federação Paulista, num grupo mais que difícil, onde o Corinthians de Santo André se classificou para a fase seguinte:

Campeonato Paulista do Interior - 1943

Nessa época o Industrial não tinha campo e costumava jogar apenas como visitante, e em alguns momentos utilizando o Estádio Américo Guazzelli emprestado do Corinthians.

Em 1950, o A.A. Industrial seria campeão da Divisão Principal da Liga Santoandreense de Futebol, de forma invicta, com o time abaixo:

AA Industrial - Mauá - 1950

Depois viria o tricampeonato da Liga de Santo André em 1955, 1956 e 1957.

Em 1958, nasce a Liga de Mauá e o AA Industrial passa a disputá-la e torna-se o primeiro campeão da Liga.

O time seguiu montando bons esquadrões para disputar os campeonatos no ABC, como esse time de 69:

AA Industrial - Mauá - 1969

Em 89, o último título da Liga!

AA Industrial - Mauá - Campeão de 1989

O mais legal é que eles ainda existem como clube, e você pode conhecer mais sobre eles via Facebook (clique aqui e visita a página deles).

Em 17 de abril de 1945, nasce um outro time na cidade: o Independente FC, pra apimentar ainda mais a rivalidade que antes ficava entre o Pilar FC e o AA Industrial.

Independente FC - Mauá

Seu campo fica no Jardim Independência.

Campo do Independente FC

Seu primeiro grande título no futebol foi em 1946: Campeão da Segunda Divisão de Santo André.

E em 1950, veio o título de Campeão da Primeira Divisão da Liga de Santo André.

O Independente FC foi também campeão do centenário de 1953:

Independente FC - Mauá -1953

E essa foto recolorida no começo dos anos 60? Linda não?

Independente FC - Mauá - início dos anos 60

Outros times como estes fizeram com que a Liga de Mauá fosse aos poucos se fortalecendo e sendo mais um motivo de orgulho da cidade!

Faltava só a presença de Mauá no profissionalismo, mas os dois times que vimos acima (Independente FC e o AA Industrial)  não toparam se profissionalizar.

A oportunidade surgiu em 1981, quando o Presidente da Federação Paulista de Futebol (Nabi Abi Chedid) esteve na cidade para a premiação dos  Campeões da Liga Mauaense e na empolgação da festa sugeriu que se criasse um time para jogar a série A3 do Campeonato Paulista, dizendo que se precisasse da Federação, ele ajudaria.

Nabi Abi Chedid

Assim, nasceu o Grêmio Esportivo Mauaense

Distintivo do Grêmio Esportivo Mauaense

A data de 15 de dezembro de 1981 na verdade se deve a uma parceria com o Escolinha FC, um time que já existia na cidade e fez uma parceria com o Grêmio para que pudesse agilizar sua inscrição junto à Federação.

Nesse momento histórico da fundação do Grêmio Mauaense surge mais um cara que merece ser homenageado por este post: o Marrom (de vermelho na foto abaixo)!

Marrom

Fizemos essa foto com ele na época em que os já falecidos Bellotti e Wilson Cricca, juntamente do Ale Bachega (o primeiro da esquerda, ao lado do Marrom) e eu (com a camisa do Santo André) passamos a entrevistar os jogadores do Santo André em busca de histórias!

Ele esteve presente desde o momento do convite para disputar o profisional e participou da montagem do primeiro time (quase que na totalidade com jogadores da várzea). O primeiro desafio foi representar a cidade de Mauá na Copa João Ramalho de 1981, de onde saíram com o vice campeonato.

A estreia do time oficial foi em um amistoso em 31 de janeiro de 1982, numa derrota de 3×0 para o Suzano Futebol Clube (atual União Suzano Atlético Clube).

USAC

Ainda não existia o Estádio Municipal, então a casa do Grêmio Mauaense foi  o antigo campo do EC Cerâmica, e pra quem quer saber como era (já que atualmente o Poupatempo Mauá em seu lugar) e Daniel Alcarria nos enviou algumas fotos:

Campo do Cerâmica - Mauá

O Campo do Cerâmica serviu de casa para vários times amadores da cidade. Essa foto é do Clube Esportivo União na final de 1981, Marrom, o último a direita, viria a fazer história no futebol local.

Campo do Cerâmica - Mauá

O Estádio era conhecido por ter dimensões pequenas (precisou de uma mini reforma para receber a 3a divisão). Aqui, a final do Campeonato da Liga de 1980, com os jogadores do GE Jardim Anchieta comemorando o gol do título.

Campo do Cerâmica - Mauá

Dá pra ver que o campo ficava bem encostado na rua, mas mesmo assim, havia espaço para uma arquibancada na lateral, que vivia cheia… Olha aí a Seleção de Mauá campeã da Copa João Ramalho de 1983.

Campo do Cerâmica - Mauá

Olha que linda defesa foi fotografada nesse modesto, mas inesquecível estádio!

Campo do Cerâmica - Mauá

Assim, o Grêmio Mauaense disputou a série A3 de 1982 a 1984 no Estádio do EC Cerâmica.

Em 82, fez uma boa campanha, principalmente no 1º turno, quando foi “vice campeão” (o campeão foi a Funilense de Cosmópolis, não conhece o time, clique aqui e saiba mais!).

Campeonato Paulista série A3 - 1982

Campeonato Paulista série A3 - 1982

Campeonato Paulista série A3 - 1982

O formato do Campeonato era super confuso, agradeço ao Rodolfo Stella pela ajuda na compreensão!

2o turno se'rie A3 - 1982

Quadrangular 2o turno - série A3 1982

Aí o time daquela época:

Grêmio Mauaense

Em 1983 disputou mais uma vez a A3 e dessa vez uma fórmula bem louca com 4 turnos envolvendo os mesmos times… Marrom foi técnico e jogador neste ano, e ainda pode ajudar o time trazendo alguns atletas do Santo André pra reforçar o time.

Grêmio Mauaense série A3 1983

O time que jogou foi esse:

Grêmio Esportivo Mauaense

E de 84, existem lindos registros que nos foram passados pelo Daniel Alcarria, do jogo Mauaense x Capivariano 1984. Em 84, o Marrom disputou como atleta a série A3, mas ao final do campeonato passou a supervisionar o futebol no Mauaense e por algumas vezes sendo o treinador.

Campo do Cerâmica - Mauá

Campo do Cerâmica - Mauá

Campo do Cerâmica - Mauá

Essa foto também é daquela época, mas sem conseguir identificar de qual jogo…

Campo do Cerâmica - Mauá

Batemos um papo com o Marrom sobre esse momento inicial do Grêmio e ele citou um momento especial: o jogo de estreia do Estádio Municipal “Pedro Benedetti“, em 8 de dezembro de 1984.

Estádio Municipal de Mauá

O Grêmio Mauaense fez uma partidaça contra o São Paulo Futebol Clube, e ainda que o placar tenha terminado 2×1 pra o tricolor paulista, o Grêmio deixou claro que seria um time duro de bater, em Mauá. Esse jogo detém o recorde de público do Estádio: mais de 15 mil torcedores.

Grêmio Mauaense 1x2 São Paulo FC

Grêmio Mauaense 1x2 São Paulo FC

É lindo ver o Estádio Pedro Benedetti lotado!

Estádio Alberto Benedetti - Mauá

O Estádio Municipal Pedro Benedetti possui capacidade para 10.590 torcedo e seu nome homenageia o futebolista Pedro Benedetti que jogou no Independente Futebol Clube, Associação Atlética Industrial, Cerâmica Futebol Clube, entre outros times de Mauá.

Estádio Municipal Pedro Benedetti - Mauá

Olha a imagem do projeto que o Daniel Alcarria enviou pra gente:

Estádio Municipal Pedro Benedetti - Mauá

E a inauguração do Estádio parece ter dado sorte… Em 1985, chegou o grande momento do time. Após uma primeira fase com apenas uma derrota, o time classificou-se para as finais.

Campeonato Paulista série A3 - 1985

A segunda fase foi um quadrangular com o Paulista de Suzano, Jabaquara de Santos e o Jacareí, e o mais uma vez o time sofreu apenas uma derrota contra o Jabaquara, em Santos!

2a fase campeonato paulista série a3 - 1985

Veio então um triangular envolvendo a Esportiva de São João da Boa Vista e o Serra Negra EC, e o Mauaense passou invicto!

Triangular semifinal série A3 1985

O grande momento chegou: a final do campeonato contra a equipe do Mirassol e uma vitória em Mauá e um empate em Mirassol garantiram o título e o acesso à série A2.

Final Campeonato Paulista série A3 1985

Olha aí o time campeão:

Gremio Mauaense Campeão do Campeonato Paulista série A3 1985

Assim, em 1986 disputou a série A2 e embora tenha ido muito bem na primeira fase, acabou em último do seu grupo da segunda fase…

Campeonato Paulista série A2 - 1986

Campeonato Paulista série A2 - 1986

Já em 1987, o time não passou da primeira fase, terminando em oitavo lugar…

Campeonato Paulista série A2 - 197

Assim, o time voltou à série A3, campeonato que disputou de 1988 a 1991. Em 1987, conquistou o título da Copa Diário do Grande ABC.

Em 1992, o time se licenciou, retornando em 1993 na Quarta Divisão (a atual série B / Segunda Divisão). Esse é o time de 1993:

Grêmio Mauaense 1993

Aqui o time de 1994:

Grêmio Mauaense 1994

Em 1996, o Grêmio Mauaense foi Vice Campeão Paulista da Antiga Série B1.

Série B1 1996

Outro time dos anos 90:

Grêmio Mauaense

Em 2003, o Mauaense conquistou seu último título, da B1.

Gremio Mauaense campeao da serie b1 2003

E assim, desde 2008, o Mauaense disputa a 4ª Divisão, mais conhecida como Paulista da Série B. E pra quem pensou “O Marrom deve ter ficado feliz com o Grêmio Mauaense ter seguido na ativa”, olha ele aí na comissão do time de 2016:

Grêmio Mauaense 2016

As arquibancadas nunca mais tiveram sua lotação como nos primeiros anos, mas… a torcida segue viva!

Estádio Pedro Benedetti - Mauá

Torcida Barões de Mauá - Estádio Pedro Benedetti - Mauá

Aqui, o time de 2019:

Grêmio Mauaense 2019

Mas, o futebol é mesmo uma caixinha de surpresas e quando menos se esperava, eis que surge um novo time em Mauá para disputar o profissional e assim, utilizar o Estádio Municipal Pedro Benedetti, trata-se do Mauá FC.

Mauá FC

O Mauá Futebol Clube foi fundado em 23 de outubro de 2017 e estreiou na Segunda Divisão do Campeonato Paulista (a série B) em 2018. Aliás estivemos presente em um jogo deles contra a AA Itararé, pra conhecer de perto o novo time do ABC (veja aqui como foi).

Maua FC x AA Itararé

Logo no seu primeiro campeonato, conseguiu se classificar para a segunda fase, ficando entre os 16 melhores clubes do estado na divisão disputada e ainda ganhou os dois clássicos contra o Grêmio Mauaense. Será que nasce um novo rival?

Atualmente, quem está por lá cuidando do futebol é…. O Marrom!

Pra fechar, vale lembrar que a Liga Mauaense de Futebol Amador seguiu evoluindo e se tornou a maior do estado de São Paulo com mais de 320 times filiados, 900 partidas por ano com um público total de aproximadamente 50 mil torcedores por ano, é mole?

Mauá é hoje uma baita cidade, e uma das mais apaixonadas por futebol do Brasil. Além disso tem melhorado dia após dia. É muito mais do que você imagina…

AS mil camisas mauá

APOIE O TIME DA SUA CIDADE!!!